Pular para o conteúdo principal

Convicção, Uma Luta de Todos Nós


Confiança, crença e convicção são atributos que se conquistam junto ao nosso interlocutor. Podem ser lógicos, cristalinos, mas precisa haver empatia para que se estabeleça a ponte par ao início de um processo de convencimento.

E o que fazer então com essa sensação de angústia permanente que nos ameaça e nos deixa impotentes, com falta de ar, cada vez que resolvemos esmiuçar tais conceitos? Porque a certeza vai sempre por água abaixo quando se trata do raciocínio sobre o universo, do prosaico quem somos, de onde viemos e para onde vamos? A ignorância é uma sensação consoladora. De posse dela, tudo se torna aparentemente fácil.

É pretensão demais da nossa parte querer achar respostas ou discutir aqui questões filosóficas que os sábios ao longo dos séculos vem teorizando a respeito. Há estudiosos do pensamento da atualidade capazes de defender suas teorias com veemência e fundamento. Mas não há de se contestar que o conhecimento não é passaporte para a tranqüilidade de ninguém. O pensar é característico dos seres inquietos, capazes de conciliar o prazer de absorver o que escreve um Umberto Ecco, não se descuidando de um prosaico caldo de feijão que estivermos cozinhando. O prazer da descoberta também é prazeroso. Quem não se dispuser a abrir mão dos prazeres fáceis, ganha em troca a placidez e o conformismo inerentes à ignorância.

Ao cercar-se de idéias de outrem tentando descobrir a sua própria, transformamo-nos e absorvemos o que o pensamento universal consolidou. Conhecendo mais temos mais escolhas. Mas a certeza, ah! Essa não vem. Atribui-se ao Galeano a frase: "Quando eu achava que tinha todas as respostas, mudaram as perguntas". É. Quanto mais aprendemos menos sabemos. Nossas convicções podem desmoronar-se na próxima investida de aprender. Abandonar o barco? Jamais. O verdadeiro prazer está exatamente na busca, em admitir a multiplicidade de facetas que compõem o universo e constatar que somos parte integrante dele.

Comentários

  1. Muito difícl, Rackel, encontrar respostas fora de nós mesmos.
    Verdade que estamos aqui para crescermos espiritualmente em união fraterna sob uma lei universal, mas quanto ao intelecto...Que tragédia!
    Nadilce Beatriz
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Oi Rackel, seu texto como sempre é muito bom.Gosto de ler você, tudo de bom, beijos.

    ResponderExcluir
  3. Tens razão, Nadi. Obrigada por compartilhar e enriquecer meus textos.
    Abraço fraterno,
    Rackel

    ResponderExcluir
  4. Arnold, tudo de bom para ti também. Obrigada pelo privilégio da tua visita.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Por favor, deixe aqui sua opinião sobre o texto.

Postagens mais visitadas deste blog

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009
Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto
"Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras formando um som …
Toda energia

POESIA VISUAL: De Simmias a Joan Brossa, Uma Conexão com o Cotidiano

POESIA VISUAL: Uma Conexão Com o Cotidiano
O olhar e o falar nas diversas formas de Arte
    Quando a transmissão de conhecimento era basicamente oral, a realidade era uma só para todos. Se todos diziam as mesmas palavras, não havia diferença. As palavras tinham o status de realidade, desbancando a visão particular. Logo, a verdade era algo sobre o quê a maioria dizia as mesmas frases.
    A palavra é a ferramenta básica da poesia, mas isto não impede que no feitio do poema - transcrição de um indivíduo de como ele enxerga a realidade aparentemente única – os poetas agreguem materiais e/ou maneiras de se exprimir diversas, que conferem peculiaridades à poesia, sem perder a essência.
    Isso também acontece nas demais espécies de Arte, este amplo território do sensível, materializado em pintura, música, filme, teatro, literatura, escultura e as múltiplas formas de espetáculo. Há sempre um novo fazer artístico sendo agregado.
    Na Arte contemporânea o artista usufrui como nunca do direito…