Pular para o conteúdo principal

Tanto Faz Seis, Como Meia Dúzia?



Cada vez que a ciência avança numa área que antes era reduto da Filosofia, os filósofos tremem na base. Para quem acha que filosofia é só análise conceitual, que não precisa se meter naquilo que a ciência explica, convém dar uma espiada nas reviravoltas da evolução tecnológica e sua ingerência no campo do pensar.

Temas que antes eram redutos da filosofia, hoje se mudaram de mala e cuia para o âmbito da ciência propriamente dita. Fazer o quê. A natureza do vácuo, por exemplo, até a época de Descartes era questão filosófica. Depois da Teoria da Relatividade, o vazio bandeou-se para o lado da Física. Ok. Nem tudo passou totalmente para o âmbito da ciência. É o caso do tempo, que ficou ali, no meio termo. Um pé na física e outro na filosofia.

E o que dizer do projeto Blue Brain, que pretende simular em computador todo o nosso cérebro? Se os programadores da Escola Politécnica da Suiça – onde o projeto existe desde 2005 - conseguirem tal feito, discussões hoje filosóficas acerca do cérebro serão baseadas na experiência. Numa conferência de tecnologia em Oxford em 2009, o diretor do projeto, Henry Markram afirmou que é possível construir um cérebro humano funcional em dez anos. Simulações no modelo já apontam aos cientistas como o cérebro funciona. É possível, por exemplo, mostrar imagens ao “cérebro” e analisar como a máquina se comporta. “Estimulando o sistema, ele cria sua própria representação”, afirma o cientista. O maior objetivo dos experimentos é extrair uma representação do que o cérebro artificial vê, para entender como ele percebe o mundo. Além da intenção de construir um cérebro, o Projeto Blue Brain também quer fazer um banco de dados dos cérebros dos animais — uma espécie de Arca de Noé — para construir modelos de animais. “Não podemos continuar fazendo experimentos em animais para sempre”, afirmou Markram.

Para a filosofia, nosso intelecto é uma obra de arte impossível de ser replicada. A inteligência artificial incomoda, pois os artefatos que produz além de seguir uma programação, executar a tarefa, têm a pretensão de trocar figurinhas com o meio ambiente, aprender – e pasmem – desenvolver comportamentos novos.

A maneira de filosofar denominada Filosofia da Mente já existe desde 1949. Aborda desde questões como a natureza da mente, pensamento, consciência, até a relação mente-cérebro, dentre outras, investigando os fenômenos mentais numa dobradinha impura com a ciência, já que essa última se utiliza de métodos empíricos.

Admitir a possibilidade de que em breve estaremos trocando partes do cérebro humano por neurônios de silício, como imagina John Rogers Searles, professor americano da Universidade de Berkeley é no mínimo inquietante. Mas se a substituição for completa, ainda haverá a questão de saber se o cérebro humano replicado será consciente ou não. Um punhado de bits sendo processados por uma máquina que age como um cérebro poderá adquirir consciência? Se por volta de 2020, isso realmente acontecer, como estima Henry Markram, como se certificar se o cérebro de silício sente algo ou não?

Alan Turing, considerado o pai da inteligência artificial, criou um teste para saber se uma máquina pensa ou não. Quando um comportamento é imitado e não sabemos distinguir se foi feito por uma máquina ou por um ser humano, diz-se que a máquina passou no teste de Turing. O professor Searle não acredita que o Blue Rain tenha alguma sensação subjetiva e ilustra isso com a frase “Simulação é simulação e realidade é realidade. Ninguém fica de pés molhados por simular uma tempestade em computador”. A extrema complexidade do cérebro se encarregará de proporcionar barreiras técnicas intransponíveis, sustenta João de Fernandes Teixeira, professor da Universidade São Carlos, pesquisador de Filosofia da Mente e Inteligência Artificial do CNPQ. Consideramos que alguém é consciente quando ele faz aquilo que os outros humanos fazem para se colocar no reino das criaturas conscientes, diz o Prof. Teixeira. Porém, se houver o desenvolvimento de desenvolvimento de uma mente artificial e ela se tornar consciente, teremos a prova que a subjetividade – a crença de não se admitir outra realidade senão a do sujeito pensante – e a consciência propriamente dita, são formas quantitativas de complexidade, que o aumento do poder computacional das máquinas será capaz de simular.

A inquietação para a Filosofia permanece: Supor que da junção de pequenas peças possa surgir algo dotado de uma mente significa aceitar que o mental e o físico podem ser identificados ou reduzidos um ao outro. Tanto faz um, como o outro. Tanto faz seis, como meia dúzia. E aí? Quem se habilita a desatar esse nó?



Fontes:

Blog Cognição, Linguagem e Música

http://bluebrain.epfl.ch/

http://hypescience.com/19393-cerebro-artificial/

http://filosofiacienciaevida.uol.com.br/

http://www.filosofiadamente.org/

Revista Filosofia Ciência e Vida Ano II – nr. 21-Matéria: “O Cérebro Artificial” – pag. 54-55.

Comentários

  1. A Filosofia queria-se mãe de todas as ciências. Quando foi relegada a mera filha, por vezes ilegítima, afundou-se em impropriedades. Contudo, penso que o seu campo continua inatacável, desde que não se considere como ciência mas como a própria vida. Diferentemente do Cazuza, digo que todos precisamos de uma filosofia pra viver.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada Paulo, por pontuar de maneira brilhante esse assunto. Valeu!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Por favor, deixe aqui sua opinião sobre o texto.

Postagens mais visitadas deste blog

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009 Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto "Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras fo

A arte de escrever Sonetos

Texto de Paola Rhoden, publicado no site Autores.com em 05 de novembro de 2009 Em primeiro lugar, não se ensina um poeta a escrever. Ele tira da alma o que sua mão escreve. Porém, a tarefa de escrever um soneto, uma obra considerada pelos intelectuais de símbolo da poesia, não é fácil. Não é fácil porque aqueles que cultuam essa técnica, não arredam pé de que é essencial para um soneto seguir as regras. Mas, para quem gosta e quer seguir por esta árdua estrada, abaixo seguem algumas delas: Um soneto é uma obra curta que transmite uma idéia completa. Para se escrever um soneto perfeito, ou clássico, como é chamado pelos profissionais de literatura, deve seguir as regras mundialmente utilizadas, que são: métrica, ritmo e rima. Um soneto clássico é formado por quatorze (14) versos decassílabos, dispostos em quatro estrofes, da seguinte maneira: a) dois quartetos ( ou quadras ); b) dois tercetos ( ou terças); c) a métrica deve seguir as normas. Cada um dos 14 versos deve ser decassíla

Jogo de Palavras

Dizer que foi o receptor da comunicação quem se equivocou é uma atitude cômoda para o emissor, porém arriscada, já que a conversa pode se encerrar por ali. Quando lançamos mão do tradicional “você é que não me entendeu”, estamos transferindo para o outro a responsabilidade pelo equívoco que nós mesmos provocamos. Na prática, a nossa atitude em si é arrogante, pois não admite a possibilidade de erro e ainda por cima se exime das conseqüências, como se fôssemos donos da verdade e só a nossa versão é que contasse. Seria muito mais humilde e receptivo trocar a mensagem por “eu não me fiz entender”. Acalma o interlocutor e de quebra nos dá fôlego para uma segunda chance. Ocorre que na maioria das vezes nos utilizamos dessa tática com a melhor das intenções e com o honesto propósito de esclarecer a idéia que queríamos transmitir. Como a resposta vem de imediato à nossa mente, estamos convictos que esta forma de se expressar é correta e tanto cremos nisso que a reação é automática e não en