Pular para o conteúdo principal

A Outra Face do Gênio



Tchaikovski aproveitou a peste que se alastrava pela Europa e tomou água contaminada, vindo a morrer de cólera. Filho de família tradicional, expert da música, teve uma vida até certo ponto normal. Casou-se, inclusive. Tudo bem se não tivesse um detalhe. Ele era homossexual e o casamento foi só para atender as convenções da sociedade, vindo a suicidar-se – embora indiretamente - quando não agüentou mais conviver com a situação.
É difícil encontrar entre aqueles ditos gênios, quem consiga equilibrar a genialidade nos diversos campos do conhecimento – seja música, ciência, escrita – com os padrões de comportamento que a convivência social exige. Trocando em miúdos, não é sempre que alguém com elevada capacidade mental criadora é sinônimo de bom pai, bom marido ou a nora que pedimos a Deus.
Gênios são espíritos iluminados, com energia direcionada ao processo criativo, maior foco de prazer também. Não entendem como isso não é percebido pelos outros mortais, indiferentes à importância do problema que ele busca solucionar. O direcionamento são os obstáculos a serem superados para se extrair a essência da arte, da ciência.
Há exemplos de quem consegue ser múltiplo. Johann Sebastian Bach teve 23 filhos. Morreram alguns, claro. Na época dele, passar dos dez anos de idade já era um feito e tanto. Ele sustentou sua família direitinho, viveu da música e ainda deixou dois bons músicos entre a prole. O Bach Filho e o Christian, ambos reconhecidos no meio musical por possuírem tanto talento quanto o pai. Talvez não com tanto ibope, porque a obra excepcional do velho Bach os ofuscou um pouco.
Diante disso, quem se habilita a um geniozinho? É fácil gostar do escritor, do cientista, do médico, do profissional espelho na sua área. Convenhamos. O companheiro das melhores mentes tem que ter um desprendimento de si muito grande para viver à sombra do outro. E nem precisa ser o virtuose de sua área. Basta olharmos ao lado, nas nossas cidades, quantas mulheres fazem das tripas o coração para viver à sombra dos bons profissionais, não raro, à custa de sufocar a genialidade latente que elas também possuem. Sorte que a medida da genialidade não é tão grande assim, a habilidade para a convivência vai aumentando também. J. S. Bach está aí para nos mostrar que é possível ser um ser humano completo, inclusive na outra face.


Comentários

  1. Outro dia li, não lembro mais onde, que quando vc se dedica inteiramente a uma coisa, acaba negligenciando as demais. Mas existem gênios multitalentos, principalmente entre as mulheres dona de casa-trabalhadoras-mães-esposas-filhas-amigas, as multimulheres, e digo isto sem qualquer tentativa de puxar o saco de quem quer que seja. Podem às vezes não chegar a criar obras imortais, comentadas e expostas em bibliotecas e museus mas, são absolutamente inesquecíveis por sua abnegada devoção a este ofício tão mal compreendido.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Laurindo, por tua manifestação e compreensão. Abraço fraterno.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Por favor, deixe aqui sua opinião sobre o texto.

Postagens mais visitadas deste blog

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009 Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto "Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras fo

A arte de escrever Sonetos

Texto de Paola Rhoden, publicado no site Autores.com em 05 de novembro de 2009 Em primeiro lugar, não se ensina um poeta a escrever. Ele tira da alma o que sua mão escreve. Porém, a tarefa de escrever um soneto, uma obra considerada pelos intelectuais de símbolo da poesia, não é fácil. Não é fácil porque aqueles que cultuam essa técnica, não arredam pé de que é essencial para um soneto seguir as regras. Mas, para quem gosta e quer seguir por esta árdua estrada, abaixo seguem algumas delas: Um soneto é uma obra curta que transmite uma idéia completa. Para se escrever um soneto perfeito, ou clássico, como é chamado pelos profissionais de literatura, deve seguir as regras mundialmente utilizadas, que são: métrica, ritmo e rima. Um soneto clássico é formado por quatorze (14) versos decassílabos, dispostos em quatro estrofes, da seguinte maneira: a) dois quartetos ( ou quadras ); b) dois tercetos ( ou terças); c) a métrica deve seguir as normas. Cada um dos 14 versos deve ser decassíla

Jogo de Palavras

Dizer que foi o receptor da comunicação quem se equivocou é uma atitude cômoda para o emissor, porém arriscada, já que a conversa pode se encerrar por ali. Quando lançamos mão do tradicional “você é que não me entendeu”, estamos transferindo para o outro a responsabilidade pelo equívoco que nós mesmos provocamos. Na prática, a nossa atitude em si é arrogante, pois não admite a possibilidade de erro e ainda por cima se exime das conseqüências, como se fôssemos donos da verdade e só a nossa versão é que contasse. Seria muito mais humilde e receptivo trocar a mensagem por “eu não me fiz entender”. Acalma o interlocutor e de quebra nos dá fôlego para uma segunda chance. Ocorre que na maioria das vezes nos utilizamos dessa tática com a melhor das intenções e com o honesto propósito de esclarecer a idéia que queríamos transmitir. Como a resposta vem de imediato à nossa mente, estamos convictos que esta forma de se expressar é correta e tanto cremos nisso que a reação é automática e não en