Pular para o conteúdo principal

Supérfluo é Imprescindível?




É constrangedor admirar uma obra e não entender nada, ficar “devendo”. Isto é freqüente quando se trata de arte contemporânea. Dificilmente as expressões artísticas são entendidas no seu tempo. Nossos olhos e ouvidos precisam se acostumar com a vanguarda. Arte também é um mercado e precisa ser vendável. Assim como é igualmente complicado entender o mundo da alta costura, o paralelo pode ser aplicado às artes.
Nem tudo que se vê num desfile de modas é usável. É como se os estilistas colocassem um binóculo invertido. Ao invés de pessoas normais desfilando, o que vemos é uma explosão de fantasias unidas por um tema central, que definirá a tendência desta ou daquela estação. O que vai para as ruas é a inspiração daquela parafernália toda que inundou os olhos do mundinho fashion e de poucos privilegiados, ora pela grana, ora por ser o jogador namorado da modelo da hora. Pouquíssimos afortunados podem adquirir um modelo único. O que sustenta mesmo a máquina da moda é o pret-a-pôrter, a produção em série que vende em versões e releituras infinitas o que se firmar como moda na estação. É assim que passamos a pagar caro por calça rasgada, cintura baixíssima e se cobrir com cores como rosa e pink, mesmo que as detestemos. É moda, baby, relaxe. Não importa se o nosso manequim não é 36 e se a nossa coxa tem mais diâmetro que a cintura da modelo. Ai de nós se não arranjarmos um jeito de caber naquele número a menos.
Alguém poderia perguntar de que adianta tanto esforço investido para gerar o supérfluo, para não se construir... nada? É a mania do lado utilitário do conhecimento. Só valorizamos se for para dar forma ao concreto que satisfaz necessidades básicas. Comida, moradia, emprego e saúde não são suficientes para aplacar nossa ânsia. Prazer e lazer também caminham juntos e fazem parte do inevitável primordial, contribuindo para a harmonia das demais condições que cremos imprescindíveis.
O conceito de supérfluo versus básico, de dinheiro jogado fora, é relativo. Varia de pessoa para pessoas, é óbvio. Mas fazendo coro com a gritaria que rotula isto ou aquilo como desnecessário, só contribuímos para o desentendimento. Se não temos noção do todo é leviano julgar pelas partes.
O mundo das corridas de carro, que nos transparece sem muito sentido fora do círculo dos aficcionados, é um laboratório de tecnologias que algum tempo depois estão presentes no carro popular que roda nas ruas.
Atrás de cada supérfluo existe uma necessidade satisfeita. Essa energia que se chama dinheiro precisa ser movimentada para gerar sobrevivência, emprego, prazer e satisfação de nossas demandas. Não se aplica a tudo, naturalmente, mas é de se pensar um pouco mais antes de atirar a primeira pedra.
Moda não é uma perdição. É uma indústria que movimenta milhões vendendo sonhos e idéias, que sustentam pessoas, que trabalham ajudando a construir aqueles sonhos. É inevitável a disseminação das demandas que são criadas na ânsia do novo. No afã de sermos únicos vestimo-nos iguais. A vanguarda nos distingue e quando menos esperamos queremos o novo para nós. Assimilamos e aí não é mais supérfluo, é necessidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009 Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto "Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras fo

A arte de escrever Sonetos

Texto de Paola Rhoden, publicado no site Autores.com em 05 de novembro de 2009 Em primeiro lugar, não se ensina um poeta a escrever. Ele tira da alma o que sua mão escreve. Porém, a tarefa de escrever um soneto, uma obra considerada pelos intelectuais de símbolo da poesia, não é fácil. Não é fácil porque aqueles que cultuam essa técnica, não arredam pé de que é essencial para um soneto seguir as regras. Mas, para quem gosta e quer seguir por esta árdua estrada, abaixo seguem algumas delas: Um soneto é uma obra curta que transmite uma idéia completa. Para se escrever um soneto perfeito, ou clássico, como é chamado pelos profissionais de literatura, deve seguir as regras mundialmente utilizadas, que são: métrica, ritmo e rima. Um soneto clássico é formado por quatorze (14) versos decassílabos, dispostos em quatro estrofes, da seguinte maneira: a) dois quartetos ( ou quadras ); b) dois tercetos ( ou terças); c) a métrica deve seguir as normas. Cada um dos 14 versos deve ser decassíla

Jogo de Palavras

Dizer que foi o receptor da comunicação quem se equivocou é uma atitude cômoda para o emissor, porém arriscada, já que a conversa pode se encerrar por ali. Quando lançamos mão do tradicional “você é que não me entendeu”, estamos transferindo para o outro a responsabilidade pelo equívoco que nós mesmos provocamos. Na prática, a nossa atitude em si é arrogante, pois não admite a possibilidade de erro e ainda por cima se exime das conseqüências, como se fôssemos donos da verdade e só a nossa versão é que contasse. Seria muito mais humilde e receptivo trocar a mensagem por “eu não me fiz entender”. Acalma o interlocutor e de quebra nos dá fôlego para uma segunda chance. Ocorre que na maioria das vezes nos utilizamos dessa tática com a melhor das intenções e com o honesto propósito de esclarecer a idéia que queríamos transmitir. Como a resposta vem de imediato à nossa mente, estamos convictos que esta forma de se expressar é correta e tanto cremos nisso que a reação é automática e não en