Pular para o conteúdo principal

Reflexões sobre cérebro e consciência - Parte I


Reflexões sobre cérebro e consciência. Parte I.

Consciência no sentido clássico é o estado em que a pessoa está ciente de suas ações físicas e mentais, só ocorrendo quando se está acordado e alerta.

Por volta do século V a.C. o cérebro passou a ser reconhecido como o centro das atividades mentais, mas a idéia da existência de uma substância responsável pela formação da consciência, a dualidade herdada da antiguidade grega, persistiu.

No século XVII, o filósofo e médico René Descartes, afirmou que a alma — mente — (e, por dedução a consciência) se dissociam do cérebro e do corpo. Somos uma mente que interage causalmente com um corpo e esse corpo se comporta como uma máquina. Essa alma não existe nos animais e nos autômatos (sim, Descartes imaginou os robôs). Possuímos comportamento reflexo; e, o cérebro é o local onde nossos pensamentos ocorrem. Estava criado o dualismo moderno, a doutrina segundo a qual mente e corpo são radicalmente distintos.

Desde então dualistas e materialistas (ou monistas) seguem se digladiando.  À neurociência, nos anos 50, coube a herança de decifrar o enigma de Descartes: O cérebro gera uma mente. Ok. Então, como o funciona o processo pelo qual essa mente converte um sinal cerebral num estado mental?

Dos anos 90 para cá, filósofos e cientistas como Daniel Dennet, Roger Penrose, John Searle e Raymond Kurzwei, dentre outros, propuseram diferentes modelos conceituais a fim de compreender a natureza da experiência consciente. O problema mente-cérebro se tornou na atualidade, o problema mente-cérebro-consciência.

Na tradução do cerebral para o mental, psicologia e neurofisiologia se misturam. A definição de consciente usada até hoje tem origem na divisão de Freud do aparelho psíquico: inconsciente, subconsciente e consciente. Correspondendo à zona da razão, o consciente, por intermédio da introspecção, responde pelo contato com o mundo exterior, tornando o indivíduo capaz de descrever as próprias experiências e apresentar determinado padrão de comportamento. Decifrar o código cerebral tem trazido mais dúvidas que resultados à ciência. Serão tais códigos resultado da atividade de um cérebro ou da atividade de uma mente que examina um cérebro. Na causação mental, as mentes podem afetar os corpos. A psicossomática é a ciência que busca encontrar essa relação causal entre fenômenos mentais (psicanálise e psicologia) e fenômenos físicos (medicina tradicional). A consciência de alguns estados mentais ou experiências pode fazer a diferença no comportamento ou nos estados pelos quais o corpo passa? A consciência é o que nos distingue de simples máquinas biológicas e de zumbis?

O inventor Raymond Kurzwei questiona “qual será o papel que no futuro, o homem-ciborgue, capaz de trabalhar inúmeras vezes mais rápido do que o humano de hoje em dia — o processamento de informação nos cérebros primordialmente não-biológicos é mais rápido — será capaz de desempenhar”?

Em algum momento as máquinas se afirmarão conscientes e haverá uma concorrência desleal entre elas e o "ser humano não aprimorado". O indivíduo que não incorporar a inteligência artificial não será capaz de competir em termos de produtividade com os ciborgues. Não se trata de substituir o homem por robôs, mas do processo inverso. O que dizer dos implantes e acessórios que cada vez mais acoplamos ao nosso corpo? De marca-passos a prótese de membros, cada novo avanço tecnológico, distancia-nos da figura humana natural, numa divisa cada vez menor entre homem e máquina.

 

Revista Filosofia Ciência e Vida Nº 9, 2007. Artigo do Dr. João de Fernandes Teixeira;

O livro do cérebro. Alberto P. Quartim de Moraes. Ed. Duetto, 2009.

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CAÇA AO PALMEIRA

Vai ser difícil outro mês tão memorável quanto está sendo esse aqui na cidade das belezas naturais. Sabe quando a população inteira adere ao monoassunto? Pois é o que acontece nesses meados de fevereiro. Por uma semana todo mundo só fala da mesma coisa: os artistas estão entre nós. O melhor hotel da cidade foi contratado de porteira fechada para abrigar a constelação global que irá ocupar as telinhas no horário das nove a partir de maio. Nívea Maria foi a abre alas. E não é que o primeiro lugar que ela visitou por aqui foi o Cine Teatro Ideal? Artista deve ser atraído por esses locais, afinal, o prédio onde hoje é uma farmácia, já foi supermercado, cinema e teatro. Sim, na primeira década do século XX Jaguari já tinha iluminação pública, banda de música, jornal e teatro. Por aqui fervilhava uma atividade cultural intensa para os padrões da época. Coisa que se perpetuou até nossos dias. Que o digam o Festival de Música Nativista “O Grito de Jaguari”, o carnaval mais famoso da região…

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009
Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto
"Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras formando um som …
Toda energia