Pular para o conteúdo principal

Os Sapatos Sujos da Língua Portuguesa


O texto abaixo nos foi cedido pela advogada Silma Duarte, de Porto Alegre, que gentilmente nos permitiu a publicação neste espaço.

Conhece Mia Couto? Moçambicano, ele estudou medicina e biologia. Mas se dedica às letras. Tem leitores cativos em Europa, França e Bahia. Os brasileiros o prestigiam em lançamentos, palestras e tietagens. Os patriotas também. Outro dia, convidaram-no para abrir o ano letivo do Instituto Superior de Ciências de Moçambique.

O tema: os sapatos sujos da modernidade.
Ele justificou a escolha do assunto assim:

"Não podemos entrar na modernidade com o atual fardo de preconceitos. À porta da modernidade, precisamos nos descalçar”.

Contei sete sapatos sujos que necessitamos deixar na soleira da porta dos tempos modernos. Haverá muitos. Mas eu tinha de escolher. E sete é número mágico".

O 1º sapato sujo: a ideia de que os culpados são os outros e nós somos sempre vítimas.

O 2º: a ideia de que o sucesso não nasce do trabalho.
O 3º: o preconceito de que quem critica é inimigo.
O 4º: a ideia de que mudar as palavras muda a realidade.
O 5º: a vergonha de ser pobre e o culto das aparências.
O 6º: a passividade perante a injustiça.
O 7º: a ideia de que, para sermos modernos, temos de imitar os outros.

Xô, imundície!

A língua também tem sapatos sujos. São muitos.
Mas, como Mia Couto, escolhemos sete.
Respondem pela imundície  preconceitos, descuidos, escola ruim.
Que tal descalçá-los?
Primeiro passo: conhecê-los.
Segundo: deixá-los na soleira da porta.

Os sapatos sujos da língua

 O mito de que o  português é uma língua muito difícil. Talvez a mais difícil do mundo.
O português, como o inglês, o francês ou o chinês, é língua de cultura. Tem seu léxico, sua fonética, sua morfologia, sua sintaxe. Dominá-los exige estudo. É como se subíssemos uma escada com muitos degraus. Cada conquista representa um passo pro alto. Como lembra Mia Couto, o sucesso nasce do trabalho.

A ideia de que ler e escrever bem são dons divinos.
Ler e escrever são habilidades. Jogam no time de nadar, correr ou digitar. Todas exigem treino. Muito treino. Para ser campeão olímpico, Cesar Cielo pratica 15 horas por dia. Para ganhar a São Silvestre, Marilson dos Santos se exercita cinco horas de domingo a domingo. Para ler e entender, escrever e ser entendido, impõe-se ler e escrever muito e sempre.

A crença de que quem não aprendeu a norma culta nos primeiros anos de escola não mais aprenderá.
Desculpa de preguiçoso, não? Papagaio velho aprende a falar sim, senhor. Precisa estudar. O Lula serve de exemplo. No início da carreira, tropeçava em flexões, concordâncias, regências. Hoje domina o padrão culto da língua. Viu? O inimigo não é o outro. Somos nós.

A falácia de que não se devem apontar erros.

Apontar falhas ajuda a corrigir rumos. A correção tem hora e vez. Pais educam os filhos com palavras e exemplos. Avós, tios, primos, amigos os ajudam. A escola tem compromisso com a aquisição do conhecimento. Se se furtar a ensinar a norma culta, por exemplo, condenará muitos alunos a ficarem no andar de baixo. Quem critica, lembra o escritor moçambicano, não é inimigo.

5º A ilusão de que as palavras escondem o raquitismo de ideias.
A prosa informativa se inspira na internet. É ágil, curta e fácil de ler. Perder-se no emaranhado de palavras bonitas impressionavanos dias em que tínhamos de ser criativos para matar o tempo. Não é o caso de agora. Hoje, tempo é luxo. Menos é mais. Menor é melhor.

6º A crença de que eufemismo muda a realidade.

Adocicar o termo é como envolver o produto em celofane. A embalagem é bonita. Mas o interior não muda. Dizer "o caixa está indisponível" em vez de "o caixa quebrou" não muda a realidade: falta dinheiro para pagar as contas ou os credores.

7º A ideia de que errar pega mal.

O teatrólogo Samuel Beckett responde: "Erre mais. Erre melhor". 
 

Comentários

Postar um comentário

Por favor, deixe aqui sua opinião sobre o texto.

Postagens mais visitadas deste blog

Jogo de Palavras

Dizer que foi o receptor da comunicação quem se equivocou é uma atitude cômoda para o emissor, porém arriscada, já que a conversa pode se encerrar por ali. Quando lançamos mão do tradicional “você é que não me entendeu”, estamos transferindo para o outro a responsabilidade pelo equívoco que nós mesmos provocamos. Na prática, a nossa atitude em si é arrogante, pois não admite a possibilidade de erro e ainda por cima se exime das conseqüências, como se fôssemos donos da verdade e só a nossa versão é que contasse. Seria muito mais humilde e receptivo trocar a mensagem por “eu não me fiz entender”. Acalma o interlocutor e de quebra nos dá fôlego para uma segunda chance. Ocorre que na maioria das vezes nos utilizamos dessa tática com a melhor das intenções e com o honesto propósito de esclarecer a idéia que queríamos transmitir. Como a resposta vem de imediato à nossa mente, estamos convictos que esta forma de se expressar é correta e tanto cremos nisso que a reação é automática e não enten

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009 Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto "Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras fo

As greves do ABC paulista no final da década de 1970 e anos iniciais da década de 1980, vistas pelas lentes da fotografia engajada

          Toda imagem tem razão de ser: exprime e comunica sentidos. Carrega valores simbólicos; cumpre função religiosa, política, ideológica; presta-se a usos pedagógicos, litúrgicos e até mágicos.     Cartaz pela anistia que a polícia mandou retirar.  São Paulo, SP - 06/12/1978  Crédito: Ricardo Malta/N Imagem O processo que dá origem à fotografia se desenrola num momento histórico específico, em determinado contexto econômico, social, político, estético, religioso, que se configura no instante do registro. Culto ecumênico em memória de líder de sindicato rural assassinado  em Conceição do Araguaia, Pará. 1980. Foto de Juca Martins.  Copyright: Olhar Imagem   Mulher lavando roupa na favela Malvina. Macapá. Amapá. 1983.   Foto de Joao Roberto Ripper.   Copyright :Olhar imagem   Manifestação do Movimento Contra a Carestia. Praça da Sé. SP. 27.08.1978  Foto de Juca Martins.   Copyright: Olhar Imagem Movimento contra carestia, Praça da Sé, São Paulo. 27/08/1980  Crédito: Ricardo