Pular para o conteúdo principal

Desencanto


Para o filósofo argelino Albert Camus, “sem trabalho, toda vida apodrece. Mas sob um trabalho sem alma a vida sufoca e morre”.

Fazer a diferença é bom, satisfaz o ego e dá uma sensação de bem estar enorme, sem contar o sentimento genuíno da tão apregoada sensação do dever cumprido.

Até a gora, só clichê e citação, mas existem sentimentos que nos invadem em certos períodos da vida que são como um soco no estômago: Tem o poder de paralisar-nos, não sem antes fazer-nos sentir dor e ela persistir latente, incomodando-nos no físico e na alma. Um destes sentimentos é o desencanto. Ao contrário do encantamento, que presume enlevo num crescendo que resulta num ápice, o desencanto devolve-nos à realidade, deixando-nos sem vontade para nada. Acontece em situações corriqueiras até, mas quando percebemos, vimos que o monstro foi devidamente alimentado de forma sorrateira. E sem que notássemos, foi tomando conta de nós e de uma hora para outra, parece ter deixado nossa vida órfã de sonhos.

Quem de nós por algum momento não passou a se questionar sobre algum aspecto importante de sua vida? Se um parâmetro até então adotado vale a pena, como num projeto profissional, por exemplo? O que significa ir além, fazer mais, no trabalho? A troco de quê? De mais trabalho. O algo mais, inclusive aquilo que se aprende, faz-nos donos do conhecimento e da tarefa de materializá-lo. Não adianta, gruda em nós , não temos como nos livrar do fardo que passou a ser nosso.

É por isto que a maioria foge como o diabo da cruz, do ouro de tolo da eficiência. Elementar. É porque não está disposta a junto com os prometidos louros ao chegar lá, tenha que incorporar a carga de trabalho agregada. E aí não tem autoajuda que tire a pulga detrás da orelha, dizendo para não entrar nessa que tudo tem um preço.

Desencanto queima por dentro, pois significa a morte de um sonho ou coloca-nos cara a cara com o que passa a ter a alcunha de “real” e a sua afinidade com o concreto. Real é a nossa visão de mundo particular e por isso idealizada. E ela pode ter se concretizado até então pela afinidade da nossa “realidade” com a das pessoas envolvidas no nosso projeto pessoal ou profissional. Ou ainda, porque estas pessoas até aqui compactuaram com um objetivo final a ser alcançado. Em prol dele omitiram as chamadas “verdades desagradáveis”, que não trazem benefícios para ninguém, poupando-nos momentaneamente de visualizarmos facetas de nós que não contribuíam para o propósito almejado.

Quem nos acompanha poupa-nos. Ou por amar-nos ou para tirar empecilhos da sua própria trajetória. São assim, pessoas sábias o suficiente para deixar a nós o direito de descobrir nossa própria realidade, sem qualquer ingerência nos assuntos que pertençam à nossa vida somente.

O desencanto é pessoal e intransferível. E se ele ocorre é porque nossos planos não saíram como combinamos e nossa crença neles, fez-nos esquecer de incluir a reserva para o caso dos nossos planos não se efetivarem plenamente. Não são os outros ou a situação, os culpados. Somos nós que calculamos mal as perdas. Mas há sempre um recomeço. Adiante!


Comentários

  1. Desencantados, penso, ficamos todos a certa altura da vida. É quando todas as ilusões caem por terra e resta apenas a realidade. Mas, como diz a canção, o negócio é levantar, sacudir a poeira e dar a volta por cima.

    ResponderExcluir
  2. Um texto maravilhoso, a ilusão está presente em todos os lugares.Beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Por favor, deixe aqui sua opinião sobre o texto.

Postagens mais visitadas deste blog

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009 Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto "Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras fo

A arte de escrever Sonetos

Texto de Paola Rhoden, publicado no site Autores.com em 05 de novembro de 2009 Em primeiro lugar, não se ensina um poeta a escrever. Ele tira da alma o que sua mão escreve. Porém, a tarefa de escrever um soneto, uma obra considerada pelos intelectuais de símbolo da poesia, não é fácil. Não é fácil porque aqueles que cultuam essa técnica, não arredam pé de que é essencial para um soneto seguir as regras. Mas, para quem gosta e quer seguir por esta árdua estrada, abaixo seguem algumas delas: Um soneto é uma obra curta que transmite uma idéia completa. Para se escrever um soneto perfeito, ou clássico, como é chamado pelos profissionais de literatura, deve seguir as regras mundialmente utilizadas, que são: métrica, ritmo e rima. Um soneto clássico é formado por quatorze (14) versos decassílabos, dispostos em quatro estrofes, da seguinte maneira: a) dois quartetos ( ou quadras ); b) dois tercetos ( ou terças); c) a métrica deve seguir as normas. Cada um dos 14 versos deve ser decassíla

Jogo de Palavras

Dizer que foi o receptor da comunicação quem se equivocou é uma atitude cômoda para o emissor, porém arriscada, já que a conversa pode se encerrar por ali. Quando lançamos mão do tradicional “você é que não me entendeu”, estamos transferindo para o outro a responsabilidade pelo equívoco que nós mesmos provocamos. Na prática, a nossa atitude em si é arrogante, pois não admite a possibilidade de erro e ainda por cima se exime das conseqüências, como se fôssemos donos da verdade e só a nossa versão é que contasse. Seria muito mais humilde e receptivo trocar a mensagem por “eu não me fiz entender”. Acalma o interlocutor e de quebra nos dá fôlego para uma segunda chance. Ocorre que na maioria das vezes nos utilizamos dessa tática com a melhor das intenções e com o honesto propósito de esclarecer a idéia que queríamos transmitir. Como a resposta vem de imediato à nossa mente, estamos convictos que esta forma de se expressar é correta e tanto cremos nisso que a reação é automática e não en