Pular para o conteúdo principal

Sentir-se só



Palavrinha batida que como a companheira saudade, dizemos só existir em português – e que alguém nos corrija, por favor – solidão rima com desilusão e até com frustração. É um equívoco apostar que ela vá rimar com desamor, a reação mais óbvia ao visualizarmos algum solitário, crendo que o olhar distante característico seja indício de não estar nem aí para o resto da população do planeta. É um autômato o solitário, indiferente ao universo ao redor como se bastasse a si mesmo e nada mais importasse. O mundo interior é muito rico e às vezes é o único reduto de compreensão que nos sobra. Nós e ele, o eu interior. Meio louco, não? Mas é como se conversássemos duas partes da mesma matéria. Uma compacta, física e outra imanente, fluída, que por assim ser tem condição de captar impressões mais refinadas da substância densa e conduzir o Eu físico ao entendimento de um processo que aparenta ser um turbilhão de onde não se consegue sair, por isso o isolamento.
O curioso é que dificilmente a solidão é percebida como tal. Como bons masoquistas de carteirinha, miramos a cara alheia e por conta própria diagnosticamos o que ali vemos como raiva da gente nos devem explicações. Ninguém traz uma placa na testa dizendo o porquê do semblante fechado e alguns se arvoram na arte de adivinhar, principalmente nós mulheres. Acostumamos a entender o que os nossos filhos querem desde pequeninhos pela expressão não-verbal e já nos julgamos capazes de fazer o mesmo com tudo e todos. Ok. A intuição e percepção femininas são trunfos, mas não nos esqueçamos que podemos mascarar nossa avaliação com sentimentos que são nossos e a interpretação apressada “enfia” literalmente, palavras na boca do outro. Para quem já está com a sensibilidade desordenada explicar é o que menos interessa. Ao invés de ajudar, contribuímos para enredar ainda mais quem de uma forma toda peculiar, está muito bem obrigado, com o seu mutismo. O problema são os outros que está se incomodando com a cara dele. Ele próprio não está e isto é o suficiente.
Solidão não é só o pesar amoroso pela distância da pessoa amada que nos punge a alma e nos consola. Na sua amplitude é o sentimento de ausência de si próprio, de não ter com quem contar e até a sensação de bastar-se estar indo embora. Não é uma recusa à proximidade. Podemos perfeitamente sentirmo-nos sós numa casa ou trabalho cheio de gente. É a sensação de incompletude e de incompreensão para levarmos adiante planos, projetos que são do coletivo onde estamos inseridos, mas que parecem ser só nossos, já que ninguém nos entende. Nessa faceta da solidão, há que se esperar o tempo, este velho e bom companheiro passar, sem deixar-se seduzir pela satisfação do ascetismo. A contemplação é prazerosa e sozinha não supre a necessidade de convivência. Estar só implica diminuir as demandas. A face demonstrada já afasta os outros e só temos que lidar conosco e conosco a gente se entende, nem que seja para lamber as próprias feridas. O mundo não gira em torno do nosso umbigo e mais dia menos dia precisamos voltar a interagir, aprender, trocar, solucionar. E aí vai nos invadir uma leva de sentimentos de realização, de etapa cumprida e de percalços que dela fazem parte. Os ciclos se repetem e nos cabe vivê-los em sua plenitude, pois sabemos que renovar é preciso, levantar sempre.

Comentários

  1. Concordo plenamente! Não sei é por estar sentindo isso com frequência, ou se é porque a coisa foi toda muito bem esclarecida. Acho que um pouco dos dois. A solidão é uma coisa meio implícita ao ser humano...da mesma forma que não conseguimos viver sem gente ao nosso redor, também não o conseguimos sem consultar, de quando em vez, a nossa individualidade.
    Um big beijo, tiaa!

    ResponderExcluir
  2. Claudissima, querida, que bom a tua manifestação. Tem a ver também com identificar sentimentos. Indagar-se porque eu estou sentindo isto? Isto é meu ou é externo e eu estou tomando as dores?
    Bjs. saudades.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Por favor, deixe aqui sua opinião sobre o texto.

Postagens mais visitadas deste blog

CAÇA AO PALMEIRA

Vai ser difícil outro mês tão memorável quanto está sendo esse aqui na cidade das belezas naturais. Sabe quando a população inteira adere ao monoassunto? Pois é o que acontece nesses meados de fevereiro. Por uma semana todo mundo só fala da mesma coisa: os artistas estão entre nós. O melhor hotel da cidade foi contratado de porteira fechada para abrigar a constelação global que irá ocupar as telinhas no horário das nove a partir de maio. Nívea Maria foi a abre alas. E não é que o primeiro lugar que ela visitou por aqui foi o Cine Teatro Ideal? Artista deve ser atraído por esses locais, afinal, o prédio onde hoje é uma farmácia, já foi supermercado, cinema e teatro. Sim, na primeira década do século XX Jaguari já tinha iluminação pública, banda de música, jornal e teatro. Por aqui fervilhava uma atividade cultural intensa para os padrões da época. Coisa que se perpetuou até nossos dias. Que o digam o Festival de Música Nativista “O Grito de Jaguari”, o carnaval mais famoso da região…

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009
Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto
"Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras formando um som …

PARCEIROS DO JAGUARI

A adolescente boia em descanso após atravessar o rio a nado. Esquadrinha o céu límpido à procura de nuvens naquele início de tarde. A água tépida de verão lhe acaricia o dorso. – Vem, Luti, vem! Convida o enorme cão preto – porte indicando alguma nobreza – que se mantém inabalável, olhos fixos no rio. Ele está com preguiça hoje, ela pensa. Vira momentaneamente o rosto para a margem, vê o cachorro levantar uma das patas dianteiras em direção às orelhas. Espantando as moscas, imagina. Ele era assim, feito gente, cheio de manias, aquele seu companheiro. Não pode contar com o Luti hoje. A mocinha flutua no rio, íntima dele desde a infância. Distraída, embala-se nas águas, o corpo inicia um giro, alheio ao seu comando. No começo, devagar, depois, o ritmo aumenta, levando-a para outra parte onde o cálido é substituído pelo frio. O choque térmico lhe aguça os sentidos, percebe a água em círculos sob ela, a aragem, seguida de um farfalhar; a lembrança de frio percorrendo o corpo quente até …