Pular para o conteúdo principal

HAMMURABI E A TORRE DE BABEL


Em meados do II milênio a.C, um grupo nômade MAR.TU – amorrita – fixou-se em uma localidade denominada Babila, às margens do rio Eufrates, cerca de 20 km a sudoeste de Kis. O nome foi interpretado pelos grupo como Bab-lim = porta de deus – que resultou no sumerograma KA,DINGIR, depois traduzido nas línguas modernas por Babel. O xeque do grupo invasor, Sumuabum (1894-1881 a.C) investiu contra o domínio das cidades de Isin e Larsa, expandindo sua conquista para as cidades de Kazalu e de Dilbat, ao tempo em que fortificou a capital, Babel. Seu sucessor, Sumula’el (1880-1845 a.C) selou a independência política de Babel após a construção do grande muro da cidade e de vitórias sucessivas sobre as cidades vizinhas. Com isso, estabeleceu a base da sua dinastia, que dominou a região por três séculos. Os amoritas tinham Marduk como deus principal desse novo grupo, mas as tradições sumérias e acádicas foram aceitas e incorporadas. Seu filho Sabium (1844-1831 a. C), é tido como o construtor de ESANGILA, o célebre zigurate de Babel, dedicada a Marduk. Apil-Sin (1830-1813 a.C) e Sin-muballit, respectivamente filho e neto de Sabiun, consolidaram o reino e expandiram os domínios de Babel por todo o norte da Babilônia. Em 1792 a.C, Hammurabi, filho de Sin-Muballit é o sucessor de um território ainda bastante limitado. Contudo, soube usar sua habilidade política para manter a autonomia. Fez uso da política de pactos e alianças com os governantes de Larsa, Assíria e Mari, jogando com a rivalidade entre eles. Tal política resultou numa época de equilíbrio de forças. Os reis das diversas cidades-estados dividiam sua influência sobre as cidades menores, numa espécie de pacto entre Babel-Mari-Larsa. Hamurabi, com paciência, autodomínio e muito tato político constrói uma base militar sólida para as suas conquistas. A fórmula do ano 38 de seu reinado registra a conquista de Larsa, que se torna província do reino, além de Eshnunna, destruída por uma grande massa de água. “por ordem de Anu e Enlil e fazendo uso da sabedoria que lhe foi dada por Marduk”. Assim, Hamurabi é o novo senhor da Mesopotâmia meridional e central. Conforme Bouzon, 1998, a destruição parece ter sido provocada por uma inundação artificial, em razão da abertura de alguma barragem ou canal de irrigação.
Ao final dos seus 43 anos de reinado, Hammurabi tinha conseguido reunir sob o seu governo quase toda a Mesopotâmia.


ILUSTRAÇÃO SOBRE ROCHA DESTACA DESENHO QUE PODE SER DA TORRE DE BABEL

 (FOTO: REPRODUÇÃO DE  video/smithsoniamag.com)

Fonte:
BOUZON, Emanuel. O código de Hamurabi. 6ª ed. Vozes, Petrópolis-RS, 1998

http://revistagalileu.globo.com/Ciencia/noticia/2017/06/novas-evidencias-podem-provar-existencia-da-torre-de-babel.html/




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009 Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto "Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras fo

A arte de escrever Sonetos

Texto de Paola Rhoden, publicado no site Autores.com em 05 de novembro de 2009 Em primeiro lugar, não se ensina um poeta a escrever. Ele tira da alma o que sua mão escreve. Porém, a tarefa de escrever um soneto, uma obra considerada pelos intelectuais de símbolo da poesia, não é fácil. Não é fácil porque aqueles que cultuam essa técnica, não arredam pé de que é essencial para um soneto seguir as regras. Mas, para quem gosta e quer seguir por esta árdua estrada, abaixo seguem algumas delas: Um soneto é uma obra curta que transmite uma idéia completa. Para se escrever um soneto perfeito, ou clássico, como é chamado pelos profissionais de literatura, deve seguir as regras mundialmente utilizadas, que são: métrica, ritmo e rima. Um soneto clássico é formado por quatorze (14) versos decassílabos, dispostos em quatro estrofes, da seguinte maneira: a) dois quartetos ( ou quadras ); b) dois tercetos ( ou terças); c) a métrica deve seguir as normas. Cada um dos 14 versos deve ser decassíla

Jogo de Palavras

Dizer que foi o receptor da comunicação quem se equivocou é uma atitude cômoda para o emissor, porém arriscada, já que a conversa pode se encerrar por ali. Quando lançamos mão do tradicional “você é que não me entendeu”, estamos transferindo para o outro a responsabilidade pelo equívoco que nós mesmos provocamos. Na prática, a nossa atitude em si é arrogante, pois não admite a possibilidade de erro e ainda por cima se exime das conseqüências, como se fôssemos donos da verdade e só a nossa versão é que contasse. Seria muito mais humilde e receptivo trocar a mensagem por “eu não me fiz entender”. Acalma o interlocutor e de quebra nos dá fôlego para uma segunda chance. Ocorre que na maioria das vezes nos utilizamos dessa tática com a melhor das intenções e com o honesto propósito de esclarecer a idéia que queríamos transmitir. Como a resposta vem de imediato à nossa mente, estamos convictos que esta forma de se expressar é correta e tanto cremos nisso que a reação é automática e não en