Pular para o conteúdo principal

Cumplicidade No Lar


Quando as dificuldades do trabalho tornam-se o foco principal, a família passa a ser uma filial do escritório, fábrica ou repartição. Cada problema não fica no seu reduto, os do serviço confinados no prédio da empresa e os de casa no seu respectivo lugar, porque quem transita pelos dois ambientes é o mesmo ser humano.

Melhor falar de trabalho que não falar nada. Não compartilhar o que vai dentro da cabeça e também não conseguir esconder a dor do rosto é ajudar a diminuir a resistência, inclusive física. A sensação inicial de que o santuário do lar foi invadido ao trazermos o que nos afeta no trabalho para casa, perde importância frente às dificuldades enfrentadas pela pessoa. É ela que nos interessa e sabermos a causa das dores é o primeiro caminho para colaborarmos. Mesmo que seja para ficarmos quietos e respeitar a visão do outro, ou então, saber a parte que nos cabe naquela preocupação. Isto elimina de cara “o que será que eu fiz para ele estar assim” e foca direto no problema.

Quem gosta de nós tem o instinto primeiro de nos poupar. Certas circunstâncias são melhor administradas sozinhas. Transferir o assunto adiante pode não acrescentar nada.

O mutismo pode ser uma tática para a não invasão de privacidade, porém, é uma faca de dois gumes. Corremos o risco de não perceber que se está levando vidas paralelas, onde a intenção inicial era de uma vida em comum e não uma ocupação comum de espaço físico.

Atravessar períodos difíceis e superar-se, qual família não passa por isto? É uma batalha diária, que parece não dar trégua. Pior que isto é perder a chama do grupo familiar, a cumplicidade. Preferimos enlouquecer junto, a ter que conviver com o alheamento das questões que fazem parte de uma rota comum. É louvável quem lida com o trabalho como missão, sinal que está preocupado com a própria profissão, empresa, mas também com o contexto onde ela está inserida, com pessoas por detrás dos empregos. Nestas horas, vale lembrar que cúmplices são mais fortes. E a relação de parceria se estabelece nos ambientes de trabalho e na família. É onde buscamos força para fazer melhor como seres humanos, como cidadãos de uma aldeia global, construída diuturnamente.

Comentários

  1. Muito bom esse texto, a união é sempre o melhor caminho.Um lindo fim de semana pra você Rackel, parabéns pelo seu talento e por textos sempre bem escritos.Beijos.

    ResponderExcluir
  2. A divisão do trabalho levou-nos a viver estanques. Nos fragmentamos em casa, trabalho, escola e lazer. Tentamos ao máximo sermos múltiplos quando na verdade somos únicos. Não há como separarmos um ambiente do outro. Carregamos para cada um as alegrias e mazelas do outro. O que não pode é confundir as pessoas e tratarmos a quem amamos como extensões do mando e das obrigações.

    ResponderExcluir
  3. Oi Rackel, somos um só. Acrdito que o ideal é haver equilíbrio nos dois ambientes.
    Adorei seu blog e ainda vou ler o resto.
    Meus blogs: vidaaposavida e palavrasesentimento
    Rosália, beijos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Por favor, deixe aqui sua opinião sobre o texto.

Postagens mais visitadas deste blog

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009 Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto "Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras fo

CAÇA AO PALMEIRA

Vai ser difícil outro mês tão memorável quanto está sendo esse aqui na cidade das belezas naturais. Sabe quando a população inteira adere ao monoassunto? Pois é o que acontece nesses meados de fevereiro. Por uma semana todo mundo só fala da mesma coisa: os artistas estão entre nós. O melhor hotel da cidade foi contratado de porteira fechada para abrigar a constelação global que irá ocupar as telinhas no horário das nove a partir de maio. Nívea Maria foi a abre alas. E não é que o primeiro lugar que ela visitou por aqui foi o Cine Teatro Ideal? Artista deve ser atraído por esses locais, afinal, o prédio onde hoje é uma farmácia, já foi supermercado, cinema e teatro. Sim, na primeira década do século XX Jaguari já tinha iluminação pública, banda de música, jornal e teatro. Por aqui fervilhava uma atividade cultural intensa para os padrões da época. Coisa que se perpetuou até nossos dias. Que o digam o Festival de Música Nativista “O Grito de Jaguari”, o carnaval mais famoso da r

Do lar (Ou profissão em vias de extinção)

Ainda vigora nos contratos comerciais e bancários o uso da expressão “do lar”, para se qualificar a mulher que não trabalha fora. Há mulheres que ao serem indagadas da profissão informam que não trabalham. Por não laborar, entenda-se serviço doméstico. Exatamente. Aquelas tarefas anônimas, executadas diuturnamente pelas mulheres. O apoio logístico delas permite aos homens exercer com liberdade as mais variadas profissões, já que o controle da prole e as múltiplas funções, que o ato de criar filhos implica, estão em boas mãos. Sob o pretexto de educarmos os filhos, acompanharmos o marido, muitas de nós se tornam reféns da família. É claro que o trabalho doméstico pode ser uma opção. Mas não pode em hipótese nenhuma, tornar-se uma obrigação. Entre uma guerra mundial e outra, as mulheres pegaram no batente nas fábricas, nas escolas, nos escritórios e descobriram que podiam desempenhar tão bem quanto os homens as mesmas atividades que eles. Com os maridos na frente de batalha elas acumul