Pular para o conteúdo principal

Perdão, a palavra chave




A historinha é de domínio público e tem pequenas variações de personagem mas a essência é mais ou menos esta: O pai conta ao filho uma metáfora no intuito de ajudá-lo a controlar seu ímpeto e mau gênio. "Cada vez que você tiver um acesso de ira e disser impropérios ou ofender alguém, vá naquela cerca de madeira e finque um prego". E assim o garoto fez. Sempre que não conseguia se conter batia um prego após a ofensa cometida. Passado algum tempo a cerca estava cheia de pregos. O pai pede ao filho que peça desculpas a quem magoou e que cada vez que o fizesse, retirasse um prego da cerca. O garoto passou então a pedir desculpas a quem havia molestado e a cada prego retirado, sentia-se mais forte e mais confiante. Após arrancar todos os pregos o pai levou-o novamente para junto da cerca e chamou a sua atenção para um fato. No lugar dos pregos, agora haviam buracos.
Carregamos as marcas dos nossos erros ao longo da vida, fazendo um esforço muito grande para minimizá-las. Nunca é tarde para voltar atrás e pedir desculpas por erros cometidos. Mais que isso porém, é o esforço de não ficar só nas desculpas e se firmar no propósito do respeito à maneira como aqueles que nos rodeiam escolhem para direcionar suas vidas.
Um outro ditado popular diz que "quem bate esquece, mas quem apanha, não". Remoemos por anos algo que nos desgostou. Somos capazes de repetir com detalhes a cena em que o fato desagradável aconteceu. Mas quando a vidraça é dos outros fica mais fácil imaginar que o agredido mereceu e que fizemos porque estávamos no direito de defender a nossa integridade, os nossos propósitos, a verdade. Que verdade? A nossa? É muito arraigada nas pessoas determinadas a cultura do certo, do meu certo, que não raro descamba para a intolerância com quem pensa diferente. E muito comum as se arvorarem da religião que professam para execrar não acredita no mesmo Deus que o seu. Esquecem-se o Deus de muitos nomes é único e prega igualmente o amor e o perdão, independentemente da língua em que seja invocado.
O perdão é a palavra chave. É mais doce e cômodo o perdoar. Porque as marcas indeléveis ficam com o ofensor. Esta ele irá remoê-las indefinidamente, até que as boas ações se sobreponham aos buracos na tábua e dali renasça um novo ser, que não mais olha para trás e segue em frente sem medo de ser feliz.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009 Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto "Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras fo

A arte de escrever Sonetos

Texto de Paola Rhoden, publicado no site Autores.com em 05 de novembro de 2009 Em primeiro lugar, não se ensina um poeta a escrever. Ele tira da alma o que sua mão escreve. Porém, a tarefa de escrever um soneto, uma obra considerada pelos intelectuais de símbolo da poesia, não é fácil. Não é fácil porque aqueles que cultuam essa técnica, não arredam pé de que é essencial para um soneto seguir as regras. Mas, para quem gosta e quer seguir por esta árdua estrada, abaixo seguem algumas delas: Um soneto é uma obra curta que transmite uma idéia completa. Para se escrever um soneto perfeito, ou clássico, como é chamado pelos profissionais de literatura, deve seguir as regras mundialmente utilizadas, que são: métrica, ritmo e rima. Um soneto clássico é formado por quatorze (14) versos decassílabos, dispostos em quatro estrofes, da seguinte maneira: a) dois quartetos ( ou quadras ); b) dois tercetos ( ou terças); c) a métrica deve seguir as normas. Cada um dos 14 versos deve ser decassíla

Jogo de Palavras

Dizer que foi o receptor da comunicação quem se equivocou é uma atitude cômoda para o emissor, porém arriscada, já que a conversa pode se encerrar por ali. Quando lançamos mão do tradicional “você é que não me entendeu”, estamos transferindo para o outro a responsabilidade pelo equívoco que nós mesmos provocamos. Na prática, a nossa atitude em si é arrogante, pois não admite a possibilidade de erro e ainda por cima se exime das conseqüências, como se fôssemos donos da verdade e só a nossa versão é que contasse. Seria muito mais humilde e receptivo trocar a mensagem por “eu não me fiz entender”. Acalma o interlocutor e de quebra nos dá fôlego para uma segunda chance. Ocorre que na maioria das vezes nos utilizamos dessa tática com a melhor das intenções e com o honesto propósito de esclarecer a idéia que queríamos transmitir. Como a resposta vem de imediato à nossa mente, estamos convictos que esta forma de se expressar é correta e tanto cremos nisso que a reação é automática e não en