Pular para o conteúdo principal

O Prazer da Ausência de Dor

Embora a uniformidade aparente do ser humano, cada trajetória é única. Ao corpo que a genética nos deu, são acrescidos nome, sobrenome e uma vida de interação com o meio ambiente, que a partir do nascimento nos cabe administrar. No começo, com alguma ajuda, mas chega o momento em que seremos nós os responsáveis pelas alterações incutidas em nosso corpo e mente. Diferentemente dos animais, o homem possui natureza composta de razão e desejo, este último, se desprende das sensações provocadas pelos sentidos clássicos de visão, audição, olfato, gosto e tato. Um arsenal de sentidos que são as nossas primeiras determinações físicas, reflexo das eternas leis da natureza, onde cada ser procura o seu prazer e foge do desprazer .

Somatório de processos assimilados de longo tempo, o instinto se forma basicamente por imitação, garante a sobrevivência. É meio de civilização, artefato original que passamos boa parte de nossa vida tentando domar e adequar. A maioria dos homens subsiste sob o domínio do instinto, não repara em nada que acontece ao seu redor e por acreditar piamente no impossível, não deixa de ser um combustível de perpetuação da humanidade. Mesmo aqueles que usam satisfatoriamente sua capacidade de fazer abstrações, igualmente são subjugados pelo instinto de uma forma ou outra. Desperto ou não, o homem continua a perseguir o imperativo da felicidade, cuja tradução prática é a busca do prazer e a fuga da dor.

Sinal universal de que há algo errado com o corpo, imediatamente procuramos pela doença quando sentimos dor. Nem toda moléstia provoca dor, mas é um incômodo que se torna insuportável se algo nos dói. A cura pode ser o objetivo, mas a trégua na dor é o desejo maior nesse momento. Nosso querer se curva nessa direção a ponto de se congelar quando o tormento cessa. “Ela vem, finalmente, a hora que te envolve na nuvem dourada da ausência de dor: onde a alma desfruta de seu próprio cansaço, abandonando-se com alegria à lentidão de seus movimentos e, em sua paciência, semelhante ao jogo das ondas que, nas margens de um lago, num dia tranqüilo de verão, sob os reflexos multicoloridos de um céu do ocaso, sucessivamente murmuram e se calam sem saciedade e sem desejos – tranqüila e sentindo prazer no fluxo e refluxo que seguem um ritmo sob o sopro da natureza”. Depois da breve satisfação, o aborrecimento retorna. A vontade paralisada na ânsia de extinguir a dor, agora se volta para a doença em si e novamente nos domina ao sugerir um desejo após o outro.

A maneira como lidamos com a satisfação dos desejos, no apogeu da nossa vida, determina a postura na doença. Talvez a imobilização propicie a reflexão a quem viveu por muito tempo fora de si mesmo e finalmente se volta para a vida interior, como que numa retrospectiva de suas escolhas. A maneira como se pensa a morte na plenitude da nossa força, manifesta com vigor o nosso caráter . Aqueles que souberam equalizar vida exterior e interior quando no auge da saúde, compreendem melhor a cura do corpo e da alma. Quem adoeceu e sarou muitas vezes, identifica com clareza o maior prazer que a saúde lhe proporciona, do que as pessoas que são sadias durante a maior parte de sua existência. Os sentidos se aguçam e sabem distinguir em si e nos outros tudo o que é sadio ou mórbido.

O domínio da vontade, o ato de desejar coisas que retorna após o término da dor física pode ser a volta da perturbação, quando se estava entregue àquela sensação de cansaço, de não se importar com mais nada. Desejar de novo, todavia, é o sintoma da convalescença e da cura.

Comentários

  1. Penso que desejar já é sintoma de dor.

    ResponderExcluir
  2. Olá Rackel!Seu Blog está cada vez mais bonito e cultural,parabéns pelas maravilhosas postagens,arte e bom gosto!Desejo a você muita luz,sonhos e realizações sempre!Beijos,amiga!!!

    ResponderExcluir
  3. Não deixa de ser um sintoma, Paulo. Obrigada por prestigiar meus textos.

    ResponderExcluir
  4. Ana, querida, tua generosidade me encanta. Obrigada por tua carinhosa presença.

    ResponderExcluir
  5. Oi Rackel, é sempre muito bom vir aqui, seus textos são muito bons. Lembro que uma vez conversamos sobre grupos de poesias, conheça os blogs dos que participo aqui.
    http://po-de-poesia.blogspot.com
    www.myspace.com/gambiarraprofana

    Nos apresentamos em centro culturais, escolas, etc.Temos outros grupos aqui na região e você sabe, sobrevivemos por nós mesmos.

    Tudo de bom pra voce.Beijos

    ResponderExcluir
  6. Obrigada, Arnoldo, por tua presença e comentários. Vou conhecer os blogs que mencionas aqui, sim. Admiro muito o teu trabalho.

    Abraço fraterno.

    ResponderExcluir
  7. Olá Rackel, como sempre muito gratificante ler teus textos.
    Ah, a dor. Ainda penso que a dor maior é a que sofremos por antecedência. Ansiedade, angustia...
    Bjs
    Grande abraço
    Sucesso sempre.
    Nadilce Beattriz

    ResponderExcluir
  8. Tens razão, Nadi. Ansiedade e angústia são as dores que nos impingimos e se fazem de nossas companheiras diturnas.
    Obrigada por tua presença e comentário
    Abraço fraterno

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Por favor, deixe aqui sua opinião sobre o texto.

Postagens mais visitadas deste blog

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009 Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto "Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras fo

A arte de escrever Sonetos

Texto de Paola Rhoden, publicado no site Autores.com em 05 de novembro de 2009 Em primeiro lugar, não se ensina um poeta a escrever. Ele tira da alma o que sua mão escreve. Porém, a tarefa de escrever um soneto, uma obra considerada pelos intelectuais de símbolo da poesia, não é fácil. Não é fácil porque aqueles que cultuam essa técnica, não arredam pé de que é essencial para um soneto seguir as regras. Mas, para quem gosta e quer seguir por esta árdua estrada, abaixo seguem algumas delas: Um soneto é uma obra curta que transmite uma idéia completa. Para se escrever um soneto perfeito, ou clássico, como é chamado pelos profissionais de literatura, deve seguir as regras mundialmente utilizadas, que são: métrica, ritmo e rima. Um soneto clássico é formado por quatorze (14) versos decassílabos, dispostos em quatro estrofes, da seguinte maneira: a) dois quartetos ( ou quadras ); b) dois tercetos ( ou terças); c) a métrica deve seguir as normas. Cada um dos 14 versos deve ser decassíla

Jogo de Palavras

Dizer que foi o receptor da comunicação quem se equivocou é uma atitude cômoda para o emissor, porém arriscada, já que a conversa pode se encerrar por ali. Quando lançamos mão do tradicional “você é que não me entendeu”, estamos transferindo para o outro a responsabilidade pelo equívoco que nós mesmos provocamos. Na prática, a nossa atitude em si é arrogante, pois não admite a possibilidade de erro e ainda por cima se exime das conseqüências, como se fôssemos donos da verdade e só a nossa versão é que contasse. Seria muito mais humilde e receptivo trocar a mensagem por “eu não me fiz entender”. Acalma o interlocutor e de quebra nos dá fôlego para uma segunda chance. Ocorre que na maioria das vezes nos utilizamos dessa tática com a melhor das intenções e com o honesto propósito de esclarecer a idéia que queríamos transmitir. Como a resposta vem de imediato à nossa mente, estamos convictos que esta forma de se expressar é correta e tanto cremos nisso que a reação é automática e não en