Pular para o conteúdo principal

No olho do furacão


Heráclito dizia que nada é permanente, exceto a mudança. E o que falar então de um mundo onde a velocidade da comunicação faz com que o morador da barranca do Uruguai, com uma parabólica espetada, saiba que houve queda nas bolsas de Kuala Lumpur na Malásia, há poucos minutos? Ele visualiza, presencia os fatos em tempo real.

Mas será que é mesmo assim? O que buscamos para a nossa vida seja no sentido material, filosófico, religioso ou qualquer coisa que o valha é exatamente a constância. Pois é. Hoje estamos que nem cachorro tentando morder o rabo. Buscamos a estabilidade e para alcançá-la vivemos correndo atrás dela, sempre parecendo que quanto mais próxima está, mais ela se esvai.

O que seria deste nosso planeta se ele não estivesse estável nos eixos, naquele eterno movimento de rotação e translação, como nos ensinaram nos bancos escolares?

Aquecem ou esfriam as águas do Oceano Pacífico e lá vem El Nino ou La Nina tirar o nosso ao provocar a instabilidade do clima e coloca toda a nossa lavoura, feita a duras penas a perder.

Dizer que o universo funciona por princípios de lei e ordem transparece imperativo, dogma de alguma seita. Mas não é. Para se manter a normalidade está cada vez mais difícil seja nas oscilações dos fenômenos da natureza ou na nossa vida. Não está fácil preservar o emprego. Procurar emprego então, nem se fala. Eles existem, mas estão nos exigindo sempre mais, cobrando-nos mudança de atitudes, aprendizados adicionais.

Pode ser que a rede de comunicação global nos fez ficar muito perto dos fatos. Sabemos instantaneamente quem quebrou e os donos do chamado capital flutuante correm com o dinheiro de um lado para outro em questão de minutos. Tudo à procura de maiores lucros e menores riscos, indiferentes se quebram países, desvalorizem moedas, atrapalhem a vida dos que querem sair da crise e crescer o mais rápido possível.

Não acreditamos que a mudança seja algo assim, simplista. Mas que parece que alguém colocou o pé no acelerador da humanidade está obrigando-nos a andar mais rápido, ah, isto parece. E ai de nós que ficarmos para trás. Não há jeito. Temos que correr junto.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009 Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto "Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras fo

A arte de escrever Sonetos

Texto de Paola Rhoden, publicado no site Autores.com em 05 de novembro de 2009 Em primeiro lugar, não se ensina um poeta a escrever. Ele tira da alma o que sua mão escreve. Porém, a tarefa de escrever um soneto, uma obra considerada pelos intelectuais de símbolo da poesia, não é fácil. Não é fácil porque aqueles que cultuam essa técnica, não arredam pé de que é essencial para um soneto seguir as regras. Mas, para quem gosta e quer seguir por esta árdua estrada, abaixo seguem algumas delas: Um soneto é uma obra curta que transmite uma idéia completa. Para se escrever um soneto perfeito, ou clássico, como é chamado pelos profissionais de literatura, deve seguir as regras mundialmente utilizadas, que são: métrica, ritmo e rima. Um soneto clássico é formado por quatorze (14) versos decassílabos, dispostos em quatro estrofes, da seguinte maneira: a) dois quartetos ( ou quadras ); b) dois tercetos ( ou terças); c) a métrica deve seguir as normas. Cada um dos 14 versos deve ser decassíla

Jogo de Palavras

Dizer que foi o receptor da comunicação quem se equivocou é uma atitude cômoda para o emissor, porém arriscada, já que a conversa pode se encerrar por ali. Quando lançamos mão do tradicional “você é que não me entendeu”, estamos transferindo para o outro a responsabilidade pelo equívoco que nós mesmos provocamos. Na prática, a nossa atitude em si é arrogante, pois não admite a possibilidade de erro e ainda por cima se exime das conseqüências, como se fôssemos donos da verdade e só a nossa versão é que contasse. Seria muito mais humilde e receptivo trocar a mensagem por “eu não me fiz entender”. Acalma o interlocutor e de quebra nos dá fôlego para uma segunda chance. Ocorre que na maioria das vezes nos utilizamos dessa tática com a melhor das intenções e com o honesto propósito de esclarecer a idéia que queríamos transmitir. Como a resposta vem de imediato à nossa mente, estamos convictos que esta forma de se expressar é correta e tanto cremos nisso que a reação é automática e não en