Pular para o conteúdo principal

Vitalidade - O Segredo


Existem pessoas que parece que o cansaço não as atinge. Estão sempre dispostas e com um sorriso nos lábios. E ficamos imaginando de onde tiram tanta energia. Não significa, necessariamente, que estamos falando de alguém no auge da juventude, quando a vitalidade é uma característica ou pelo menos, deveria ser. Temos que reconhecer que tem muito jovem de quinze, vinte anos, que parece estar carregando o mundo nas costas, tamanha a falta de vontade para a vida.

Normalmente, as pessoas que tem o maior gás, independente da idade, são movidas a desafios. A cabeça é um turbilhão. Nem bem terminam um projeto e já estão metidas em outros. O que executam agora começou a ser planejado, quando o penúltimo trabalho estava em andamento.

Costumam explicar tudo, como se tivessem que dar satisfação para o mundo. Antes de enxergarmos culpa no cartório naquele amigo que tem esta distinção, convém examinarmos com mais carinho se o ato de justificar tudo, não se trata de um compromisso extremo com a coerência. Não deixa de ser uma dose de ingenuidade, já que pessoas desse tipo são muito transparentes e, portanto, suscetíveis de serem surpreendidas por reações inesperadas.

Outra característica dos energéticos é gostar de conversar. E aí há o rótulo de quem conversa e ri muito, longe de ser amável aparenta-nos pouco confiável. Afinal de contas, até para conversar ou sorrir precisamos ter um motivo. Esse tipo de pessoa usa toda a energia que possui, enxerga o mundo de uma forma peculiar. Tem problemas como qualquer um, mas não deixa que eles tomem conta de toda sua atenção. Administra-os como obstáculos passíveis de serem ultrapassados e não como tormento caído dos céus para lhe atazanar a vida. Fixa objetivos de longo prazo, bem claros na sua cabeça, mas às vezes, imperceptíveis àqueles que os rodeiam, que não entendem a pessoa quer chegar com esta ou aquela atitude. Esse tipo de gente também é egoísta. Se por um lado só se satisfaz quando dá o melhor de si, por outro saboreia sozinhas o prazer da realização plena, do dever cumprido, da vontade saciada. Mas tem outro detalhe: Você sempre vai poder contar com elas. Mas não pise nos calos. Elas não são boazinhas e capazes de devolver na mesma moeda.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009 Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto "Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras fo

A arte de escrever Sonetos

Texto de Paola Rhoden, publicado no site Autores.com em 05 de novembro de 2009 Em primeiro lugar, não se ensina um poeta a escrever. Ele tira da alma o que sua mão escreve. Porém, a tarefa de escrever um soneto, uma obra considerada pelos intelectuais de símbolo da poesia, não é fácil. Não é fácil porque aqueles que cultuam essa técnica, não arredam pé de que é essencial para um soneto seguir as regras. Mas, para quem gosta e quer seguir por esta árdua estrada, abaixo seguem algumas delas: Um soneto é uma obra curta que transmite uma idéia completa. Para se escrever um soneto perfeito, ou clássico, como é chamado pelos profissionais de literatura, deve seguir as regras mundialmente utilizadas, que são: métrica, ritmo e rima. Um soneto clássico é formado por quatorze (14) versos decassílabos, dispostos em quatro estrofes, da seguinte maneira: a) dois quartetos ( ou quadras ); b) dois tercetos ( ou terças); c) a métrica deve seguir as normas. Cada um dos 14 versos deve ser decassíla

Jogo de Palavras

Dizer que foi o receptor da comunicação quem se equivocou é uma atitude cômoda para o emissor, porém arriscada, já que a conversa pode se encerrar por ali. Quando lançamos mão do tradicional “você é que não me entendeu”, estamos transferindo para o outro a responsabilidade pelo equívoco que nós mesmos provocamos. Na prática, a nossa atitude em si é arrogante, pois não admite a possibilidade de erro e ainda por cima se exime das conseqüências, como se fôssemos donos da verdade e só a nossa versão é que contasse. Seria muito mais humilde e receptivo trocar a mensagem por “eu não me fiz entender”. Acalma o interlocutor e de quebra nos dá fôlego para uma segunda chance. Ocorre que na maioria das vezes nos utilizamos dessa tática com a melhor das intenções e com o honesto propósito de esclarecer a idéia que queríamos transmitir. Como a resposta vem de imediato à nossa mente, estamos convictos que esta forma de se expressar é correta e tanto cremos nisso que a reação é automática e não en