Pular para o conteúdo principal

Isto Não Vai Dar Certo





Internamente carregamos a certeza da impossibilidade que algo flua. Movidos pelos instintos, todo o corpo corrobora pela insistência e manutenção dos desejos, pelo prazer que a busca proporciona. Lutar contra algo que suspeitamos quase impossível é agradável. Principalmente se é o que está posto, aquilo que as pessoas esperam e não será objeto de contestações.

Poucos enxergam além e é o desfecho óbvio para a maioria. É cômodo e porque não ceder ao bem estar? Fora isto, há a relação custo-benefício. Quantas pedras não haveríamos de rolar pirâmide acima para abdicar do que é confortável? Ele, o ideal desenhado está ali, à mão, embalado pelo sentimento e promessa de atendermos à nossa vontade, sentirmo-nos livres por estar seguindo o que o instinto determina. Sendo assim, não há porque ter caraminholas na cabeça, conjecturar conseqüências que podem mudar o rumo da nossa vida, unicamente porque uma voz interna nos diz que isto não vai dar certo. Não fecha com os nossos projetos de vida, nos alega o restinho de razão, mas também não nos aponta a saída. Se não é parte da solução, também não faça parte do problema. Dane-se a lógica que insiste em analisar as personalidades envolvidas e nos alerta que no longo prazo a coisa não vai funcionar! A menos que mudemos demais a nossa personalidade, e, fundamental, tornemo-nos outra pessoa, abracemos ideais diferentes daqueles que apregoamos até então e que as pessoas esperam de nós. Dane-se se temos outro por dentro! Até porque os decepcionaríamos se mostrássemos nossa verdadeira face. Precisaríamos trocar de cenário, arrumar outro público e porque não dizer, outra vida. Isto porque não suportaríamos a pressão que toda mudança abrupta provoca.

É muito fácil fazer esse raciocínio à distância, quando a nossa vida já transcorreu de maneira aparentemente inversa àquela que o curso dos acontecimentos e da nossa vontade supostamente ferrenha sinalizava. Todavia, mesmo a previsível, exigia a contrapartida da vontade alheia e quem nos garante que não faziam as mesmas conjecturas e não necessariamente nos incluiriam em seus planos?

Iludimo-nos, quando achamos que controlamos nossa vida e que há ignorância somente do outro lado. Nossos passos são igualmente monitorados. Não tínhamos a visão ampla que julgamos ter hoje e que apelidamos incautamente de sabedoria, mas que não deixa de ser apenas experiência e acomodação ao que escolhemos viver e aos bons frutos que a escolha e porque não dizer - o deixar-se levar - nos proporcionou.

No fundo, o desafio era o mesmo e o ambiente que nos instigava ao novo, impeliu-nos à amplidão e ao instinto desenfreado do saber que buscávamos. Não nos tornamos outra pessoa. Tiramos véus sobrepostos no nosso interior e tornamo-nos minimamente lúcidos, mas ainda assim, ignorantes, vaidosos e visionários.

Comentários

  1. Oi Rackel, muito bom ler você, sempre textos muito bem escritos.Beijos

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Arnold, por tua presença e comentário.

    ResponderExcluir
  3. Ah, sim! Somos muitos e para várias situações.
    Como é difícil prever a nós mesmos! Parece que estamos sempre pevenidos, mas não é isto que o acontece no dia a dia. Mentimos até para o espelho...Pena não sabermos procurar nosso reflexo no Universo.
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Adorei o "tornamo-nos mínimamente lúcidos". Entendo que, realmente, temos lances de lucidez apenas, na atual etapa evolutiva que vivemos.Mas, bem por isso,que a atenção tem importância vital para aproveitar esses raros momentos de lucidez. Como é que anda a nossa atencão?

    ResponderExcluir
  5. Nadi, obrigada pela compreensão e comentário.
    Abraço fraterno.

    ResponderExcluir
  6. Oi, Olga, obrigada por enriquecer o assunto. Abraço fraterno.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Por favor, deixe aqui sua opinião sobre o texto.

Postagens mais visitadas deste blog

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009 Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto "Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras fo

CAÇA AO PALMEIRA

Vai ser difícil outro mês tão memorável quanto está sendo esse aqui na cidade das belezas naturais. Sabe quando a população inteira adere ao monoassunto? Pois é o que acontece nesses meados de fevereiro. Por uma semana todo mundo só fala da mesma coisa: os artistas estão entre nós. O melhor hotel da cidade foi contratado de porteira fechada para abrigar a constelação global que irá ocupar as telinhas no horário das nove a partir de maio. Nívea Maria foi a abre alas. E não é que o primeiro lugar que ela visitou por aqui foi o Cine Teatro Ideal? Artista deve ser atraído por esses locais, afinal, o prédio onde hoje é uma farmácia, já foi supermercado, cinema e teatro. Sim, na primeira década do século XX Jaguari já tinha iluminação pública, banda de música, jornal e teatro. Por aqui fervilhava uma atividade cultural intensa para os padrões da época. Coisa que se perpetuou até nossos dias. Que o digam o Festival de Música Nativista “O Grito de Jaguari”, o carnaval mais famoso da r

Do lar (Ou profissão em vias de extinção)

Ainda vigora nos contratos comerciais e bancários o uso da expressão “do lar”, para se qualificar a mulher que não trabalha fora. Há mulheres que ao serem indagadas da profissão informam que não trabalham. Por não laborar, entenda-se serviço doméstico. Exatamente. Aquelas tarefas anônimas, executadas diuturnamente pelas mulheres. O apoio logístico delas permite aos homens exercer com liberdade as mais variadas profissões, já que o controle da prole e as múltiplas funções, que o ato de criar filhos implica, estão em boas mãos. Sob o pretexto de educarmos os filhos, acompanharmos o marido, muitas de nós se tornam reféns da família. É claro que o trabalho doméstico pode ser uma opção. Mas não pode em hipótese nenhuma, tornar-se uma obrigação. Entre uma guerra mundial e outra, as mulheres pegaram no batente nas fábricas, nas escolas, nos escritórios e descobriram que podiam desempenhar tão bem quanto os homens as mesmas atividades que eles. Com os maridos na frente de batalha elas acumul