Pular para o conteúdo principal

Indecifrável

Temos certa dificuldade em desvendar aqueles que “tem uns quantos por dentro”. Embora uma personalidade ás vezes se sobressaia ante as outras, as múltiplas facetas que este tipo de pessoa nos proporciona nos fascina e atordoa do mesmo tempo. São os indecifráveis a olhos incautos, cuja leitura limita-se ao que está sendo verbalizado e assim não se preocupa ou não, se desenvolveu pensamentos para entender as mensagens subliminares.

Adequar-se ao interlocutor é antes de tudo é uma forma de respeito. Toda profissão tem o seu vocabulário próprio. Cada ocasião também. Para o pensador polonês Zygmunt Baumann, os valores da sociedade ocidental dissolvem-se, cerceando a tolerância e o relacionamento. É o que Baumann denomina “era de liquidez”. Princípios diluídos na rapidez das mudanças. Em comum restou-nos a incapacidade de relacionarmo-nos com o outro de maneira plena, com respeito ao que cada um de nós tem de singular e subjetivo. A tendência é atribuir valor à figura do outro da maneira que ela se apresenta diante de nós e não nela mesma.

O avanço tecnológico dinamizou o tempo para que o aproveitássemos em atividades mais prazerosas. Porém, o uso adequado do nosso tempo não aconteceu. Ao invés de nos direcionarmos para atividades ampliadoras da nossa possibilidade de agir, tornando-nos mais criativos e solidários, paralelo ao desenvolvimento material nos diluímos enquanto seres humanos. Interagimos com outras pessoas somente naquilo que nos proporcionar vantagens imediatas.

“Se não posso me separar do meu tempo, que eu seja carne e unha com ele”, escreveu o argelino Albert Camus, filósofo preocupado em pensar os profundos e cotidianos problemas da existência. Para Camus, “verdade é tudo o que continua. Há uma época de viver e uma de testemunhar. É preciso escolher entre a contemplação e a ação. Chama-se a isto, tornar-se um homem. Homens que compreendem a existência humana do homem comum, que quer ser feliz e se interroga, têm como atitude essencial a lucidez. O tempo caminha com eles e eles não se separam do tempo. Levam-no para a sua vida.”

Quem se alia ao tempo na nossa era pós-moderna não limita suas experiências existenciais ao que julga conveniente, mediante critérios escusos de avaliação, onde a incapacidade de convivência com as diferenças é acobertada com preceitos politicamente corretos. Demonstramos adesão a princípios de responsabilidade social, mas por dentro mantemo-nos intolerantes, onde a perseverança nos nobres propósitos cai por terra no primeiro ato de desagravo que sofremos. Medo de exclusão, da proximidade com o outro pela visão distorcida que fazemos dele, medo de sermos deixados para trás.

Sabemos das nossas limitações, mas se somos o senhor do nosso tempo e caminhamos lado a lado com ele, sabemos que rumo seguir. Não importa a linguagem diferente em cada situação, as mensagens serão percebidas. Quem estiver sintonizado conosco saberá distinguir a farsa do politicamente correto da atitude de respeito pelo outro. Não seremos enigmas. Para entender que o nosso recado não é só feito de palavras, não é imprescindível que o outro seja intelectual, tenha instrução formal, seja do mesmo nível sócio-econômico. Quem tem princípios, enxerga a sinceridade implícita mesmo numa atitude dura. Basta a mente aberta e o espírito ainda não entorpecido pelos conceitos de sociedade líquida

Para finalizar, Citamos o Serginho Moah, que tem 46 anos e um amigo com a mesma idade do vocalista do Papas na Língua. O público do Serginho são os filhos do seu amigo, que também se identifica, adora as canções, ouvindo-as constantemente. Isto para dizer que não existe tempo de uns e outros, tempo disso ou daquilo. Existem homens e mulheres guardiões da linha do tempo e que por isso não envelhecem. Porque não há velhice, vida adulta ou infância. Não há essa dicotomia. Há vida, simplesmente.

Referências:
Tempos Líquidos - Zigmunt Baumann - Zahar Editores- 2007
Filosofia Ciência & Vida - Ano II - nr. 21 - Editora Escala

Comentários

  1. Lendo teu artigo, lembrei-me do conto O Medalhão de Machado de Assis. Não vá fundo em nada, não se comprometa, aja baseado em máximas porque o artifício causa mais espécie que a autenticidade.

    ResponderExcluir
  2. Pois é, Paulo. Dói, mas tua constatação é verdadeira. Artifícios são a maneira pela qual nossas máscaras são substituídas, conforme a ocasião o exigir. Obrigada pela compreensão e presença.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Por favor, deixe aqui sua opinião sobre o texto.

Postagens mais visitadas deste blog

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009 Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto "Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras fo

A arte de escrever Sonetos

Texto de Paola Rhoden, publicado no site Autores.com em 05 de novembro de 2009 Em primeiro lugar, não se ensina um poeta a escrever. Ele tira da alma o que sua mão escreve. Porém, a tarefa de escrever um soneto, uma obra considerada pelos intelectuais de símbolo da poesia, não é fácil. Não é fácil porque aqueles que cultuam essa técnica, não arredam pé de que é essencial para um soneto seguir as regras. Mas, para quem gosta e quer seguir por esta árdua estrada, abaixo seguem algumas delas: Um soneto é uma obra curta que transmite uma idéia completa. Para se escrever um soneto perfeito, ou clássico, como é chamado pelos profissionais de literatura, deve seguir as regras mundialmente utilizadas, que são: métrica, ritmo e rima. Um soneto clássico é formado por quatorze (14) versos decassílabos, dispostos em quatro estrofes, da seguinte maneira: a) dois quartetos ( ou quadras ); b) dois tercetos ( ou terças); c) a métrica deve seguir as normas. Cada um dos 14 versos deve ser decassíla

Jogo de Palavras

Dizer que foi o receptor da comunicação quem se equivocou é uma atitude cômoda para o emissor, porém arriscada, já que a conversa pode se encerrar por ali. Quando lançamos mão do tradicional “você é que não me entendeu”, estamos transferindo para o outro a responsabilidade pelo equívoco que nós mesmos provocamos. Na prática, a nossa atitude em si é arrogante, pois não admite a possibilidade de erro e ainda por cima se exime das conseqüências, como se fôssemos donos da verdade e só a nossa versão é que contasse. Seria muito mais humilde e receptivo trocar a mensagem por “eu não me fiz entender”. Acalma o interlocutor e de quebra nos dá fôlego para uma segunda chance. Ocorre que na maioria das vezes nos utilizamos dessa tática com a melhor das intenções e com o honesto propósito de esclarecer a idéia que queríamos transmitir. Como a resposta vem de imediato à nossa mente, estamos convictos que esta forma de se expressar é correta e tanto cremos nisso que a reação é automática e não en