Pular para o conteúdo principal

Seria o pessimismo mais inteligente?

 

            O filósofo Luiz Felipe Pondé, professor da PUC-SP e da FAAP, autor de inúmeros livros, sendo o mais recente, O Catolicismo Hoje, (Benvirá) é tido como polêmico no meio intelectual. Pondé não se furta ao contato com o público de fora da Academia; lança mão dos meios que a mídia lhe dispõe para divulgar suas idéias, seja como colunista da Folha de São Paulo, seja como palestrante da FLIP-Feira Literária de Paraty-RJ, seja nas páginas amarelas da Revista VEJA desta semana.

            Pondé foi o conferencista do ciclo de palestras “Fronteiras do Pensamento”, desta semana  na capital gaúcha, onde se propôs a responder à pergunta que foi o título da sua exposição: “Seria o pessimismo mais inteligente? Trazemos aqui as respostas de Pondé a algumas das perguntas da platéia, após a palestra, realizada por ele no salão de Atos da UFRGS, em Porto Alegre, na noite de 11 de julho de 2011:


Pergunta: O avanço das ciências, por possibilitar o conhecimento das nossas limitações, não colabora com o pessimismo, com o nosso desencanto com o mundo?

Pondé: A ciência desencanta o mundo, sim. A angústia de fundo está ligada à tristeza cotidiana. Quando alguém pergunta ao médico por que o seu filho de quinze anos tem câncer, por exemplo, o profissional dá as razões técnicas. Na prática, o que se procura é conforto. Quem nos dá o consolo são os religiosos. A ciência tem o seu próprio otimismo. Ela avança na saúde, oferece o remédio, mas não consegue dar sentido para a vida. O pessimismo tem uma função de vigília na filosofia e nas ciências humanas. O debate filosófico aqui é sobre o mal estar, a tentativa de reencantamento, de divindade. A ciência, de vez em quando, produz uma espécie de solidão.


Pergunta: O pensamento pessimista está relacionado com o fomento dos movimentos fundamentalistas?

Pondé: O fundamentalismo religioso é fenômeno disputado pelos cientistas da religião. Religião é um sistema de sentido que reúne pensamentos, prática cotidiana, narrativa histórica e que funciona para muitas pessoas. Fundamentalismo é um termo da década de 20, reação protestante, crítica ao darwinismo. Em nossos dias ganhou conotação negativa. É tido como reação à modernização, que teria provocado o distanciamento dos valores originais. A modernização em si é uma experiência de desencanto. O fundamentalismo é um olhar negativo que se alimenta do desencanto e oferece outro encantamento da vida, uma sensação de pertencimento.


Pergunta: Existem razões para ser otimista ou pessimista nesse início de século?

Pondé: Tanto o otimismo como o pessimismo exigem doses equilibradas de uso. Tudo é contraditório.  É difícil ser pessimista o tempo todo. Ser alegre, ser triste, tem um sentido mais largo. Somos mais livres agora, temos sucesso, tecnologias. Ser pessimista para quê? Por outro lado, os vínculos ficam mais difíceis, acredita-se em si e não nos outros. O sucesso desumaniza, nos tira a paciência com quem chora demais, reclama demais. O otimismo assim é um perigo.  Cabe a reflexão do pessimismo como parceiro do maior cuidado com o ser humano, quando estamos apaixonados demais por nossas potências. É terrível esperar a redenção. A maturidade tem a ver com o mundo despedaçado, fora e dentro de nós.


Pergunta: Qual o grande problema do Pensamento Politicamente Correto?

Pondé: O Pensamento Politicamente Correto se origina na corrente filosófica pragmática americana. É um constrangimento invisível, ideológico, típico da nova esquerda americana. A função de estabilização da sociedade, antes centrada no proletariado, hoje se estende a outras minorias. Há mudança do foco dos grupos sociais, abrangendo as franjas da sociedade. O melhor lado do politicamente correto é a educação doméstica, a convivência com os diferentes. Na prática, o pensamento politicamente correto torna-se um controle, um patrulhamento que só se destina a destruir o outro; As pessoas tem medo de escrever. Há uma série de grupos que patrulham quem escreve. O politicamente correto é um modo de constrangimento, controle e ameaça do Pensamento Público, tolhendo a reflexão sobre uma série de discussões necessárias ao mundo atual. É covarde, simplifica a discussão, deixa o Pensamento Público burro, medroso e covarde.  A despeito disso, temos avançado em diversas questões no pensamento público. Como não ser otimista?

Comentários

  1. Parabéns, Rackel, pela matéria aqui escrita.
    Quantos temas traríamos à tona com este assunto!!!!!!!!
    Pessimista ou otimista, hoje, é algo um pouco controverso, há pesoas pessimistas que se dão bem, e otimistas que vivem remando e recitando sempre o mesmo 'mantra': eu sou otimista', e a gente vê, que a pessoa está numa m...Quase morrendo por dentro, aí então surge o sentimento de piedade, então eu passo a me perguntar: se sou piedosa então sou pessimista ou otimista? Entende? Muuuuuuuuiiiiiiiiiito assunto.
    Bjs em teu coração.
    Saudades.
    'Par Avion' não demora.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Por favor, deixe aqui sua opinião sobre o texto.

Postagens mais visitadas deste blog

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009 Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto "Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras fo

A arte de escrever Sonetos

Texto de Paola Rhoden, publicado no site Autores.com em 05 de novembro de 2009 Em primeiro lugar, não se ensina um poeta a escrever. Ele tira da alma o que sua mão escreve. Porém, a tarefa de escrever um soneto, uma obra considerada pelos intelectuais de símbolo da poesia, não é fácil. Não é fácil porque aqueles que cultuam essa técnica, não arredam pé de que é essencial para um soneto seguir as regras. Mas, para quem gosta e quer seguir por esta árdua estrada, abaixo seguem algumas delas: Um soneto é uma obra curta que transmite uma idéia completa. Para se escrever um soneto perfeito, ou clássico, como é chamado pelos profissionais de literatura, deve seguir as regras mundialmente utilizadas, que são: métrica, ritmo e rima. Um soneto clássico é formado por quatorze (14) versos decassílabos, dispostos em quatro estrofes, da seguinte maneira: a) dois quartetos ( ou quadras ); b) dois tercetos ( ou terças); c) a métrica deve seguir as normas. Cada um dos 14 versos deve ser decassíla

Jogo de Palavras

Dizer que foi o receptor da comunicação quem se equivocou é uma atitude cômoda para o emissor, porém arriscada, já que a conversa pode se encerrar por ali. Quando lançamos mão do tradicional “você é que não me entendeu”, estamos transferindo para o outro a responsabilidade pelo equívoco que nós mesmos provocamos. Na prática, a nossa atitude em si é arrogante, pois não admite a possibilidade de erro e ainda por cima se exime das conseqüências, como se fôssemos donos da verdade e só a nossa versão é que contasse. Seria muito mais humilde e receptivo trocar a mensagem por “eu não me fiz entender”. Acalma o interlocutor e de quebra nos dá fôlego para uma segunda chance. Ocorre que na maioria das vezes nos utilizamos dessa tática com a melhor das intenções e com o honesto propósito de esclarecer a idéia que queríamos transmitir. Como a resposta vem de imediato à nossa mente, estamos convictos que esta forma de se expressar é correta e tanto cremos nisso que a reação é automática e não en