Pular para o conteúdo principal

Renúncia, substantivo feminino?



Renúncia não se contabiliza. Quem a exerce no sentido amplo da palavra sequer o percebe, pois considera sua atitude parte da sua contribuição para com aqueles que o rodeiam. O dicionário Aurélio denomina renúncia, substantivo feminino, “a ação ou ato de renunciar, recusa, rejeição, negação, demissão”, o que nos soa incoerente. Abrir mão em extremo lembra traição, quando todos sabem que alguém foi enganado, menos ele. Quem o faz, leva como cruz a carregar. Não estamos apregoando aqui a vocação para mártir, nem que o mundo deva ser desprovido de altruístas. Se fosse só cada um para si ainda estaríamos na caverna ou talvez já tivéssemos nos destruído mutuamente. Algum sentimento tem que haver em prol do outro. É difícil aceitar que a humanidade chegou aos dias de hoje pela subjugação. Nenhuma idéia ou invento sobreviveria sem desapego, vontade de partilhar ou até quem não agüentasse ter uma inovação só para si. O comichão na língua seria incontrolável. Que graça tem ser um gênio se ninguém sabe? O desejo da fama não deixa de ser uma forma de garantir a continuidade das descobertas. A diferença é que os bem intencionados sabem que expor é passar adiante, significa contar com a contribuição adicional e ter seus objetivos atingidos. Quem quer só o aplauso perde-se no controle da revelação, orgulho ferido e não aceita agregar idéias, logo, não evolui.
Renunciar é recusar-se a compactuar com terceiros. É negar uma realidade que lhe é dolorosa, criando um mundo interior onde se refugia e arquiva seus desejos mais recônditos. É viver externamente de uma maneira que não imaginou ser possível, mas tendo a máscara como a alternativa que lhe resta. Nem sempre é uma tragédia. Pode se tratar apenas de um leque pequeno de alternativas. Quantas pessoas lamentam o ideal não concretizado sem fazer um balanço de perdas e ganhos daquela aspiração e perceber que esteve no lucro a maior parte do tempo? Não vislumbram o que teriam construído se não tivessem conduzido a vida olhando pelo retrovisor. Com isso, atazanam a vida que têm e a dos outros achando que deram tudo de si. Não percebem o quanto é difícil agüentar lamentações de quem acha um pecado abandonar um sonho. O ser humano pode adequar sua trajetória e provar sua capacidade de adaptação sem agredir seus valores. Perdemos energia em não enxergar que os objetivos se concretizaram, porém com a roupagem que o tempo lhes deu.
A comerciante bem sucedida, que na provação foi o alicerce da família quando o marido teve dificuldades ou doenças que impediram seu pleno desenvolvimento, pode bater no peito e se orgulhar de ter ajudado o companheiro a enfrentar suas limitações e orgulhar-se do negócio que ajudou a construir. Compelida a aguçar os sentidos, sabia que tinha de manter-se alerta e estava consciente de relegar prioridades pessoais. Sem este esforço, talvez não tivesse desabrochado qualidades inatas, que o trabalho e a disciplina ajudaram a forjar e florescer.
Podemos enfrentar os obstáculos como problema ou como oportunidade de aprendizado e superação. A mulher personifica isto, mas renúncia não é privilégio de mulher. O patriarcado ocultou uma dimensão nossa que de mansa não tem nada. Mesmo com força física inferior desenvolvemos outras habilidades essenciais que nos permitiram inúmeros papéis, de guerreiras a mães-leoas. Mas não sabemos fazer isto sem parceria. Vivemos no plural, precisamos do outro e não temos vergonha de admitir. Em quaisquer das circunstâncias preservamos a capacidade de amar, chorar, renunciar, sim, mas nunca deixar de ser... Mulher!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CAÇA AO PALMEIRA

Vai ser difícil outro mês tão memorável quanto está sendo esse aqui na cidade das belezas naturais. Sabe quando a população inteira adere ao monoassunto? Pois é o que acontece nesses meados de fevereiro. Por uma semana todo mundo só fala da mesma coisa: os artistas estão entre nós. O melhor hotel da cidade foi contratado de porteira fechada para abrigar a constelação global que irá ocupar as telinhas no horário das nove a partir de maio. Nívea Maria foi a abre alas. E não é que o primeiro lugar que ela visitou por aqui foi o Cine Teatro Ideal? Artista deve ser atraído por esses locais, afinal, o prédio onde hoje é uma farmácia, já foi supermercado, cinema e teatro. Sim, na primeira década do século XX Jaguari já tinha iluminação pública, banda de música, jornal e teatro. Por aqui fervilhava uma atividade cultural intensa para os padrões da época. Coisa que se perpetuou até nossos dias. Que o digam o Festival de Música Nativista “O Grito de Jaguari”, o carnaval mais famoso da região…

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009
Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto
"Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras formando um som …

PARCEIROS DO JAGUARI

A adolescente boia em descanso após atravessar o rio a nado. Esquadrinha o céu límpido à procura de nuvens naquele início de tarde. A água tépida de verão lhe acaricia o dorso. – Vem, Luti, vem! Convida o enorme cão preto – porte indicando alguma nobreza – que se mantém inabalável, olhos fixos no rio. Ele está com preguiça hoje, ela pensa. Vira momentaneamente o rosto para a margem, vê o cachorro levantar uma das patas dianteiras em direção às orelhas. Espantando as moscas, imagina. Ele era assim, feito gente, cheio de manias, aquele seu companheiro. Não pode contar com o Luti hoje. A mocinha flutua no rio, íntima dele desde a infância. Distraída, embala-se nas águas, o corpo inicia um giro, alheio ao seu comando. No começo, devagar, depois, o ritmo aumenta, levando-a para outra parte onde o cálido é substituído pelo frio. O choque térmico lhe aguça os sentidos, percebe a água em círculos sob ela, a aragem, seguida de um farfalhar; a lembrança de frio percorrendo o corpo quente até …