Pular para o conteúdo principal

Agradecendo Sempre

Deus não tem agenda, se tivesse, haja trabalho para atender as súplicas da humanidade. Não há nome tão lembrado e, diga-se de passagem, clamamos o nome de Deus em vão. Qualquer sustozinho que tenhamos, lá vem um Oh, Meu Deus! Parece até que copiamos dos filmes americanos a mania do Oh, my god e por pouco não saímos por aí dizendo I Love you, já que este é outro bordão que não falta em filme made in USA. Sim, porque americano diz Oh, my god e I Love you para tudo. O que não quer dizer que quando eles usam estas expressões estejam lembrando sinceramente de Deus ou que estejam amando de fato alguém ou ao Divino.

Pedidos na cultura religiosa estão diretamente ligados à oração e à comunhão com o Ser Supremo, que o homem em desespero implora, eleva as mãos aos céus pedindo apoio e satisfação de suas necessidades. O Deus da nossa crença é um repositório de tudo aquilo que a nossa natureza humana considera insolúvel ou que, embora contido na partícula divina que temos conosco, não descobrimos direito o código fonte. Necessitamos de uma mãozinha do sagrado para descriptografar a mensagem que sabemos que está dentro de nós, mas que no fundo não nos sentimos tão Deus assim e apelamos para a Porção Maior. Exemplos é que não faltam a nos estimular. Vejamos Cristo ao secar a figueira, mostrando aos discípulos o quão poderosa é a fé em si e no sagrado. Mas a bíblia nos diz para pedir direito, senão a gente corre o risco de não receber porque não pediu, ou não receber porque não mereceu ou ainda, não receber porque pediu mal. Até para fazer requerimento ao Divino precisamos saber o que queremos. Não há como perder o sacrossanto tempo com quem não atinou para que lado vai, não está fazendo uso do livre arbítrio e quer pôr nas mãos do Senhor a responsabilidade por um destino que é de cada um de nós. Deus não está a postos para providenciar tudo. Queremos de mão beijada e não fazemos a nossa parte. A gente também tem que dar uma mãozinha e acreditar que somos imagem e semelhança Dele. Senão o Todo Poderoso terá desperdiçado a chama sagrada que incutiu em nós. “Nada tendes, porque não pedis; pedis e não recebeis, porque pedis mal, para esbanjardes em vossos prazeres”; está na epístola de Tiago 4-3. E se Deus é refúgio e fortaleza, socorro presente na angústia, é natural que o procuremos na hora do aperto. Por isso, nossa cota de pedidos é sempre maior que a de agradecimentos.

Todos os povos invocam o Divino na aflição e todos eles também o fazem para agradecer. É uma forma de comunhão, uma maneira de conversar, que pode ser com ou sem intermediários. Mas seja como for, profundamente válida quando sozinhos não somos realmente capazes de resolver nossas mazelas do cotidiano e lidar com o inevitável sofrimento da existência, como diria Shopenhauer. Mas não custa lembrar a cota já atendida e agradecer com palavras e atos. Ou seja, pôr a mão na massa e veremos o quanto temos a agradecer.


Feliz 2011






Comentários

  1. O negócio é que vivemos cheios de desejos. Haja burocracia celestial para dar conta de atendê-los todos. Como isto é impossível, culpamos o governo. E que nem crianças entretidas com brinquedos, esquecemos de apagar o incêndio que os desejos provocam.

    ResponderExcluir
  2. E isso tudo porque somos seres "humanos", seres imediatas!!!
    Pensamos mais no que perdemos no momento nos esquecendo das lições aprendidas que nos mostram que uma porta que se fecha hoje na maioria das vezes representa a chave para sucessos futuros!!! O lema a seguir deve ser sempre aquele bíblico que diz "em tudo dai graças" ainda quando se trata de infortúnios. Claro que é difícil, mesmo para quem leu Pollyana!

    Adorei a leitura... Abraços Rackel!!!

    Feliz 2011!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Por favor, deixe aqui sua opinião sobre o texto.

Postagens mais visitadas deste blog

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009 Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto "Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras fo

A arte de escrever Sonetos

Texto de Paola Rhoden, publicado no site Autores.com em 05 de novembro de 2009 Em primeiro lugar, não se ensina um poeta a escrever. Ele tira da alma o que sua mão escreve. Porém, a tarefa de escrever um soneto, uma obra considerada pelos intelectuais de símbolo da poesia, não é fácil. Não é fácil porque aqueles que cultuam essa técnica, não arredam pé de que é essencial para um soneto seguir as regras. Mas, para quem gosta e quer seguir por esta árdua estrada, abaixo seguem algumas delas: Um soneto é uma obra curta que transmite uma idéia completa. Para se escrever um soneto perfeito, ou clássico, como é chamado pelos profissionais de literatura, deve seguir as regras mundialmente utilizadas, que são: métrica, ritmo e rima. Um soneto clássico é formado por quatorze (14) versos decassílabos, dispostos em quatro estrofes, da seguinte maneira: a) dois quartetos ( ou quadras ); b) dois tercetos ( ou terças); c) a métrica deve seguir as normas. Cada um dos 14 versos deve ser decassíla

Jogo de Palavras

Dizer que foi o receptor da comunicação quem se equivocou é uma atitude cômoda para o emissor, porém arriscada, já que a conversa pode se encerrar por ali. Quando lançamos mão do tradicional “você é que não me entendeu”, estamos transferindo para o outro a responsabilidade pelo equívoco que nós mesmos provocamos. Na prática, a nossa atitude em si é arrogante, pois não admite a possibilidade de erro e ainda por cima se exime das conseqüências, como se fôssemos donos da verdade e só a nossa versão é que contasse. Seria muito mais humilde e receptivo trocar a mensagem por “eu não me fiz entender”. Acalma o interlocutor e de quebra nos dá fôlego para uma segunda chance. Ocorre que na maioria das vezes nos utilizamos dessa tática com a melhor das intenções e com o honesto propósito de esclarecer a idéia que queríamos transmitir. Como a resposta vem de imediato à nossa mente, estamos convictos que esta forma de se expressar é correta e tanto cremos nisso que a reação é automática e não en