Pular para o conteúdo principal

Aparência

No impulso não nos importaríamos de sair com a tinta no cabelo e ir comprar aquelas balas de coco que desmancham na boca de tão macias. Se não nos importamos é porque a vontade de comer as balas é mais importante que o cabelo lambuzado. Por outro lado, não temos direito de impor aos outros a nossa feiúra e esquisitice de comportamento. Imagine o pandemônio que seria se nos déssemos ao luxo de dar vazão a todos os nossos impulsos.

O mundo possui espelhos e não tem como passar na frente de um deles sem nos olharmos. Se pudéssemos, pintaríamos os cabelos só na frente, já que atrás nós não enxergamos que eles estão ficando brancos e, portanto, não precisamos nos preocupar.

Só nos damos conta das nossas imperfeições, dos “defeitos de fabricação”, quando estamos de cara com eles ou quando alguém nos avisa. Não gostamos que ninguém apontando-nos o dedo. É preciso ser muito íntimo para que aceitemos racionalmente uma observação dessa natureza. E ainda assim, dói mais. Porque a opinião mais importante para nós é a de quem nós queremos bem. Dos outros é fácil ignorar, se a autoestima não estiver muito em baixa.

Duvidamos que seja só coisa de mulher. Talvez verbalizemos mais o nosso eterno inconformismo com a aparência. Os homens tradicionalmente se fecham em copas e dizem que não estão nem aí. Ponto para eles. O primeiro a ser convencido é a gente mesmo. Mas os rapazes estão avançando rumo aos redutos ditos femininos de vaidade, apuro nas roupas, implante de cabelos, freqüência às academias, enfim.

Não é reprovável querer ser belo. O que não dá é deixar a questão estética infernizar a nossa vida e nos privarmos de outra ginástica imprescindível: A do cérebro.

Almejar uma boa aparência, se cuidar, também é sinal de deferência com quem vai conviver conosco todos os dias, no trabalho, em casa, na rua. Isto não significa atrelarmo-nos e não nos permitir certos prazeres, como o prosaico ato de comprar balas. Ah, mas sem a tinta no cabelo, claro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009
Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto
"Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras formando um som …
Toda energia

POESIA VISUAL: De Simmias a Joan Brossa, Uma Conexão com o Cotidiano

POESIA VISUAL: Uma Conexão Com o Cotidiano
O olhar e o falar nas diversas formas de Arte
    Quando a transmissão de conhecimento era basicamente oral, a realidade era uma só para todos. Se todos diziam as mesmas palavras, não havia diferença. As palavras tinham o status de realidade, desbancando a visão particular. Logo, a verdade era algo sobre o quê a maioria dizia as mesmas frases.
    A palavra é a ferramenta básica da poesia, mas isto não impede que no feitio do poema - transcrição de um indivíduo de como ele enxerga a realidade aparentemente única – os poetas agreguem materiais e/ou maneiras de se exprimir diversas, que conferem peculiaridades à poesia, sem perder a essência.
    Isso também acontece nas demais espécies de Arte, este amplo território do sensível, materializado em pintura, música, filme, teatro, literatura, escultura e as múltiplas formas de espetáculo. Há sempre um novo fazer artístico sendo agregado.
    Na Arte contemporânea o artista usufrui como nunca do direito…