Pular para o conteúdo principal

IDENTIFICAÇÃO


Você passou o dia inteiro iniciando trabalhos, não os concluiu e falta resultado palpável para apresentar à chefia no final do dia, mesmo que não tenha parado um minuto sequer. Sensação de desamparo e de tempo perdido. Você chega em casa e sua família está nos nervos parecendo que faz questão de te irritar em tudo. Você não pode abrir a boca que só vem "mas". Tudo o que você quer é dormir mas todos tropeçam em tudo e com um barulho assim não tem quem durma. Você é um desânimo só, perguntam a causa e nem você mesma sabe. Aí vem a pergunta: "O que está acontecendo comigo?". É hora de identificar claramente o que nos perturba para não misturarmos com o choro outras sensações represadas. Nossa avaliação pode ser: “Estamos insatisfeitos conosco porque não produzimos o suficiente. Ninguém nos cobrou e somos nós mesmos quem estamos nos imputando este grau de exigência. Os familiares não estão tendo nenhuma atitude que não nos sejam conhecidas e se elas parecem ser dirigidas a nós e não reagimos assim rotineiramente, nossa percepção e ânimo estão alterados pelo nosso estado de espírito hoje. Não conseguimos visualizar direito então é melhor esperar as sensações amainarem”.

Engana-se quem acha que evitar o conhecimento dos fatos seja envolver-se com problemas desnecessários, quando se trata de acontecimentos prováveis, cujo encadeamento dos fatos mostra pouca chance de se efetivar. Se a resolução não está ao nosso alcance a tendência é se acomodar, já que vai acontecer mesmo. Mas não é enfiando a cabeça no buraco feito avestruz que vai tornar a carga menos pesada. Enxergar o todo com serenidade é ser senhor de si. Não se trata de sofrimento desnecessário. Mesmo que a quantidade de variáveis não nos permita medir que diferença fará no resultado, a escolha pode ser inclusive acomodar-se, mas é simplista e não condiz com as atitudes. Vale para os sentimentos, as doenças, as tempestades que o horizonte sinaliza.

Mas quem é que conhece as ferramentas para diferenciar um do outro? Nossa sanidade a medicina já provou que é um conceito meio relativo. Está aí a psiquiatria para achar um pouquinho de distúrbio em todos nós. A diferença está só na quantidade. Para nós leigos mania é sinônimo de loucurinha, mas para os entendidos é quando a esquisitice se repete com uma frequência tal que se tornou distúrbio e só os profisssionais com o distanciamento necessário conseguem nos dizer. Mas este campo ainda está longe de ser um consenso. Até as áreas médicas ditas físicas cada dia aparecem com uma teoria diferente, o que dizer do campo mental. Esta divagação toda não ajuda muito, sabemos, mas é proposital para mostrar o quanto é difícil manter o prumo e ser conceituado de normal. Fazer o que queremos, na hora e do jeito que queremos é fácil. Experimentemos perguntar para quem atura opções dos alternativos. Difícil mesmo é ser normal, pois o controle para sê-lo incomoda qualquer um.

As respostas às nossas opções não vêm em tempo real. Só vamos saber que certas atitudes eram desnecessárias depois que o tempo passou. É assim com a história. Só os muito antenados percebem quando estão vivendo um momento significativo, que irá mudar um paradigma vigente e propiciar o nascedouro de outro. Adivinhar e vigiar-se dispende energia que não compensa a vigília. Perdemos tempo com a precaução e deixamos de viver, simplesmente.

Não precisamos colocar plaquinhas de alerta mundo afora para que enxerguemos qual é a atitude da vez e o que ela significa. Mas comecemos por identificar nossos sentimentos, nossas dores e evitar carregar pesos desnecessários às costas ou envolver quem não tem nada a ver com isso. O tempo, olha o clichê, ainda é um excelente remédio.

Comentários

  1. Muito interessante esta sua crônica, Rackel, e é verdade, mesmo sendo um clichê, é bem real. Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Não é clichê não, o tempo é quem resolve, dita e muda muita coisa em nossos dias e vida. Deixa ele ir passando, e verás as mudanças. Mas mesmo assim culpamos o relógio...
    Beijos Rackel
    Teus textos sempre tem um pedacinho do que penso e sinto.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Por favor, deixe aqui sua opinião sobre o texto.

Postagens mais visitadas deste blog

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009 Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto "Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras fo

CAÇA AO PALMEIRA

Vai ser difícil outro mês tão memorável quanto está sendo esse aqui na cidade das belezas naturais. Sabe quando a população inteira adere ao monoassunto? Pois é o que acontece nesses meados de fevereiro. Por uma semana todo mundo só fala da mesma coisa: os artistas estão entre nós. O melhor hotel da cidade foi contratado de porteira fechada para abrigar a constelação global que irá ocupar as telinhas no horário das nove a partir de maio. Nívea Maria foi a abre alas. E não é que o primeiro lugar que ela visitou por aqui foi o Cine Teatro Ideal? Artista deve ser atraído por esses locais, afinal, o prédio onde hoje é uma farmácia, já foi supermercado, cinema e teatro. Sim, na primeira década do século XX Jaguari já tinha iluminação pública, banda de música, jornal e teatro. Por aqui fervilhava uma atividade cultural intensa para os padrões da época. Coisa que se perpetuou até nossos dias. Que o digam o Festival de Música Nativista “O Grito de Jaguari”, o carnaval mais famoso da r

Do lar (Ou profissão em vias de extinção)

Ainda vigora nos contratos comerciais e bancários o uso da expressão “do lar”, para se qualificar a mulher que não trabalha fora. Há mulheres que ao serem indagadas da profissão informam que não trabalham. Por não laborar, entenda-se serviço doméstico. Exatamente. Aquelas tarefas anônimas, executadas diuturnamente pelas mulheres. O apoio logístico delas permite aos homens exercer com liberdade as mais variadas profissões, já que o controle da prole e as múltiplas funções, que o ato de criar filhos implica, estão em boas mãos. Sob o pretexto de educarmos os filhos, acompanharmos o marido, muitas de nós se tornam reféns da família. É claro que o trabalho doméstico pode ser uma opção. Mas não pode em hipótese nenhuma, tornar-se uma obrigação. Entre uma guerra mundial e outra, as mulheres pegaram no batente nas fábricas, nas escolas, nos escritórios e descobriram que podiam desempenhar tão bem quanto os homens as mesmas atividades que eles. Com os maridos na frente de batalha elas acumul