Pular para o conteúdo principal

Gurus


Gurus estão na moda no universo profissional, mesmo que o adepto esteja bem no trabalho, mas sente que precisa de algo mais para crescer que não consegue achar em si próprio. É a senha para que entre em cena o guru. E não é só aquele que ministra palestras motivacionais, mas o que está ali do lado, no ambiente de serviço mesmo. É que no fundo, precisamos de referências para saber por onde seguir e buscamos isso nos outros. Às vezes nem conhecemos pessoalmente alguém, mas gostamos dessa ou daquela característica dela. Podemos discordar em alguns pontos ou mesmo acreditar em tudo que diz, mas é quem nos passa a sensação de “um dia quero ser tão bom(boa) quanto ele(a)”...Pronto, criamos o guru, que pode ser para o campo pessoal, profissional ou religioso.
Alcançando o que pretendemos com determinado modelo, temos a sensação de estar no caminho certo. Todavia, corremos o risco de iniciar o círculo vicioso de mal superarmos um mestre, já nos submetermos a outro. Deixamo-nos convencer por idéias alheias, embora pareçam sob medida para resolver um problema imediato que temos. Sem maiores reflexões se aquele princípio é viável de acordo com as nossas crenças ou modo de vida, somos sob certos aspectos inexperientes ou estamos sob cochilo mental ao adotar a primeira idéia que vislumbramos genial. Apressadamente permitimos o roubo das nossas idéias, o que não quer dizer que sejamos tolos, mal intencionados ou que isto ocorra quando se é jovem. Acontece com qualquer um e independe do grau de instrução ou mesmo das boas intenções.
No auge das carências não fugimos do incomum, o impulso fala mais forte, não nos deixando perceber a intenção dos outros permitindo que nos subtraiam o que é significativo, nosso tesouro interno, enfraquecendo o sentido de identidade. Pode ser uma interferência ou interrupção de algo que nos é vital, como esperança, crença na bondade e vem de onde menos esperamos. O entusiasmo ofusca uma leitura mais racional do cenário. O afã de encontrar um caminho nos faz ingênuos. A percepção falha quanto às motivações dos outros e nos torna inexperientes em projetar o futuro, perceber todas as pistas do ambiente, já que o destino nos proporciona lições ocultas não apreendidas numa análise superficial.
Aqueles a quem seguimos podem não ter completado o seu processo de aprendizado. Muitas vezes, ditos gurus, ao propagar suas idéias, estão em processo de convencimento, não maduros o suficiente para saber como prosseguir. Se sua iniciação no assunto está incompleta, vão nos omitir variáveis importantes ainda não dominadas, causando estragos em seus adeptos. Na prática trata-se de uma idéia já inicialmente fragmentada e por isso contaminada de uma forma ou de outra.
No outro extremo, quem passou pela experiência do furto das idéias, luta por ter maior domínio da situação, mas desnorteou-se e ignorando outros aspectos a serem observados completar o aprendizado, voltam ao primeiro estágio, o de ser submetido ao roubo, repetidas vezes. A certeza de nossos valores pode ser a forma de nos mantermos inteiros, sem se fechar para o ato de aprender. Quem ensina ainda não sabe tudo. Substituir o conhecimento que já incorporamos, pelo de outrem tem um custo para nós. Não é o que perdemos, mas é um cheque a descoberto, que contaminou nossas crenças e não depositou nenhuma certeza em troca.
É possível fazer do aprendizado um referencial que não descartamos, simplesmente. Apenas acumulamos, agradecemos os ensinamentos, mesmo que seja só pelo exemplo dado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CAÇA AO PALMEIRA

Vai ser difícil outro mês tão memorável quanto está sendo esse aqui na cidade das belezas naturais. Sabe quando a população inteira adere ao monoassunto? Pois é o que acontece nesses meados de fevereiro. Por uma semana todo mundo só fala da mesma coisa: os artistas estão entre nós. O melhor hotel da cidade foi contratado de porteira fechada para abrigar a constelação global que irá ocupar as telinhas no horário das nove a partir de maio. Nívea Maria foi a abre alas. E não é que o primeiro lugar que ela visitou por aqui foi o Cine Teatro Ideal? Artista deve ser atraído por esses locais, afinal, o prédio onde hoje é uma farmácia, já foi supermercado, cinema e teatro. Sim, na primeira década do século XX Jaguari já tinha iluminação pública, banda de música, jornal e teatro. Por aqui fervilhava uma atividade cultural intensa para os padrões da época. Coisa que se perpetuou até nossos dias. Que o digam o Festival de Música Nativista “O Grito de Jaguari”, o carnaval mais famoso da região…

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009
Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto
"Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras formando um som …

PARCEIROS DO JAGUARI

A adolescente boia em descanso após atravessar o rio a nado. Esquadrinha o céu límpido à procura de nuvens naquele início de tarde. A água tépida de verão lhe acaricia o dorso. – Vem, Luti, vem! Convida o enorme cão preto – porte indicando alguma nobreza – que se mantém inabalável, olhos fixos no rio. Ele está com preguiça hoje, ela pensa. Vira momentaneamente o rosto para a margem, vê o cachorro levantar uma das patas dianteiras em direção às orelhas. Espantando as moscas, imagina. Ele era assim, feito gente, cheio de manias, aquele seu companheiro. Não pode contar com o Luti hoje. A mocinha flutua no rio, íntima dele desde a infância. Distraída, embala-se nas águas, o corpo inicia um giro, alheio ao seu comando. No começo, devagar, depois, o ritmo aumenta, levando-a para outra parte onde o cálido é substituído pelo frio. O choque térmico lhe aguça os sentidos, percebe a água em círculos sob ela, a aragem, seguida de um farfalhar; a lembrança de frio percorrendo o corpo quente até …