Pular para o conteúdo principal

Cumplicidade No Lar


Quando as dificuldades do trabalho tornam-se o foco principal, a família passa a ser uma filial do escritório, fábrica ou repartição. Cada problema não fica no seu reduto, os do serviço confinados no prédio da empresa e os de casa no seu respectivo lugar, porque quem transita pelos dois ambientes é o mesmo ser humano.

Melhor falar de trabalho que não falar nada. Não compartilhar o que vai dentro da cabeça e também não conseguir esconder a dor do rosto é ajudar a diminuir a resistência, inclusive física. A sensação inicial de que o santuário do lar foi invadido ao trazermos o que nos afeta no trabalho para casa, perde importância frente às dificuldades enfrentadas pela pessoa. É ela que nos interessa e sabermos a causa das dores é o primeiro caminho para colaborarmos. Mesmo que seja para ficarmos quietos e respeitar a visão do outro, ou então, saber a parte que nos cabe naquela preocupação. Isto elimina de cara “o que será que eu fiz para ele estar assim” e foca direto no problema.

Quem gosta de nós tem o instinto primeiro de nos poupar. Certas circunstâncias são melhor administradas sozinhas. Transferir o assunto adiante pode não acrescentar nada.

O mutismo pode ser uma tática para a não invasão de privacidade, porém, é uma faca de dois gumes. Corremos o risco de não perceber que se está levando vidas paralelas, onde a intenção inicial era de uma vida em comum e não uma ocupação comum de espaço físico.

Atravessar períodos difíceis e superar-se, qual família não passa por isto? É uma batalha diária, que parece não dar trégua. Pior que isto é perder a chama do grupo familiar, a cumplicidade. Preferimos enlouquecer junto, a ter que conviver com o alheamento das questões que fazem parte de uma rota comum. É louvável quem lida com o trabalho como missão, sinal que está preocupado com a própria profissão, empresa, mas também com o contexto onde ela está inserida, com pessoas por detrás dos empregos. Nestas horas, vale lembrar que cúmplices são mais fortes. E a relação de parceria se estabelece nos ambientes de trabalho e na família. É onde buscamos força para fazer melhor como seres humanos, como cidadãos de uma aldeia global, construída diuturnamente.

Comentários

  1. Muito bom esse texto, a união é sempre o melhor caminho.Um lindo fim de semana pra você Rackel, parabéns pelo seu talento e por textos sempre bem escritos.Beijos.

    ResponderExcluir
  2. A divisão do trabalho levou-nos a viver estanques. Nos fragmentamos em casa, trabalho, escola e lazer. Tentamos ao máximo sermos múltiplos quando na verdade somos únicos. Não há como separarmos um ambiente do outro. Carregamos para cada um as alegrias e mazelas do outro. O que não pode é confundir as pessoas e tratarmos a quem amamos como extensões do mando e das obrigações.

    ResponderExcluir
  3. Oi Rackel, somos um só. Acrdito que o ideal é haver equilíbrio nos dois ambientes.
    Adorei seu blog e ainda vou ler o resto.
    Meus blogs: vidaaposavida e palavrasesentimento
    Rosália, beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Por favor, deixe aqui sua opinião sobre o texto.

Postagens mais visitadas deste blog

CAÇA AO PALMEIRA

Vai ser difícil outro mês tão memorável quanto está sendo esse aqui na cidade das belezas naturais. Sabe quando a população inteira adere ao monoassunto? Pois é o que acontece nesses meados de fevereiro. Por uma semana todo mundo só fala da mesma coisa: os artistas estão entre nós. O melhor hotel da cidade foi contratado de porteira fechada para abrigar a constelação global que irá ocupar as telinhas no horário das nove a partir de maio. Nívea Maria foi a abre alas. E não é que o primeiro lugar que ela visitou por aqui foi o Cine Teatro Ideal? Artista deve ser atraído por esses locais, afinal, o prédio onde hoje é uma farmácia, já foi supermercado, cinema e teatro. Sim, na primeira década do século XX Jaguari já tinha iluminação pública, banda de música, jornal e teatro. Por aqui fervilhava uma atividade cultural intensa para os padrões da época. Coisa que se perpetuou até nossos dias. Que o digam o Festival de Música Nativista “O Grito de Jaguari”, o carnaval mais famoso da região…

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009
Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto
"Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras formando um som …

PARCEIROS DO JAGUARI

A adolescente boia em descanso após atravessar o rio a nado. Esquadrinha o céu límpido à procura de nuvens naquele início de tarde. A água tépida de verão lhe acaricia o dorso. – Vem, Luti, vem! Convida o enorme cão preto – porte indicando alguma nobreza – que se mantém inabalável, olhos fixos no rio. Ele está com preguiça hoje, ela pensa. Vira momentaneamente o rosto para a margem, vê o cachorro levantar uma das patas dianteiras em direção às orelhas. Espantando as moscas, imagina. Ele era assim, feito gente, cheio de manias, aquele seu companheiro. Não pode contar com o Luti hoje. A mocinha flutua no rio, íntima dele desde a infância. Distraída, embala-se nas águas, o corpo inicia um giro, alheio ao seu comando. No começo, devagar, depois, o ritmo aumenta, levando-a para outra parte onde o cálido é substituído pelo frio. O choque térmico lhe aguça os sentidos, percebe a água em círculos sob ela, a aragem, seguida de um farfalhar; a lembrança de frio percorrendo o corpo quente até …