Pular para o conteúdo principal

Paixão com sabedoria



O longo período de evolução da humanidade gravou em nossos genes respostas emocionais baseadas em uma duríssima realidade, comparada com os dias atuais. Poucas crianças sobreviviam à infância e os adultos mal chegavam aos trinta anos. Com predadores atacando a qualquer momento, condições climáticas determinando se morreriam de fome ou não, este estado permanente de tensão demandava respostas imediatas e quem sobrevivia passava adiante esta memória através dos genes. De dez mil anos para cá, o domínio da agricultura e as formas de organização social espalharam os avanços e diminuíram as ameaças aos humanos. Minimizada a pressão, reações emocionais perderam a validade. A raiva instantânea no passado era necessária para continuar vivo, mas ser indomável em nossos dias leva a catástrofes.
Paixão é sentimento. Sabedoria é racionalidade. É possível a coexistência? Aristóteles, que em Ética a Nicômano, instiga nossa capacidade de equilibrar razão e emoção ao afirmar que “qualquer um pode zangar-se – isto é fácil. Mas zangar-se com a pessoa certa, na hora certa, pelo motivo certo e da maneira certa – não é fácil”.
Cada emoção tem função específica e prepara o corpo para um tipo diferente de resposta. A ciência atribuiu para elas uma divisão clássica, constituída de raiva, medo, felicidade, amor, surpresa, repugnância e tristeza. Mas para nós leigos, é algo que se sente e para descrevê-la precisamos viver o momento e mesmo assim não teria o mesmo sentido quando a verbalizamos. Autoconhecimento é bom, entretanto nos cobra a responsabilidade de identificar e se controlar diante de situações difíceis. Mas se no abalo emocional perturbação as reações são rápidas demais, que esforço demandaríamos para domar o bicho ancestral que há em nós? É muito tempo gravado no cérebro de um, contra a evolução comparativamente incipiente de outro. Submeter-se atiça nossa voz interior com alegações de “olha a hipocrisia, você está se violentando...” Nosso apego à suposta autenticidade, pode ser a obstinação em abrir espaço e coexistir com a razão, o “novo”, de dez mil anos para cá.
Domínio de emoções significa civilidade nas ruas, na vida comunitária. Segundo Paul Ekmann, “a raiva é a mais perigosa delas. Os principais problemas que destroem a sociedade atual envolvem a raiva. É a emoção mais difícil de adaptar-se aos dias atuais, em razão de mobilizar-nos para a luta. Na pré-história, quando se tinha uma raiva instantânea e por um segundo se queria matar alguém, não se possuía tecnologia para fazê-lo. Hoje temos”.
Paixões bem exercidas têm sabedoria, sim. Orientam nosso pensamento, valores e sobrevivência. O problema não é a emocionalidade, mas a adequação da emoção e sua manifestação. Somos capazes de identificar o que não queremos sentir e podemos optar por comportamentos que nos impeçam de levar-nos por determinada emoção e sua expressão em situações parecidas. Não se trata de matar a emoção, mas usá-la sabiamente.
Quando o automóvel não tinha os avanços de hoje, o Jeep bastava e servia para qualquer caminho. Recriou-se o Jeep em versões mais caras, porém adaptadas para a estrada de chão. Mas admitiu-se também carros que são pérolas da tecnologia, perfeitos para boas estradas e sob condições específicas. É possível evoluir, adaptar sem perder a essência. Vale tentar.

Comentários

  1. me perdi no seu texto...quer clarear pra mim? o que é a essência Rackel? a carga genética? a emoção? a razão? na adaptação de pedra para homo sapiens, qual a essência que não se perdeu?

    ResponderExcluir
  2. oiii..não sou anônimo...escrevi o nome mas apareceu como anônimo. Olga

    ResponderExcluir
  3. Olga, essência para mim é o primordial, o que dá gosto e tempera a vida. Essência é a emoção.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Por favor, deixe aqui sua opinião sobre o texto.

Postagens mais visitadas deste blog

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009 Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto "Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras fo

CAÇA AO PALMEIRA

Vai ser difícil outro mês tão memorável quanto está sendo esse aqui na cidade das belezas naturais. Sabe quando a população inteira adere ao monoassunto? Pois é o que acontece nesses meados de fevereiro. Por uma semana todo mundo só fala da mesma coisa: os artistas estão entre nós. O melhor hotel da cidade foi contratado de porteira fechada para abrigar a constelação global que irá ocupar as telinhas no horário das nove a partir de maio. Nívea Maria foi a abre alas. E não é que o primeiro lugar que ela visitou por aqui foi o Cine Teatro Ideal? Artista deve ser atraído por esses locais, afinal, o prédio onde hoje é uma farmácia, já foi supermercado, cinema e teatro. Sim, na primeira década do século XX Jaguari já tinha iluminação pública, banda de música, jornal e teatro. Por aqui fervilhava uma atividade cultural intensa para os padrões da época. Coisa que se perpetuou até nossos dias. Que o digam o Festival de Música Nativista “O Grito de Jaguari”, o carnaval mais famoso da r

Do lar (Ou profissão em vias de extinção)

Ainda vigora nos contratos comerciais e bancários o uso da expressão “do lar”, para se qualificar a mulher que não trabalha fora. Há mulheres que ao serem indagadas da profissão informam que não trabalham. Por não laborar, entenda-se serviço doméstico. Exatamente. Aquelas tarefas anônimas, executadas diuturnamente pelas mulheres. O apoio logístico delas permite aos homens exercer com liberdade as mais variadas profissões, já que o controle da prole e as múltiplas funções, que o ato de criar filhos implica, estão em boas mãos. Sob o pretexto de educarmos os filhos, acompanharmos o marido, muitas de nós se tornam reféns da família. É claro que o trabalho doméstico pode ser uma opção. Mas não pode em hipótese nenhuma, tornar-se uma obrigação. Entre uma guerra mundial e outra, as mulheres pegaram no batente nas fábricas, nas escolas, nos escritórios e descobriram que podiam desempenhar tão bem quanto os homens as mesmas atividades que eles. Com os maridos na frente de batalha elas acumul