Pular para o conteúdo principal

Chegadas e Partidas


Há trinta anos em dezenove de janeiro o Brasil perdeu a inesquecível “Pimentinha”. Em 1989, calou-se a voz de Nara Leão, a musa da bossa nova, coincidentemente nascida em um dezenove de janeiro. Em 2001, também em janeiro se foi Cássia Eller.

Ninguém em sã consciência é louco de dizer que a Elis Regina ficou eternizada entre nós porque morreu cedo. Perto dos 40, linda e no auge da carreira, um furacão interior que não tinha tamanho e que não conseguiu domar. Convenhamos, ela estava na plenitude e daquilo que não é perene, se pudéssemos escolher, nos retiraríamos no auge.

De comum entre essas três figuras femininas da música brasileira o fato de partirem ainda jovens, reconhecidas e amadas pelo público, o janeiro marcando suas vidas. Ao contrário de Nara Leão que faleceu em razão de uma doença, Cássia e Elis se foram de surpresa, gerando comoção nacional, deixando-nos a eterna pergunta:

— Por quê?

Junto com o ápice da nossa existência, de contrapeso, acumulam-se as dúvidas que nos afrontam na vida adulta. Na maturidade se inicia a decadência do corpo nos sinalizando a hora de partir. Por outro lado, o aguçar do espírito está ali, piscando, nos alertando para a posse da inteligência, do subconsciente, do domínio das nossas aptidões. As buscas se tornam maiores, temos cada vez menos respostas e pouquíssimas certezas. E as raras unanimidades se esfacelam no turbilhão  que o cotidiano  — com sua aparente mesmice — impõe a todos os mortais.  

Puxando a brasa para a nossa sardinha, senhoras; ousamos afirmar que o nosso quinhão de dúvidas sempre é maior que o da ala masculina.  Não podemos nos arvorar de mais sensíveis que os homens, claro. Mas que temos uma maneira peculiar de ver o mundo, ah! temos. Insegurança, mania de esmiuçar, querer coerência em tudo...

Será que não nos tornamos questionadoras recorrentes das minúcias do cotidiano? Somos exigentes, eternas insatisfeitas — dizem os rapazes — quer sejamos uma estrela ou uma cidadã anônima. Queremos tudo a que temos direito: — príncipe encantado, amor eterno? Pode ser. Porém, tem que ter beijo na boca e cafuné na nuca incluídos no pacote, quer estejamos alegres ou tristes. — E ainda por cima, sermos boas profissionais, excelentes mães e ótimas companheiras. É mole?

 Para fecharmos uma página e estarmos prontas para abrir outra, dependemos do nosso ritmo particular. Algumas de nós aparentam maior capacidade de resposta ao transpor esse limiar. Outras, sem tal prontidão partem para um enfrentamento, misto de recusa à juventude que se vai; em contrapartida à chegada da sensação de finitude. Não nos assustemos, meninas. Trata-se da fase de preparação para a outra metade das nossas vidas. É quando a mente tem mais condição de submeter o corpo já que ele e suas habilidades não são mais a nossa principal arma. Aliás, deixou de ser arma para se tornar o nosso companheiro, não o nosso fardo.

Janeiro, eterno símbolo de chegada, também o é de partidas. Seja do que não queremos mais para as nossas vidas, seja de buscar forças para a próxima etapa. Nara Leão, de certa forma, vivenciou a proximidade da partida. Quando nos sentimos no intervalo da vida — que pode ser aos trinta, quarenta, cinquenta — para nós mulheres é sinônimo de ápice.

Pois é, Elis, Cássia Eller, geniais e humanas, são exemplo do quanto é difícil enfrentar as transições. Duas estrelas que ao partirem precocemente, quem sabe, podem ter perdido a melhor parte da festa.




Comentários

  1. Olá minha querida amiga.
    Pois é. Estas partidas são injustas, se formos analisar em motivos materiais.
    Como saber se realmente iniciaram suas despedidas ao alçar voo para o sucesso, ou se foi o sucesso que as prercipitou para a despedida?
    Assim é.
    Grande e saudoso abraço.

    ResponderExcluir
  2. Olá, sempre escrevendo textos bacanas.
    Abraços
    Estael

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Por favor, deixe aqui sua opinião sobre o texto.

Postagens mais visitadas deste blog

CAÇA AO PALMEIRA

Vai ser difícil outro mês tão memorável quanto está sendo esse aqui na cidade das belezas naturais. Sabe quando a população inteira adere ao monoassunto? Pois é o que acontece nesses meados de fevereiro. Por uma semana todo mundo só fala da mesma coisa: os artistas estão entre nós. O melhor hotel da cidade foi contratado de porteira fechada para abrigar a constelação global que irá ocupar as telinhas no horário das nove a partir de maio. Nívea Maria foi a abre alas. E não é que o primeiro lugar que ela visitou por aqui foi o Cine Teatro Ideal? Artista deve ser atraído por esses locais, afinal, o prédio onde hoje é uma farmácia, já foi supermercado, cinema e teatro. Sim, na primeira década do século XX Jaguari já tinha iluminação pública, banda de música, jornal e teatro. Por aqui fervilhava uma atividade cultural intensa para os padrões da época. Coisa que se perpetuou até nossos dias. Que o digam o Festival de Música Nativista “O Grito de Jaguari”, o carnaval mais famoso da região…

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009
Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto
"Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras formando um som …

PARCEIROS DO JAGUARI

A adolescente boia em descanso após atravessar o rio a nado. Esquadrinha o céu límpido à procura de nuvens naquele início de tarde. A água tépida de verão lhe acaricia o dorso. – Vem, Luti, vem! Convida o enorme cão preto – porte indicando alguma nobreza – que se mantém inabalável, olhos fixos no rio. Ele está com preguiça hoje, ela pensa. Vira momentaneamente o rosto para a margem, vê o cachorro levantar uma das patas dianteiras em direção às orelhas. Espantando as moscas, imagina. Ele era assim, feito gente, cheio de manias, aquele seu companheiro. Não pode contar com o Luti hoje. A mocinha flutua no rio, íntima dele desde a infância. Distraída, embala-se nas águas, o corpo inicia um giro, alheio ao seu comando. No começo, devagar, depois, o ritmo aumenta, levando-a para outra parte onde o cálido é substituído pelo frio. O choque térmico lhe aguça os sentidos, percebe a água em círculos sob ela, a aragem, seguida de um farfalhar; a lembrança de frio percorrendo o corpo quente até …