Pular para o conteúdo principal

Queremos ser lembradas, sim. E daí?

Todas nós mulheres adoramos ser lembradas, principalmente quando se acorda de manhã e tem alguém entregando um ramalhete de flores na sua porta. Nestas horas, esquecemos o mau humor matinal e abrimo-nos em sorrisos. Fechando mais um numero na casa dos inta e chegando nos enta? Não importa. É o seu aniversário e aqueles que lhes são caros estão homenageando-a. Um presentinho, as flores e o abraço da família e dos amigos. Telefonemas daqueles amigos distantes, tudo contribui para que você passe o dia nas nuvens. Vamos, é seu aniversário, usufrua! Hoje é seu dia especial.


Anos atrás, nos dias que antecediam ao aniversário de um familiar, encontramos a aniversariante aflita com os “micos” e inúmeros telefonemas característicos da data. Intimamente ela até gostava, mas se constrangia em se ver no centro das atenções, quando o passar do tempo já lhe indicava não ser mais uma jovenzinha. Pouco tempo antes, chamou-nos a atenção uma entrevista na TV com um professor americano radicado no Brasil. Ele dizia que nos seus primeiros anos aqui no nosso país, espantou-se com alguém se desculpando por não ter lhe dado os parabéns pelo aniversário. Segundo o entrevistado, não era costume nos EUA esta lembrança, da forma como ela existe no existe no Brasil, estando restrita a familiares e amigos mais íntimos. Analisou que seria mais uma prova da afabilidade dos brasileiros.

Caso a teoria do professor americano esteja certa, graças a Deus que somos brasileiros. Nós espalhamos tudo. Levamos tudo para o coletivo e o resultado final é positivo. Algumas lembranças são apenas convenções sociais, mas mesmo assim entendemos válidas. É civilizado lembrar-se das pessoas que nos rodeiam. Faz bem saber que alguém se recordou da gente num dia que tem significado especial para nós.

Ninguém gosta de ser anônimo. As celebridades que o digam. Ficamos satisfeitos intimamente quando alguém destaca uma qualidade nossa, um trabalho bem feito, nossa capacidade de ouvir, seja lá o que for. Queremos os nossos momentos de intimidade sim, quando somos nós em frente ao espelho. Mas precisamos ser reconhecidos. É sinônimo de enxergar o outro. Que atire a primeira pedra, quem, lá no íntimo, não quer pelo menos por um dia, os holofotes sobre si? Foi essa pergunta que fizemos na conversa tida antes do aniversário da nossa amiga. E não é que deu para notar um sorriso no rosto a cada telefonema?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009
Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto
"Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras formando um som …
Toda energia

POESIA VISUAL: De Simmias a Joan Brossa, Uma Conexão com o Cotidiano

POESIA VISUAL: Uma Conexão Com o Cotidiano
O olhar e o falar nas diversas formas de Arte
    Quando a transmissão de conhecimento era basicamente oral, a realidade era uma só para todos. Se todos diziam as mesmas palavras, não havia diferença. As palavras tinham o status de realidade, desbancando a visão particular. Logo, a verdade era algo sobre o quê a maioria dizia as mesmas frases.
    A palavra é a ferramenta básica da poesia, mas isto não impede que no feitio do poema - transcrição de um indivíduo de como ele enxerga a realidade aparentemente única – os poetas agreguem materiais e/ou maneiras de se exprimir diversas, que conferem peculiaridades à poesia, sem perder a essência.
    Isso também acontece nas demais espécies de Arte, este amplo território do sensível, materializado em pintura, música, filme, teatro, literatura, escultura e as múltiplas formas de espetáculo. Há sempre um novo fazer artístico sendo agregado.
    Na Arte contemporânea o artista usufrui como nunca do direito…