Pular para o conteúdo principal

Processo Decisório: Uma Reflexão para o Líder


A liderança impõe-nos decisões a todo instante e nem sempre bem recebidas pelos liderados, por mais que o terreno tenha sido preparado com cuidado. Mesmo o líder mais tarimbado, ressente-se das reações que as opções inexoráveis, que obrigatoriamente exigem mudanças profundas na postura da equipe daí em diante, provocam nas pessoas. Afinal, ele também é um integrante do time e sabemos como dói sermos temidos quando tomamos decisões que a nossa consciência entende adequadas, mas que não agradam a todo mundo e não é exatamente aquilo que nós mesmos gostaríamos de fazer, se tivéssemos alternativa melhor.

Buscamos a unanimidade mesmo concordando com quem disse que “toda unanimidade é burra”. Preferimos nos iludir e achar que somos queridos e amados, unicamente porque as pessoas envolvidas não nos deram feed-back, retorno, quando atingidos pela nossa resolução.

As regras de convivência recomendam que se evite a zona de atrito. Temos que ser diplomatas sempre, dizer somente aquilo que os outros querem ouvir? Claro que não. Até porque a fronteira entre a diplomacia e a hipocrisia é muito pequena. Idem, para o limite entre a franqueza e a grossura. Mas, não raro, engolir em seco, uma palavra recolhida quando estava prestes a escapar, pode nos dar um tempo para pensar se é realmente aquilo que queríamos dizer. Postergando um pouco, a cabeça refresca e podemos nos colocar no lugar do outro. Exercemos assim, a reversibilidade. Que nada mais é do que tentar averiguar o que é verdadeiro para o interlocutor. Implica em abrir mão do nosso conceito de certo, por mais convictos que estejamos dele, enxergar com os olhos da alma e interpretar pela ótica do outro.

Dói não sermos compreendidos. Mas fere mais ainda violentar-se ao invés de tomar a decisão adequada. Porque mesmo não sendo bem recebida, ela se torna correta quando no íntimo sabemos que após todas as precauções, foi a mais indicada.

Não vale a pena olhar para trás e desesperar-se pelas oportunidades perdidas, se a decisão tivesse sido diferente. Todos nós sabemos aquilo que é importante, aquilo que é imutável para nós, que faz parte do nosso núcleo. Uma vez resolvido, é melhor concentrar as energias nos ganhos que nos proporcionou. Mesmo que tenhamos que arcar com o ônus da indiferença, da cara feia daqueles que nos rodeiam e, não raro, amamos.

E se nos arrependermos? Bom, aí, resta usar a experiência como subsídio para as decisões futuras e tocar o barco. Lamentar-se? Jamais. Não engrandece, nem vale a pena.


Comentários

  1. Oi Rackel, muito bom seu texto, aliás sempre aprendemos lendo você, parabéns, tudo de bom pra você,bjs.

    ResponderExcluir
  2. Tem um selo de prsente pra você no meu blog
    palavrasnosventos.blogspot.com
    paase lá e pegue, beijos

    ResponderExcluir
  3. OI TIA, MUITO UTIL, A MIM O SEU TEXTO..BJOSS

    ResponderExcluir
  4. OI TIA..GOSTEI DO TEU TEXTO..É SEMPRE BOM UMA PALAVRA PARA ESSE LUGAR QUE NOS COLOCARAM..BJOSS

    ResponderExcluir
  5. Oi, Gabi, obrigada pela visita. Que bom que gostastes, querida.
    Abraço fraterno.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Por favor, deixe aqui sua opinião sobre o texto.

Postagens mais visitadas deste blog

CAÇA AO PALMEIRA

Vai ser difícil outro mês tão memorável quanto está sendo esse aqui na cidade das belezas naturais. Sabe quando a população inteira adere ao monoassunto? Pois é o que acontece nesses meados de fevereiro. Por uma semana todo mundo só fala da mesma coisa: os artistas estão entre nós. O melhor hotel da cidade foi contratado de porteira fechada para abrigar a constelação global que irá ocupar as telinhas no horário das nove a partir de maio. Nívea Maria foi a abre alas. E não é que o primeiro lugar que ela visitou por aqui foi o Cine Teatro Ideal? Artista deve ser atraído por esses locais, afinal, o prédio onde hoje é uma farmácia, já foi supermercado, cinema e teatro. Sim, na primeira década do século XX Jaguari já tinha iluminação pública, banda de música, jornal e teatro. Por aqui fervilhava uma atividade cultural intensa para os padrões da época. Coisa que se perpetuou até nossos dias. Que o digam o Festival de Música Nativista “O Grito de Jaguari”, o carnaval mais famoso da região…

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009
Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto
"Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras formando um som …

PARCEIROS DO JAGUARI

A adolescente boia em descanso após atravessar o rio a nado. Esquadrinha o céu límpido à procura de nuvens naquele início de tarde. A água tépida de verão lhe acaricia o dorso. – Vem, Luti, vem! Convida o enorme cão preto – porte indicando alguma nobreza – que se mantém inabalável, olhos fixos no rio. Ele está com preguiça hoje, ela pensa. Vira momentaneamente o rosto para a margem, vê o cachorro levantar uma das patas dianteiras em direção às orelhas. Espantando as moscas, imagina. Ele era assim, feito gente, cheio de manias, aquele seu companheiro. Não pode contar com o Luti hoje. A mocinha flutua no rio, íntima dele desde a infância. Distraída, embala-se nas águas, o corpo inicia um giro, alheio ao seu comando. No começo, devagar, depois, o ritmo aumenta, levando-a para outra parte onde o cálido é substituído pelo frio. O choque térmico lhe aguça os sentidos, percebe a água em círculos sob ela, a aragem, seguida de um farfalhar; a lembrança de frio percorrendo o corpo quente até …