Pular para o conteúdo principal

Reflexões sobre cérebro e consciência - Parte I


Reflexões sobre cérebro e consciência. Parte I.

Consciência no sentido clássico é o estado em que a pessoa está ciente de suas ações físicas e mentais, só ocorrendo quando se está acordado e alerta.

Por volta do século V a.C. o cérebro passou a ser reconhecido como o centro das atividades mentais, mas a idéia da existência de uma substância responsável pela formação da consciência, a dualidade herdada da antiguidade grega, persistiu.

No século XVII, o filósofo e médico René Descartes, afirmou que a alma — mente — (e, por dedução a consciência) se dissociam do cérebro e do corpo. Somos uma mente que interage causalmente com um corpo e esse corpo se comporta como uma máquina. Essa alma não existe nos animais e nos autômatos (sim, Descartes imaginou os robôs). Possuímos comportamento reflexo; e, o cérebro é o local onde nossos pensamentos ocorrem. Estava criado o dualismo moderno, a doutrina segundo a qual mente e corpo são radicalmente distintos.

Desde então dualistas e materialistas (ou monistas) seguem se digladiando.  À neurociência, nos anos 50, coube a herança de decifrar o enigma de Descartes: O cérebro gera uma mente. Ok. Então, como o funciona o processo pelo qual essa mente converte um sinal cerebral num estado mental?

Dos anos 90 para cá, filósofos e cientistas como Daniel Dennet, Roger Penrose, John Searle e Raymond Kurzwei, dentre outros, propuseram diferentes modelos conceituais a fim de compreender a natureza da experiência consciente. O problema mente-cérebro se tornou na atualidade, o problema mente-cérebro-consciência.

Na tradução do cerebral para o mental, psicologia e neurofisiologia se misturam. A definição de consciente usada até hoje tem origem na divisão de Freud do aparelho psíquico: inconsciente, subconsciente e consciente. Correspondendo à zona da razão, o consciente, por intermédio da introspecção, responde pelo contato com o mundo exterior, tornando o indivíduo capaz de descrever as próprias experiências e apresentar determinado padrão de comportamento. Decifrar o código cerebral tem trazido mais dúvidas que resultados à ciência. Serão tais códigos resultado da atividade de um cérebro ou da atividade de uma mente que examina um cérebro. Na causação mental, as mentes podem afetar os corpos. A psicossomática é a ciência que busca encontrar essa relação causal entre fenômenos mentais (psicanálise e psicologia) e fenômenos físicos (medicina tradicional). A consciência de alguns estados mentais ou experiências pode fazer a diferença no comportamento ou nos estados pelos quais o corpo passa? A consciência é o que nos distingue de simples máquinas biológicas e de zumbis?

O inventor Raymond Kurzwei questiona “qual será o papel que no futuro, o homem-ciborgue, capaz de trabalhar inúmeras vezes mais rápido do que o humano de hoje em dia — o processamento de informação nos cérebros primordialmente não-biológicos é mais rápido — será capaz de desempenhar”?

Em algum momento as máquinas se afirmarão conscientes e haverá uma concorrência desleal entre elas e o "ser humano não aprimorado". O indivíduo que não incorporar a inteligência artificial não será capaz de competir em termos de produtividade com os ciborgues. Não se trata de substituir o homem por robôs, mas do processo inverso. O que dizer dos implantes e acessórios que cada vez mais acoplamos ao nosso corpo? De marca-passos a prótese de membros, cada novo avanço tecnológico, distancia-nos da figura humana natural, numa divisa cada vez menor entre homem e máquina.

 

Revista Filosofia Ciência e Vida Nº 9, 2007. Artigo do Dr. João de Fernandes Teixeira;

O livro do cérebro. Alberto P. Quartim de Moraes. Ed. Duetto, 2009.

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009 Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto "Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras fo

A arte de escrever Sonetos

Texto de Paola Rhoden, publicado no site Autores.com em 05 de novembro de 2009 Em primeiro lugar, não se ensina um poeta a escrever. Ele tira da alma o que sua mão escreve. Porém, a tarefa de escrever um soneto, uma obra considerada pelos intelectuais de símbolo da poesia, não é fácil. Não é fácil porque aqueles que cultuam essa técnica, não arredam pé de que é essencial para um soneto seguir as regras. Mas, para quem gosta e quer seguir por esta árdua estrada, abaixo seguem algumas delas: Um soneto é uma obra curta que transmite uma idéia completa. Para se escrever um soneto perfeito, ou clássico, como é chamado pelos profissionais de literatura, deve seguir as regras mundialmente utilizadas, que são: métrica, ritmo e rima. Um soneto clássico é formado por quatorze (14) versos decassílabos, dispostos em quatro estrofes, da seguinte maneira: a) dois quartetos ( ou quadras ); b) dois tercetos ( ou terças); c) a métrica deve seguir as normas. Cada um dos 14 versos deve ser decassíla

Jogo de Palavras

Dizer que foi o receptor da comunicação quem se equivocou é uma atitude cômoda para o emissor, porém arriscada, já que a conversa pode se encerrar por ali. Quando lançamos mão do tradicional “você é que não me entendeu”, estamos transferindo para o outro a responsabilidade pelo equívoco que nós mesmos provocamos. Na prática, a nossa atitude em si é arrogante, pois não admite a possibilidade de erro e ainda por cima se exime das conseqüências, como se fôssemos donos da verdade e só a nossa versão é que contasse. Seria muito mais humilde e receptivo trocar a mensagem por “eu não me fiz entender”. Acalma o interlocutor e de quebra nos dá fôlego para uma segunda chance. Ocorre que na maioria das vezes nos utilizamos dessa tática com a melhor das intenções e com o honesto propósito de esclarecer a idéia que queríamos transmitir. Como a resposta vem de imediato à nossa mente, estamos convictos que esta forma de se expressar é correta e tanto cremos nisso que a reação é automática e não en