Pular para o conteúdo principal

Noites em Claro


            Pobres dos insones. Um turbilhão de pensamentos toma conta da mente quando o sono teima em não vir. Não adianta contar carneirinhos para que o tão merecido descanso do corpo e dos sentidos se faça presente. Quando o todo não quer ou não pode ser adormecido, o resultado é o estado de alerta geral. As tentativas revelam-se infrutíferas e só resta-nos esperar a boa vontade daquela inércia característica invadir-nos e então possamos dormir sem perceber.

            É lógico que estamos falando de quem perde o sono uma vez ou outra. Existem casos de doença, de pessoas que necessitam de medicamentos para dormir, receitados por um médico, naturalmente. Se não conseguir descansar de vez em quando já é um terror, imaginemos o que deve ser a vida de quem quer dormir e não consegue. Existem ramos da medicina hoje tratando exclusivamente das doenças do sono, tal a catástrofe que a ausência sistemática de sono provoca na vida das pessoas.

            Quem não dorme bem à noite, com certeza não consegue ter um ritmo normal de trabalho no dia seguinte, uma vez que o organismo inverteu o processo e vai querer recuperar o tempo perdido, sem contar que o humor vai ser daqueles de fuzilar com os olhos e não é para menos.

            Parece que passamos tudo a limpo nestas noites intermináveis. Ou então, até dormimos, mas são pequenos intervalos. Se fizermos a conta das perdas e danos na maioria das vezes as boas ações da nossa vida prevalecem. Todavia, nas noites mal dormidas, só vem à cabeça aquilo que fizemos e não gostamos do resultado e tudo fica ali martelando.

            Para recuperar o sono perdido, vale rezar, fazer respiração profunda, meditar – se é que a gente consegue _ concentrar-se no silêncio, procurando identificar os sons que ele nos traz. Expulsar os maus pensamentos, focando em recordações aprazíveis também pode ser uma boa pedida.

            Talvez seja necessário apaziguar a origem da nossa insônia. É na quietude da noite que o coração mais se alvoroça. Acalmá-lo pode ser o primeiro passo para o sono merecido. O primordial é identificar a causa das noites em claro, mas quando os nossos olhos estão bem abertos. Isto é, durante o dia, enfrentando cara a cara os problemas que estão afligindo-nos a ponto de repercutir no nosso descanso.


Comentários

  1. Estranho mecanismo este, do cérebro que, ao não encontrar uma solução que sabemos só virá quando descansados, insiste em nos cansar mais ainda, levando-nos às vezes à exaustão.

    ResponderExcluir
  2. Bem oportuna sua crônica, amiga, eu já passei por isso e é horrivel. Abraços.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Por favor, deixe aqui sua opinião sobre o texto.

Postagens mais visitadas deste blog

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009
Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto
"Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras formando um som …
Toda energia

POESIA VISUAL: De Simmias a Joan Brossa, Uma Conexão com o Cotidiano

POESIA VISUAL: Uma Conexão Com o Cotidiano
O olhar e o falar nas diversas formas de Arte
    Quando a transmissão de conhecimento era basicamente oral, a realidade era uma só para todos. Se todos diziam as mesmas palavras, não havia diferença. As palavras tinham o status de realidade, desbancando a visão particular. Logo, a verdade era algo sobre o quê a maioria dizia as mesmas frases.
    A palavra é a ferramenta básica da poesia, mas isto não impede que no feitio do poema - transcrição de um indivíduo de como ele enxerga a realidade aparentemente única – os poetas agreguem materiais e/ou maneiras de se exprimir diversas, que conferem peculiaridades à poesia, sem perder a essência.
    Isso também acontece nas demais espécies de Arte, este amplo território do sensível, materializado em pintura, música, filme, teatro, literatura, escultura e as múltiplas formas de espetáculo. Há sempre um novo fazer artístico sendo agregado.
    Na Arte contemporânea o artista usufrui como nunca do direito…