Pular para o conteúdo principal

Ritmo


Sentir vontade de ficar sozinho não significa falta de amor pelos entes queridos, síndrome do pânico ou personalidade antissocial. Precisamos nos isolar de vez em quando para curtir a nós mesmos. Dar uma de narciso esporadicamente faz bem. Existem pequenos rituais que são prazerosos somente na solitude, na frente dos outros jamais. Mesmo a presença de alguém muito próximo, inibe. Com o companheiro e os filhos é pior. A proximidade dificulta. Quanto mais íntimos somos de alguém, mais precisamos de uma reserva que seja só nossa. É difícil suportar a invasão de privacidade, a delegação implícita a outrem para gerir nosso tempo e por tabela inibir a nossa vontade de agir por conta própria, ser dono de si e livre. Se nos calamos, consentimos, diz o bordão.

Não se trata de prescindir das pessoas, mas precisamos nos alimentar para ter o que doar. Recompondo-nos internamente tornamo-nos mais capazes de ceder, sem que nos sintamos usurpados. Sermos roubados nos frustra e deixarmo-nos governar por forças externas, mesmo que conscientemente a decisão esteja sendo tomada também por nós. Iludimo-nos. As circunstâncias nos levam a certas escolhas, sim. São aquelas que nos obrigam sem palavras, cerceiam-nos com atitudes ou sinais imperceptíveis a quem está de fora, fazendo com que a nossa reação de rebeldia pareça desproporcional ao fato que a provocou.

Na parada permitimos o compasso entre o ritmo natural do nosso organismo e aquele que o ambiente nos impõe. O estímulo externo também é útil. É necessário um filtro para interpretar o que à primeira vista parece agressão contínua, violência conosco. Sermos provocados nos faz crescer, vivenciar nossa capacidade de superar dificuldades e depois de conseguir, poder dizer: Ok. Eu venci esta. Agora vamos para a próxima. A inatividade pura e simples impede o aperfeiçoamento. Mesmo o ócio deve ser criativo, já disse alguém. É questão de usar o tempo para equilibrar ritmos interno e externo e exigir de si apenas aquilo que somos capazes de suportar no momento atual. Nem mais, nem menos.

Ficar só é uma forma de equilibrar sem pressões, de se reavaliar. Permitir-se para poder identificar sentimentos e frustrações de maneira a responder claramente o que é nosso e o que é do meio de forma consciente só cobrar dos outros a parte deles. Outra tentação é ficar com peninha de nós que nos deixamos ser coagidos. O papel de vítima é muito cômodo. Somos senhores dos nossos atos e não se pode mandar a conta para os outros. Mas também não nos cabe pagar a conta alheia.

Saber separar o meu do nosso é tarefa individual e só se consegue olhando para dentro. E este olhar rima com paz. Rima também com sossego e desapego. Tudo na vida tem cadência, movimento. As marés sobem e descem. Há primavera e verão. Há coração batendo mais rápido e mais devagar. Mas há momentos para cada um deles, como o instante de estar fisicamente só. Mas isso só é um prazer quando sabemos que aqueles pelos quais nutrimos afetos entendem o que acontece conosco. O metrômano muda o ritmo da música, nossos sentimentos ditam o pulsar do coração. Nós determinamos o compasso das nossas vidas e se conseguimos fazer os nossos queridos compreenderem a nossa opção pela solitudine, mas também entendermos a necessidade deles, todos saem ganhando com a renovação que se processa em nós.



Comentários

  1. Rackel, diva das Letras e leitora perspicaz da alma humana. Vir aqui vale mais que dez sessões num divã. Você é um raro caso de quem possui duas qualidades: o de domínio e elegância invejáveis da língua e a observação crítica e transparente do argumento, sem jamais renunciar a leveza. Em especial, este argumento, por eu ter sempre perseguido a solitude, até então compreendida por poucos ao meu redor. Seu raciocínio é brilhante! Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Luma, querida. Como sempre é um prazer tê-la aqui, com sua perspicácia e generosidade. Valeu!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Por favor, deixe aqui sua opinião sobre o texto.

Postagens mais visitadas deste blog

CAÇA AO PALMEIRA

Vai ser difícil outro mês tão memorável quanto está sendo esse aqui na cidade das belezas naturais. Sabe quando a população inteira adere ao monoassunto? Pois é o que acontece nesses meados de fevereiro. Por uma semana todo mundo só fala da mesma coisa: os artistas estão entre nós. O melhor hotel da cidade foi contratado de porteira fechada para abrigar a constelação global que irá ocupar as telinhas no horário das nove a partir de maio. Nívea Maria foi a abre alas. E não é que o primeiro lugar que ela visitou por aqui foi o Cine Teatro Ideal? Artista deve ser atraído por esses locais, afinal, o prédio onde hoje é uma farmácia, já foi supermercado, cinema e teatro. Sim, na primeira década do século XX Jaguari já tinha iluminação pública, banda de música, jornal e teatro. Por aqui fervilhava uma atividade cultural intensa para os padrões da época. Coisa que se perpetuou até nossos dias. Que o digam o Festival de Música Nativista “O Grito de Jaguari”, o carnaval mais famoso da região…

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009
Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto
"Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras formando um som …

PARCEIROS DO JAGUARI

A adolescente boia em descanso após atravessar o rio a nado. Esquadrinha o céu límpido à procura de nuvens naquele início de tarde. A água tépida de verão lhe acaricia o dorso. – Vem, Luti, vem! Convida o enorme cão preto – porte indicando alguma nobreza – que se mantém inabalável, olhos fixos no rio. Ele está com preguiça hoje, ela pensa. Vira momentaneamente o rosto para a margem, vê o cachorro levantar uma das patas dianteiras em direção às orelhas. Espantando as moscas, imagina. Ele era assim, feito gente, cheio de manias, aquele seu companheiro. Não pode contar com o Luti hoje. A mocinha flutua no rio, íntima dele desde a infância. Distraída, embala-se nas águas, o corpo inicia um giro, alheio ao seu comando. No começo, devagar, depois, o ritmo aumenta, levando-a para outra parte onde o cálido é substituído pelo frio. O choque térmico lhe aguça os sentidos, percebe a água em círculos sob ela, a aragem, seguida de um farfalhar; a lembrança de frio percorrendo o corpo quente até …