Pular para o conteúdo principal

Trato


Então fica assim.


Está combinado.

Está tudo combinado,

plagiando aquele rap.

Para 2010 não vale tristeza,

não adianta desesperança.

Só conta cada sorriso,

verdadeiro, feito criança.

Marca ponto ser autêntico,

ou pelo menos tentar sê-lo.

Rende ao relacionamento,

um mero afago no cabelo,

daquele que a gente ama,

do que é companheiro.

E se der aquela vontade

de cantar no banheiro,

e que por um momento,

sejamos estrelas no chuveiro.

Não. Não quero sorriso forçado,

quero algo natural.

Não quero camuflar a boca

e olhar fugir sorrateiro,

denunciando-me a angústia,

instalando-se por inteiro.

Que a brisa seja sentida

e não apenas vislumbrada.

Que a contemplação seja engolindo

o ar puro pelas narinas

e quando menos se esperar,

impregnar na retina,

aquele cheiro de mar.

E não se possa fazer nada

que não integrar-se ao todo,

deixar vir aos borbotões

a energia que emana

da divindade, presente

em cada um de nós.

Não, eu não quero ouvir,

que a paz não é possível,

que verdades podem ser construídas,

que utopia é perda de tempo.

A construção de cada humano

revestido de ternura

implica na parte de Deus,

inscrita em cada criatura.

Que se insere todos os dias,

sem que se possa perceber.

A evolução sai devagarinho

e não dá para saber

qual foi o momento exato

da alma prevalecer,

sobrepujar o instinto,

recobrir-se da matéria pura,

tão leve que não imaginamos.

Tão sutil que não percebemos.

Tão límpida que não sentimos

o transcorrer da evolução.

Terra, eu te peço

para 2010 e entre tantos que virão,

mais paciência conosco,

mais resistência com os ataques

que a humanidade te impõe.

Seja na violência contigo,

seja com seus habitantes.

Que se inicie o caminho de volta,

ao paraíso de antes.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CAÇA AO PALMEIRA

Vai ser difícil outro mês tão memorável quanto está sendo esse aqui na cidade das belezas naturais. Sabe quando a população inteira adere ao monoassunto? Pois é o que acontece nesses meados de fevereiro. Por uma semana todo mundo só fala da mesma coisa: os artistas estão entre nós. O melhor hotel da cidade foi contratado de porteira fechada para abrigar a constelação global que irá ocupar as telinhas no horário das nove a partir de maio. Nívea Maria foi a abre alas. E não é que o primeiro lugar que ela visitou por aqui foi o Cine Teatro Ideal? Artista deve ser atraído por esses locais, afinal, o prédio onde hoje é uma farmácia, já foi supermercado, cinema e teatro. Sim, na primeira década do século XX Jaguari já tinha iluminação pública, banda de música, jornal e teatro. Por aqui fervilhava uma atividade cultural intensa para os padrões da época. Coisa que se perpetuou até nossos dias. Que o digam o Festival de Música Nativista “O Grito de Jaguari”, o carnaval mais famoso da região…

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009
Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto
"Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras formando um som …

PARCEIROS DO JAGUARI

A adolescente boia em descanso após atravessar o rio a nado. Esquadrinha o céu límpido à procura de nuvens naquele início de tarde. A água tépida de verão lhe acaricia o dorso. – Vem, Luti, vem! Convida o enorme cão preto – porte indicando alguma nobreza – que se mantém inabalável, olhos fixos no rio. Ele está com preguiça hoje, ela pensa. Vira momentaneamente o rosto para a margem, vê o cachorro levantar uma das patas dianteiras em direção às orelhas. Espantando as moscas, imagina. Ele era assim, feito gente, cheio de manias, aquele seu companheiro. Não pode contar com o Luti hoje. A mocinha flutua no rio, íntima dele desde a infância. Distraída, embala-se nas águas, o corpo inicia um giro, alheio ao seu comando. No começo, devagar, depois, o ritmo aumenta, levando-a para outra parte onde o cálido é substituído pelo frio. O choque térmico lhe aguça os sentidos, percebe a água em círculos sob ela, a aragem, seguida de um farfalhar; a lembrança de frio percorrendo o corpo quente até …