Pular para o conteúdo principal

Eu Não Choro



Eu não chorei quando a personagem Camila cortou os cabelos naquela antiga novela da TV Globo, por estar com leucemia. Por mais que a atriz Carolina Dieckmann tenha se esforçado em dar realismo à cena, as lágrimas não saíram.


A tradução do cotidiano para filmes, novelas, provoca empatia na maioria de nós. O desejo ou o medo de estar no lugar do personagem, leva-nos a indagar se o que se passa na tela não seria o retrato do que poderia acontecer conosco.

Adoro filme em que o mocinho não morre no final. Não vi “Coração Valente” até hoje, apesar de eu saber que é uma história e tanto. Mas como eu sei que tem cenas de violência, me nego a ver. Exatamente pela possibilidade do que está na tela ser o que de fato ocorreu ou até pior.

Confrontar-se com a dureza da realidade é um desafio que poucos suportam, mas que invariavelmente nos contaminam. Comodismo, negação? Pode ser. Fechar os olhos como se nada tivesse acontecendo pode não ser a melhor tática. Mas entre a alienação e envolver-se desnecessariamente com algo que vai mais me deprimir que ajudar, eu fico com a primeira opção.

Talvez o impacto visual me incomode; o meio escrito ainda me é mais amigável, mesmo sabendo que a imaginação pode nos criar imagens muito mais tenebrosas que as do cinema, se nos fixarmos na parte triste da história, já que este é o que tende a ficar gravado na memória.

Mesmo assim, consegui resistir e li até o fim “Vigiar e Punir”, do Michel Foucault, por crer conhecendo o universo das prisões, das penas, da disciplina, me ajudaria a entender o ser humano; embora seja uma leitura difícil, exceto para profissionais do direito ou afins.

Eu não choro quando um filho se machuca, porque ele precisa de mim consciente e lúcida. Uma vez acontecido, meu papel é cuidar para que ele tenha a assistência tempestiva e adequada. Eu não choro em velório de quem eu não tenha afinidade. Mas eu choro, sim, com gente alcançando objetivos, com movimentos de massa, com caminhões buzinando no desfile do dia do Colono e Motorista pelas ruas de Três Passos, mas ao vivo e a cores.


Mas ainda não consegui chorar com injustiça e incompreensão. Elas só me provocam um bolo na garganta. Talvez, porque de imediato me desencadeiem sensação de impotência.

Comentários

  1. Tem selos de presente pra você no meu blog, passe lá e pegue quantos desejar
    HTTP://ventosnaprimavera.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Choro, Rackel, quando ouço o grito de dor de cão atropelado, ou sendo espancado. Geralmente nada posso fazer.
    Não sei ao certo para onde a humanidade está caminhando, tenho muitas dúvidas. Só tenho a certeza que estamos nesta caravana, e acho que ainda vamos chorar de fato, quando não pudermos mais ver tanta banalidade para com a vida.
    Bjs em teu terno coração.
    Nadilce Beatriz (Nadi).

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Por favor, deixe aqui sua opinião sobre o texto.

Postagens mais visitadas deste blog

CAÇA AO PALMEIRA

Vai ser difícil outro mês tão memorável quanto está sendo esse aqui na cidade das belezas naturais. Sabe quando a população inteira adere ao monoassunto? Pois é o que acontece nesses meados de fevereiro. Por uma semana todo mundo só fala da mesma coisa: os artistas estão entre nós. O melhor hotel da cidade foi contratado de porteira fechada para abrigar a constelação global que irá ocupar as telinhas no horário das nove a partir de maio. Nívea Maria foi a abre alas. E não é que o primeiro lugar que ela visitou por aqui foi o Cine Teatro Ideal? Artista deve ser atraído por esses locais, afinal, o prédio onde hoje é uma farmácia, já foi supermercado, cinema e teatro. Sim, na primeira década do século XX Jaguari já tinha iluminação pública, banda de música, jornal e teatro. Por aqui fervilhava uma atividade cultural intensa para os padrões da época. Coisa que se perpetuou até nossos dias. Que o digam o Festival de Música Nativista “O Grito de Jaguari”, o carnaval mais famoso da região…

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009
Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto
"Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras formando um som …

PARCEIROS DO JAGUARI

A adolescente boia em descanso após atravessar o rio a nado. Esquadrinha o céu límpido à procura de nuvens naquele início de tarde. A água tépida de verão lhe acaricia o dorso. – Vem, Luti, vem! Convida o enorme cão preto – porte indicando alguma nobreza – que se mantém inabalável, olhos fixos no rio. Ele está com preguiça hoje, ela pensa. Vira momentaneamente o rosto para a margem, vê o cachorro levantar uma das patas dianteiras em direção às orelhas. Espantando as moscas, imagina. Ele era assim, feito gente, cheio de manias, aquele seu companheiro. Não pode contar com o Luti hoje. A mocinha flutua no rio, íntima dele desde a infância. Distraída, embala-se nas águas, o corpo inicia um giro, alheio ao seu comando. No começo, devagar, depois, o ritmo aumenta, levando-a para outra parte onde o cálido é substituído pelo frio. O choque térmico lhe aguça os sentidos, percebe a água em círculos sob ela, a aragem, seguida de um farfalhar; a lembrança de frio percorrendo o corpo quente até …