Pular para o conteúdo principal

Rebobinando a fita



Andarilhos profissionais costumam ser acometidos por surtos de saudosismo. Nas andanças vê desfilar aos seus olhos o filme de uma vida ao deparar-se com a cumplicidade atávica que encontra em cada uma das comunidades onde vive por certo período. Não raro, deixa-se invadir por um misto de inveja daqueles que partilham uma história comum com tudo a que tem direito e que lhes confere compreensão imediata entre seus membros. A comunicação, por exemplo, se faz de maneira instintiva, sem palavras até. Um olhar, um cenho franzido é suficiente para que se compreenda o contexto, os sentimentos, o que se quer transmitir. É ou não é de dar inveja, num mundo minimalista em afetos como o nosso essa sensação de clã que quem vive muito tempo junto compartilha?
Se nascer, crescer, constituir família e morrer no mesmo lugar era característica de um Brasil rural, hoje a pirâmide se inverteu. A desocupação do campo inchou a periferia das grandes cidades e de favela em favela, alguns escapam da redoma da pobreza, tem acesso à educação e vão galgando postos na escala social. Mas para isso é preciso encerrar o passado, negar origens e assimilar costumes do meio que alcançou. E a pessoa que nos tornamos civiliza-se até certo ponto, ao mostrar que sabe manobrar as regras do convívio social urbano, mesmo que essa adaptação por força das situações a torne hipócrita.
Mas não podemos nos iludir. O limiar entre a franqueza e a grossura é tênue e ninguém externa com sinceridade angelical aquilo que pensa ou é. A reserva de franqueza está limitada pela capacidade de absorção do outro e disponibilizá-la significa abrir um canal para que venha uma resposta direcionada a nós. Quando se sente acuado o ser humano contra ataca e o faz devolvendo o problema, os defeitos apontados para quem os indicou. Feed-back se recebe, mas não se justifica, diz a teoria, mas na prática não estamos preparados para receber e logo desqualificamos quem nos dá o retorno.
A rede de hipocrisias existe em qualquer sociedade, seja ela pequena ao ponto de ser cúmplice ou grande num jogo selvagem de aparências e busca pelo poder. Mas a cada dificuldade lá vamos nós de volta à infância, morrendo de saudades da polenta com leite tirado na horinha, do pão caseiro, do fogão à lenha e aquele cheirinho maravilhoso da comida sendo feita sem pressa. É claro que não dura muito. Saindo dos devaneios, não abrimos mão do chuveiro quentinho, sem contar que leite integral tem muita gordura e não faz bem a nossa saúde e boa forma. Que centauro dos pampas que nada, melhor o carrinho 1.0, mesmo, que nos leva para onde queiramos desde que o tanque esteja cheio. Ah! morremos se a TV não tiver controle remoto.
Uma rede de amizade é uma rede de ajudas. Mas compartilhar em tempo integral é aceitar ser invadido pela disponibilidade que a ausência de privacidade proporciona. Somos seres sociais, sim e precisamos da convivência. Interagir propicia o aprendizado e a evolução. Mas convêm não sermos crédulos demais a ponto de achar que as maldades humanas são inerentes à modernidade ou aos grandes aglomerados urbanos. Elas existem em qualquer parte. Um grupo identificável e unido por traços de comunidade se policia mais, se expressa mais e de certa forma molda o comportamento de quem o integra. É solidário com seus membros o que dá a sensação de conforto, de proteção e é só isso que conta quando nos sentimos desamparados. É uma volta ao útero, ao colo. Só que nem sempre isso é possível e nos resta guardar as lições, valorizar as conquistas e seguir em frente.

Comentários

  1. Eu me considero uma andarilha...por gosto. E já bem pouco saudosista, pois me esforço bastante para ganhar atributos conscienciais melhores do que a média do meu grupo cármico.Na próxima vida, espero não nascer na mesma árvore, mas se não der que seja, pelo menos,no galho mais alto.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Por favor, deixe aqui sua opinião sobre o texto.

Postagens mais visitadas deste blog

CAÇA AO PALMEIRA

Vai ser difícil outro mês tão memorável quanto está sendo esse aqui na cidade das belezas naturais. Sabe quando a população inteira adere ao monoassunto? Pois é o que acontece nesses meados de fevereiro. Por uma semana todo mundo só fala da mesma coisa: os artistas estão entre nós. O melhor hotel da cidade foi contratado de porteira fechada para abrigar a constelação global que irá ocupar as telinhas no horário das nove a partir de maio. Nívea Maria foi a abre alas. E não é que o primeiro lugar que ela visitou por aqui foi o Cine Teatro Ideal? Artista deve ser atraído por esses locais, afinal, o prédio onde hoje é uma farmácia, já foi supermercado, cinema e teatro. Sim, na primeira década do século XX Jaguari já tinha iluminação pública, banda de música, jornal e teatro. Por aqui fervilhava uma atividade cultural intensa para os padrões da época. Coisa que se perpetuou até nossos dias. Que o digam o Festival de Música Nativista “O Grito de Jaguari”, o carnaval mais famoso da região…

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009
Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto
"Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras formando um som …

PARCEIROS DO JAGUARI

A adolescente boia em descanso após atravessar o rio a nado. Esquadrinha o céu límpido à procura de nuvens naquele início de tarde. A água tépida de verão lhe acaricia o dorso. – Vem, Luti, vem! Convida o enorme cão preto – porte indicando alguma nobreza – que se mantém inabalável, olhos fixos no rio. Ele está com preguiça hoje, ela pensa. Vira momentaneamente o rosto para a margem, vê o cachorro levantar uma das patas dianteiras em direção às orelhas. Espantando as moscas, imagina. Ele era assim, feito gente, cheio de manias, aquele seu companheiro. Não pode contar com o Luti hoje. A mocinha flutua no rio, íntima dele desde a infância. Distraída, embala-se nas águas, o corpo inicia um giro, alheio ao seu comando. No começo, devagar, depois, o ritmo aumenta, levando-a para outra parte onde o cálido é substituído pelo frio. O choque térmico lhe aguça os sentidos, percebe a água em círculos sob ela, a aragem, seguida de um farfalhar; a lembrança de frio percorrendo o corpo quente até …