Pular para o conteúdo principal

Pena é um sentimento dispensável


Alguém passa à frente de um lar de idosos numa manhã de outono. Alguns conversam, mas a maioria está calada, olhar distante, como se fitasse o infinito. Esta aparente desconexão com o mundo leva quem passa a dizer "coitados!". A cena se repete com frequência e alguns dos internos já não querem mais tomar o banho de sol ali na frente. Uns pouco escutam, outros não enxergam direito e muitos cuja dificuldade é a locomoção, preservam os sentidos em dia e são os que se aos poucos se recolhem ao fundo do pátio. "Coitado, uma ova", revelam-nos depois. "Eu estou muito bem aqui. Não preciso da pena de ninguém". Velhos todos seremos e mais dia menos dia alguma função do corpo, vital ou não irá se degenerar, mas isso não é motivo para se fazer de vítima. O papel de vítima é confortável, embora como tudo na vida tenhamos que pagar um preço por ele. É louvável o arroubo de dignidade em não se prestar a tal papel.

As dificuldades físicas são um prato cheio para a acomodação. É a desculpa perfeita para justificar o desejo que os outros tenham peninha de nós. Qualquer um reage diante do sentimento de pena. Não gostamos de nos sentir um traste inservível. O resgate da dignidade se impõe ante a simples menção de que estamos sendo incapazes de resolver sozinhos alguma situação ou tomar determinadas atitudes. Queremos igualdade na restrição. Ainda que tolhidos por doença, idade, dificuldade de enfrentamento das situações, não abrimos mão do direito de escolha quando nos convém mostrar-nos excluídos.

A auto-exclusão é uma resposta àquela que o meio nos impõe por estarmos fora do padrão, um recurso que usamos quando alguém quer que façamos algo por ele mas que para realizá-lo precisamos lançar mão de algum sacrifício. Esta demanda de força extra torna o ato não-natural, deixando de ser espontâneo aquilo que fazemos com algum dano físico ou emocional a nós. É claro que nada se faz seja em proveito próprio ou de terceiros que não vá gerar uma carga de vontade ou de trabalho e em consequência, esforço. Mas gastar nossa reserva de energia ou contrariar nossa vontade em prol de outros, quando até para nós mesmos iríamos pensar duas vezes antes de se empenhar, já é demais.

Por mais que se tente o altruismo, sempre se cobra algo em troca seja em que "moeda" for. Assim, faz parte do treino para o NÃO, evitar auto impingir-nos posturas que fomos "convencidos" a adotar. É até perdoável promover a auto-exclusão em benefício próprio, baseado em uma dificuldade real de atender a determinados pedidos. Difícil é caracterizar a limitação das pessoas. Ou ela é ostensiva ou seu portador é um coitadinho e não se pode esperar nada.

Não é difícil perceber quando alguém está se esforçando para fazer o "seu" melhor e não custa valorizar sem apelar para a piedade o trabalho de quem faz o "seu" máximo. Não é sacrifício algum respeitar o direito de calar-se ou de não ser incomodado.

Se queremos de verdade ajudar este público que primeiro entendamos o seu mundo, visitá-los sem impor nossa presença, sem gerar expectativas que não possamos cumprir, para a partir daí interagir e colaborar de igual para igual. Limitação não é sinônimo de pena e de solidão. Quer ajudar? Seja voluntário. Use a sensibilidade para descobrir como fazê-lo e ao encontrar o caminho, seja constante. O primeiro ímpeto é fácil mas as pessoas se afeiçoam a nós. Abandonar porque cansamos ou perdemos a graça, nem pensar. Todos nós temos os nossos defeitinhos de fábrica e ninguém está no padrão. O processo de inclusão e exclusão que nos é impingido é diuturno. É fácil exercitar. Experimente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009 Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto "Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras fo

A arte de escrever Sonetos

Texto de Paola Rhoden, publicado no site Autores.com em 05 de novembro de 2009 Em primeiro lugar, não se ensina um poeta a escrever. Ele tira da alma o que sua mão escreve. Porém, a tarefa de escrever um soneto, uma obra considerada pelos intelectuais de símbolo da poesia, não é fácil. Não é fácil porque aqueles que cultuam essa técnica, não arredam pé de que é essencial para um soneto seguir as regras. Mas, para quem gosta e quer seguir por esta árdua estrada, abaixo seguem algumas delas: Um soneto é uma obra curta que transmite uma idéia completa. Para se escrever um soneto perfeito, ou clássico, como é chamado pelos profissionais de literatura, deve seguir as regras mundialmente utilizadas, que são: métrica, ritmo e rima. Um soneto clássico é formado por quatorze (14) versos decassílabos, dispostos em quatro estrofes, da seguinte maneira: a) dois quartetos ( ou quadras ); b) dois tercetos ( ou terças); c) a métrica deve seguir as normas. Cada um dos 14 versos deve ser decassíla

Jogo de Palavras

Dizer que foi o receptor da comunicação quem se equivocou é uma atitude cômoda para o emissor, porém arriscada, já que a conversa pode se encerrar por ali. Quando lançamos mão do tradicional “você é que não me entendeu”, estamos transferindo para o outro a responsabilidade pelo equívoco que nós mesmos provocamos. Na prática, a nossa atitude em si é arrogante, pois não admite a possibilidade de erro e ainda por cima se exime das conseqüências, como se fôssemos donos da verdade e só a nossa versão é que contasse. Seria muito mais humilde e receptivo trocar a mensagem por “eu não me fiz entender”. Acalma o interlocutor e de quebra nos dá fôlego para uma segunda chance. Ocorre que na maioria das vezes nos utilizamos dessa tática com a melhor das intenções e com o honesto propósito de esclarecer a idéia que queríamos transmitir. Como a resposta vem de imediato à nossa mente, estamos convictos que esta forma de se expressar é correta e tanto cremos nisso que a reação é automática e não en