Pular para o conteúdo principal

Inquietude


Pobre dos inquietos! Tem a vida permeada por emoções, conseqüência do carrossel de perturbações que lhes aflige os dias. Sim. Emoção não é garantia de prazer ou plenitude. É antes de tudo sinônimo de esforço para estar sempre alerta para a velocidade que as mudanças impõem. Muitos invejam a vida repleta de experiências que essas pessoas geralmente têm. Isto porque não se dá tempo para sossegar uma indagação e já se enfileiram outras para serem respondidas. Deve ser eletrizante um estado mental assim, imaginam os mais incautos. Ledo engano.

Mergulhar de cabeça em quaisquer circunstâncias é extrair delas a essência que podem dar, independente da natureza desse núcleo. E não necessariamente é bom, como também nem sempre temos cabeça para poder voltar das experiências que vivenciamos. É por isso que alguns preferem nem entrar. “Só vou até onde posso voltar”. É coerente a afirmativa, já que as “pernas” que terão que nos fazer retornar ao ritmo normal do mundo são as nossas e não as alheias. Não podemos esperar que alguém nos ajunte caso caiamos pelo caminho. Bastar-se é o lema de quem quer evoluir. Por isto a escolha de dar o passo na medida do retorno. Não um passo para frente e dois para trás, mas um de cada vez.

O êxtase das experiências novas, da sede de viver cada minuto como se fosse o último é instigante. Mas será que a vida precisa de gozo permanente para que a chamemos de vida feliz? Ou será que o rótulo da busca da felicidade já está gravado em nós em passamos tanto tempo em busca dela que não percebemos quando chega? Parece que não há prazer na placidez. Serenidade cheira a tédio. Vida plena é vida corrida, vivendo cada dia como se fosse o último, sem passado ou futuro, só presente. É no que cremos. Já se tornou verdade para nós e não sabemos o que fazer com o silêncio, com o compasso mais leve. O binário já tomou conta. Tum. Tum... Que o digam as músicas das raves. Ritmo natural não condiz com o hoje, dá sono, mata de tédio. Alguém se esqueceu de dizer para o nosso cérebro acompanhar o mundo full time e ele entra em curto circuito ou continua rodando num moto contínuo até que ... plaf....páre de vez. E é para isso que vivemos? Para estarmos sujeitos a uma interrupção inesperada, com inquietações ainda por decifrar e vivenciar na vida terrena?

Podemos até não perceber, mas oportunizamos a parada abrupta se não fizermos da nossa inquietude um instrumento de evolução. Desde que não deixemos aquilo que não compreendemos no momento, acumular-se e, ao invés de motor de crescimento, tornar-se um saco de desespero a ser arrastado vida afora, numa sucessão de crises não resolvidas, de conhecimentos não pacificados. Aquilo que passamos atabalhoadamente por ele tende a ser um mero flash-back, sem significado, nem aproveitamento para nós. Tudo tem sua hora de aprender e entender. Talvez tenhamos que deixar parte de nossas dúvidas hibernadas para que possamos aproveitar no momento certo. Dúvida contida não é acomodação. Trata-se de ruminar conscientemente e aproveitar a substância no momento da maturidade da idéia. É ter convicção ao identificar quando se pode usufruir plenamente do exercício de pensar. Ter paciência para aprender a lidar e entender o contexto, admitindo que nem sempre ocorre no momento em que a inquietação se instala. E se o raciocínio não caiu como uma luva, certamente não está pronto. O que apreendemos permanece, ajuda a sincronizar sem que percebamos, nossos ritmos com os da natureza. Mas não nos iludamos. O aprendizado é constante e com o tempo pegamos o jeito, sem sofrer tanto com as inquietações e fazer delas nossas parceiras.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009 Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto "Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras fo

A arte de escrever Sonetos

Texto de Paola Rhoden, publicado no site Autores.com em 05 de novembro de 2009 Em primeiro lugar, não se ensina um poeta a escrever. Ele tira da alma o que sua mão escreve. Porém, a tarefa de escrever um soneto, uma obra considerada pelos intelectuais de símbolo da poesia, não é fácil. Não é fácil porque aqueles que cultuam essa técnica, não arredam pé de que é essencial para um soneto seguir as regras. Mas, para quem gosta e quer seguir por esta árdua estrada, abaixo seguem algumas delas: Um soneto é uma obra curta que transmite uma idéia completa. Para se escrever um soneto perfeito, ou clássico, como é chamado pelos profissionais de literatura, deve seguir as regras mundialmente utilizadas, que são: métrica, ritmo e rima. Um soneto clássico é formado por quatorze (14) versos decassílabos, dispostos em quatro estrofes, da seguinte maneira: a) dois quartetos ( ou quadras ); b) dois tercetos ( ou terças); c) a métrica deve seguir as normas. Cada um dos 14 versos deve ser decassíla

Jogo de Palavras

Dizer que foi o receptor da comunicação quem se equivocou é uma atitude cômoda para o emissor, porém arriscada, já que a conversa pode se encerrar por ali. Quando lançamos mão do tradicional “você é que não me entendeu”, estamos transferindo para o outro a responsabilidade pelo equívoco que nós mesmos provocamos. Na prática, a nossa atitude em si é arrogante, pois não admite a possibilidade de erro e ainda por cima se exime das conseqüências, como se fôssemos donos da verdade e só a nossa versão é que contasse. Seria muito mais humilde e receptivo trocar a mensagem por “eu não me fiz entender”. Acalma o interlocutor e de quebra nos dá fôlego para uma segunda chance. Ocorre que na maioria das vezes nos utilizamos dessa tática com a melhor das intenções e com o honesto propósito de esclarecer a idéia que queríamos transmitir. Como a resposta vem de imediato à nossa mente, estamos convictos que esta forma de se expressar é correta e tanto cremos nisso que a reação é automática e não en