Pular para o conteúdo principal

Serventia


Nossa sociedade contemporânea consolidou os clichês para ratificar o que queremos encerrar peremptoriamente, dar um veredito, sem comportar maiores elucubrações. São armadilhas que lançamos mão num ímpeto de explicar qualquer coisa que apareça e para a qual não tenhamos tempo para um raciocínio mais amplo ou até por incapacidade mental nossa de fazê-lo.
Fruto da nossa ignorância, toma corpo o descarte de tudo aquilo que não enxergamos aplicação imediata. Sinônimo também da impaciência característica dos nossos dias. Só nos serve o que é instantâneo, centrado no que está acontecendo agora e que precisa obrigatoriamente servir para alguam finalidade. Qualquer raciocínio um pouco mais complexo é doideira do interlocutor. O que serve é o aqui e agora.
Na visão utiliária e imediatista há todo um culto ao presente. Passado e futuro perderam a importância e nós a capacidade de rever atos e pensar adiante. As tecnologias digitais forçam o uso do real-time (que também poderiamos traduzir por sincronia) e a medida de valor é a do presente. O On-line não admite ruídos, chiados de rádio ou mal entendidos. É proibida a pausa para o raciocínio. Só vale o que é útil e o uso de clichês. Taxa-se de prolixo, quando na verdade se quer apenas raciocinar e entender o contexto. Há momentos em que mesmo o ruído, o insólito, o aparentemente inútil é necessário para renovar processos, trazer idéias inovadoras e fugir da pasteurização e da mesmice.
Na arte, também não vemos finalidade utilitária, aquilo que Kant chamou de “finalidades sem fim”, Ou seja, “o objeto belo tem a forma da finalidade – achamos que ele é o que devia ser – e, no entanto, não tem fim determinado, pois não nos é possível determinar o que é que devia ser”. Mas nem por isso nos privamos do despertar dos sentidos. O ser humano reage às interações com corpo e mente. Não há resposta isolada e cada um de nós necessita da sua porção de belo, respeitado o nível de entendimento de cada um. Não há como prescindir do necessário á sobrevivência, mesmo que num primeiro momento não identifiquemos onde isso vai dar.
Quando um aluno rejeita informações que não estão dentro do seu leque de interesse, alimenta a pergunta fatídica: “Para que serve isto mesmo?”. Só que ele está repetindo um hábito que é da nossa sociedade como um todo: o conceito arraigado da utilidade das coisas. O Sistema Educacional, por sua vez, cansado de ouvir isto do seu público alvo, se deixa levar pelo útil, alimentando no aluno a predisposição à raiva contra qualquer linha de pensamento que lhe busque ensinar um mínimo de como fazer bem determinada atividade, induzindo-o com algumas técnicas de pensar criativamente.
Toda Filosofia é pensamento, mas nem todo pensamento é Filosofia, diz o filósofo e poeta Antônio Cícero em entrevista à revista Ciência e Vida Filosofia, nr. 25. E se definimos Filosofia como o pensamento abstrato e incisivo, aparentemente é inútil dentro do contexto do utilitarismo. Porquê então torná-la matéria do ensino médio? Mas é sobretudo por ser um pensamento crítico e radical, que a Filosofia pode e deve instrumentar nossos jovens a questionar pressupostos vigentes e fazê-los pensar de forma autônoma.
Tempos pragmáticos, estes nossos, onde a velocidade da informação impõe uma urgência que pode até ser benéfica no presente, mas que foca apenas no ato em si e se esquece do desenvolvimento da capacidade de pensar, o que é prejudicial a longo prazo. Ainda há tempo para não nos reduzirmos a meros repetidores de clichês impostos pela mídia, pela política, onde o fast-food intelectual é absorvido por nós sem que percebamos. O que não nos absolve do pecado da conivência.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CAÇA AO PALMEIRA

Vai ser difícil outro mês tão memorável quanto está sendo esse aqui na cidade das belezas naturais. Sabe quando a população inteira adere ao monoassunto? Pois é o que acontece nesses meados de fevereiro. Por uma semana todo mundo só fala da mesma coisa: os artistas estão entre nós. O melhor hotel da cidade foi contratado de porteira fechada para abrigar a constelação global que irá ocupar as telinhas no horário das nove a partir de maio. Nívea Maria foi a abre alas. E não é que o primeiro lugar que ela visitou por aqui foi o Cine Teatro Ideal? Artista deve ser atraído por esses locais, afinal, o prédio onde hoje é uma farmácia, já foi supermercado, cinema e teatro. Sim, na primeira década do século XX Jaguari já tinha iluminação pública, banda de música, jornal e teatro. Por aqui fervilhava uma atividade cultural intensa para os padrões da época. Coisa que se perpetuou até nossos dias. Que o digam o Festival de Música Nativista “O Grito de Jaguari”, o carnaval mais famoso da região…

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009
Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto
"Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras formando um som …
Toda energia