Pular para o conteúdo principal

Perceber-se


A distração indica a incapacidade de lidar com o contexto e a dificuldade de se manter vigilante. Vigiar pode parecer sinônimo de policiar gestos, pensamentos, cortando aqueles que não estejam voltados para a nossa leitura da questão. Aliás, o verbo vigiar desperta em nós certa repulsa por lembrar-nos instintivamente de que se algo está sendo objeto de cuidados, não se está no livre exercício de sua vontade e, portanto, sendo manipulado, cerceado e condicionado a uma situação da qual não conseguimos nos livrar. Ledo engano. A vigilância consciente sobre o nosso intelecto é o nosso reduto íntimo de liberdade, pois só ali chegamos a um nível quase imune de não-interferência externa.

Perceber-se é um fenômeno inerente a quem mantém profunda sintonia com o seu eu interior e simbiose com o universo onde se insere. Sem fazer a troca intermitente com o meio ambiente, podemos focar ora em um, ora em outro e com isso não perceber as nuances sutis que fazem com que uma situação se transmute em outra e os nossos sentidos supostamente atentos não dêem conta da mudança. Uma fração de segundo é suficiente para que se modifique a realidade tornando mais difícil o processo de enfrentamento com esta nova circunstância, porque inesperada.

Direcionados que estamos a cercear atitudes para que os nossos propósitos se concretizem, tendo o leme das ações sob controle, dirigimo-nos convictos ao que buscamos. Assim, sentimo-nos tolos quando deparamo-nos com uma realidade que não concebemos, com um resultado diverso do almejado.

Dominamos ao extremo as variáveis que nos são disponibilizadas ao tempo em que respeitamos as respostas do meio, condição essencial para poder unir-se ao todo, sem perder a individualidade. O melhor lugar para se esconder é no meio da multidão. Soldados usam roupas camufladas quando em ação na selva. Se não queremos ser destacados, mas também não passar despercebido ao um olhar mais atento é preciso confundir-se com a paisagem. Nem de mais, nem de menos, apenas o necessário.

Quando atingimos o estágio de integração, fluímos. Quando estabelecemos a comunhão, permanecemos íntegros. Não há perdas. Somos parte do todo e cada um é autônomo por si, mas que interage, troca e se revitaliza com o que recebe e o que doa, oxigenando-se e permitindo o crescimento pessoal concomitante com o avanço dos seres que estão ao redor.

Não podemos prestar atenção só em nós. Um olho lá e o outro aqui. Existe vida à nossa volta e o universo não é o nosso umbigo. Com a troca evolui-se, transmite-se o conhecimento e permite a criação de novos paradigmas. Respeitando o passado, claro, mas fazendo um ponto necessário de corte para sepultar erros, rompendo com o que não se revelou adequado e permitindo-se que a vida flua a partir da harmonia que se conseguiu conquistar e amadurecer.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CAÇA AO PALMEIRA

Vai ser difícil outro mês tão memorável quanto está sendo esse aqui na cidade das belezas naturais. Sabe quando a população inteira adere ao monoassunto? Pois é o que acontece nesses meados de fevereiro. Por uma semana todo mundo só fala da mesma coisa: os artistas estão entre nós. O melhor hotel da cidade foi contratado de porteira fechada para abrigar a constelação global que irá ocupar as telinhas no horário das nove a partir de maio. Nívea Maria foi a abre alas. E não é que o primeiro lugar que ela visitou por aqui foi o Cine Teatro Ideal? Artista deve ser atraído por esses locais, afinal, o prédio onde hoje é uma farmácia, já foi supermercado, cinema e teatro. Sim, na primeira década do século XX Jaguari já tinha iluminação pública, banda de música, jornal e teatro. Por aqui fervilhava uma atividade cultural intensa para os padrões da época. Coisa que se perpetuou até nossos dias. Que o digam o Festival de Música Nativista “O Grito de Jaguari”, o carnaval mais famoso da região…

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009
Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto
"Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras formando um som …
Toda energia