Pular para o conteúdo principal

Serventia


Nossa sociedade contemporânea consolidou os clichês para ratificar o que queremos encerrar peremptoriamente, dar um veredito, sem comportar maiores elucubrações. São armadilhas que lançamos mão num ímpeto de explicar qualquer coisa que apareça e para a qual não tenhamos tempo para um raciocínio mais amplo ou até por incapacidade mental nossa de fazê-lo.
Fruto da nossa ignorância, toma corpo o descarte de tudo aquilo que não enxergamos aplicação imediata. Sinônimo também da impaciência característica dos nossos dias. Só nos serve o que é instantâneo, centrado no que está acontecendo agora e que precisa obrigatoriamente servir para alguam finalidade. Qualquer raciocínio um pouco mais complexo é doideira do interlocutor. O que serve é o aqui e agora.
Na visão utiliária e imediatista há todo um culto ao presente. Passado e futuro perderam a importância e nós a capacidade de rever atos e pensar adiante. As tecnologias digitais forçam o uso do real-time (que também poderiamos traduzir por sincronia) e a medida de valor é a do presente. O On-line não admite ruídos, chiados de rádio ou mal entendidos. É proibida a pausa para o raciocínio. Só vale o que é útil e o uso de clichês. Taxa-se de prolixo, quando na verdade se quer apenas raciocinar e entender o contexto. Há momentos em que mesmo o ruído, o insólito, o aparentemente inútil é necessário para renovar processos, trazer idéias inovadoras e fugir da pasteurização e da mesmice.
Na arte, também não vemos finalidade utilitária, aquilo que Kant chamou de “finalidades sem fim”, Ou seja, “o objeto belo tem a forma da finalidade – achamos que ele é o que devia ser – e, no entanto, não tem fim determinado, pois não nos é possível determinar o que é que devia ser”. Mas nem por isso nos privamos do despertar dos sentidos. O ser humano reage às interações com corpo e mente. Não há resposta isolada e cada um de nós necessita da sua porção de belo, respeitado o nível de entendimento de cada um. Não há como prescindir do necessário á sobrevivência, mesmo que num primeiro momento não identifiquemos onde isso vai dar.
Quando um aluno rejeita informações que não estão dentro do seu leque de interesse, alimenta a pergunta fatídica: “Para que serve isto mesmo?”. Só que ele está repetindo um hábito que é da nossa sociedade como um todo: o conceito arraigado da utilidade das coisas. O Sistema Educacional, por sua vez, cansado de ouvir isto do seu público alvo, se deixa levar pelo útil, alimentando no aluno a predisposição à raiva contra qualquer linha de pensamento que lhe busque ensinar um mínimo de como fazer bem determinada atividade, induzindo-o com algumas técnicas de pensar criativamente.
Toda Filosofia é pensamento, mas nem todo pensamento é Filosofia, diz o filósofo e poeta Antônio Cícero em entrevista à revista Ciência e Vida Filosofia, nr. 25. E se definimos Filosofia como o pensamento abstrato e incisivo, aparentemente é inútil dentro do contexto do utilitarismo. Porquê então torná-la matéria do ensino médio? Mas é sobretudo por ser um pensamento crítico e radical, que a Filosofia pode e deve instrumentar nossos jovens a questionar pressupostos vigentes e fazê-los pensar de forma autônoma.
Tempos pragmáticos, estes nossos, onde a velocidade da informação impõe uma urgência que pode até ser benéfica no presente, mas que foca apenas no ato em si e se esquece do desenvolvimento da capacidade de pensar, o que é prejudicial a longo prazo. Ainda há tempo para não nos reduzirmos a meros repetidores de clichês impostos pela mídia, pela política, onde o fast-food intelectual é absorvido por nós sem que percebamos. O que não nos absolve do pecado da conivência.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009 Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto "Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras fo

A arte de escrever Sonetos

Texto de Paola Rhoden, publicado no site Autores.com em 05 de novembro de 2009 Em primeiro lugar, não se ensina um poeta a escrever. Ele tira da alma o que sua mão escreve. Porém, a tarefa de escrever um soneto, uma obra considerada pelos intelectuais de símbolo da poesia, não é fácil. Não é fácil porque aqueles que cultuam essa técnica, não arredam pé de que é essencial para um soneto seguir as regras. Mas, para quem gosta e quer seguir por esta árdua estrada, abaixo seguem algumas delas: Um soneto é uma obra curta que transmite uma idéia completa. Para se escrever um soneto perfeito, ou clássico, como é chamado pelos profissionais de literatura, deve seguir as regras mundialmente utilizadas, que são: métrica, ritmo e rima. Um soneto clássico é formado por quatorze (14) versos decassílabos, dispostos em quatro estrofes, da seguinte maneira: a) dois quartetos ( ou quadras ); b) dois tercetos ( ou terças); c) a métrica deve seguir as normas. Cada um dos 14 versos deve ser decassíla

Jogo de Palavras

Dizer que foi o receptor da comunicação quem se equivocou é uma atitude cômoda para o emissor, porém arriscada, já que a conversa pode se encerrar por ali. Quando lançamos mão do tradicional “você é que não me entendeu”, estamos transferindo para o outro a responsabilidade pelo equívoco que nós mesmos provocamos. Na prática, a nossa atitude em si é arrogante, pois não admite a possibilidade de erro e ainda por cima se exime das conseqüências, como se fôssemos donos da verdade e só a nossa versão é que contasse. Seria muito mais humilde e receptivo trocar a mensagem por “eu não me fiz entender”. Acalma o interlocutor e de quebra nos dá fôlego para uma segunda chance. Ocorre que na maioria das vezes nos utilizamos dessa tática com a melhor das intenções e com o honesto propósito de esclarecer a idéia que queríamos transmitir. Como a resposta vem de imediato à nossa mente, estamos convictos que esta forma de se expressar é correta e tanto cremos nisso que a reação é automática e não en