Pular para o conteúdo principal

Trivializar o anormal


Sabe aquela sensação que temos diante de algum problema e o nosso íntimo demonstra que não há o que fazer? E não é por preguiça ou covardia. É quando sentimos que só a nossa parte não basta, que por mais que façamos será inútil, não vai mudar um milímetro sequer. É um misto de prepotência com impotência. Prepotência porque ao nos convencermos de que não há nada a fazer, criamos uma visão particular da situação e o mundo ao redor está cego. Portanto, estamos trazendo para nós o papel de donos da verdade. Situações como o momento político atual, acionam a sensação de impotência. É só ligarmos a TV para percebermos que o novelo da crise não termina nunca, confinando-nos à posição de meros expectadores. A coisa está tão bizarra, tão complicada, que a verdade em si há muito se perdeu no emaranhado de versões dos mensalões e mesadões, escândalos no Senado, quem mentiu ou não e por aí vai. O que importa agora é quem consegue construir uma verdade mais consistente que a outra, condizente com a memória subitamente curta dos envolvidos, cada qual preocupado em dar uma interpretação que o incrimine menos, mas que ao mesmo tempo precisa ter um núcleo de informação comum com os demais depoimentos, a fim de que se aproxime do ideal de ”verdade”.
O poder de manipular é um universo distante da realidade do ser humano comum que embora paradoxal, nossa atitude é de respeito até, pela capacidade de quem domina suas regras. Mas onde está nossa competência e idoneidade diante das forças que nos passam informações ao tempo em que nos fazem de marionetes? Entendendo essa crise de ética e moralidade, trazemos o controle para nossas mãos. Respeitar a competência do manipulador não será posicionamento de fuga ou condescendência. Tampouco imperioso. Será honesto sem cair para a bondade extrema, que se confunde com humilhação, para compreender melhor e agir da forma adequada.
Estamos nos acostumando demais, achando tudo natural demais, trivializando o que é anormal. A normalidade excessiva é contagiosa, negligencia a intuição e produz escuridão mental. A intuição trás a dúvida, faz-nos assumir a solidão, desenvolve a conscientização particular quanto ao perigo e as intrigas. Quem se torna alerta sozinho escolhe o que fica, descarta o que não serve e se permite renascer. Fazer uma tradução própria dos acontecimentos permite-nos funcionar como um todo. Somos forçados a lutar pelo que acreditamos, superar nosso desencantamento e terminar o que iniciamos. Transmitindo adiante nossa visão e interagindo, fortalecemo-nos. Compartilhando agregamos força, porque nos juntamos a outras pessoas e quando estamos juntos é mais difícil de sermos quebrados.
É tentadora a vontade de fechar os olhos a essa realidade deformada e conviver com o turbilhão esperando que ele passe. Mas o esforço em aceitar o anormal sufoca o instinto de reagir e isto não é justo conosco. De que serve a impressão de que nada nos incomoda, se estamos impingindo-nos a trivialização do que é anormal? Convivendo com a impotência avalizamos quietos pessoas e grupos que usam nosso santo nome em vão. Somos pasteurizadamente, o “povo brasileiro”. Banalizando irregularidades, podamos a raiva e a capacidade de interferir nos acontecimentos, mesmo que firam nossos princípios.
Quando a letargia toma conta é mais uma voz se cala. E quando o número de pessoas a falar é insuficiente, o mundo também se silencia e com ele aquieta-se a capacidade de consertar, corrigir desvios e seguir em frente. Podemos conviver com isso, mas o silêncio e a resignação mais dia menos dia nos acordará com um “Oh! De novo não!.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CAÇA AO PALMEIRA

Vai ser difícil outro mês tão memorável quanto está sendo esse aqui na cidade das belezas naturais. Sabe quando a população inteira adere ao monoassunto? Pois é o que acontece nesses meados de fevereiro. Por uma semana todo mundo só fala da mesma coisa: os artistas estão entre nós. O melhor hotel da cidade foi contratado de porteira fechada para abrigar a constelação global que irá ocupar as telinhas no horário das nove a partir de maio. Nívea Maria foi a abre alas. E não é que o primeiro lugar que ela visitou por aqui foi o Cine Teatro Ideal? Artista deve ser atraído por esses locais, afinal, o prédio onde hoje é uma farmácia, já foi supermercado, cinema e teatro. Sim, na primeira década do século XX Jaguari já tinha iluminação pública, banda de música, jornal e teatro. Por aqui fervilhava uma atividade cultural intensa para os padrões da época. Coisa que se perpetuou até nossos dias. Que o digam o Festival de Música Nativista “O Grito de Jaguari”, o carnaval mais famoso da região…

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009
Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto
"Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras formando um som …

PARCEIROS DO JAGUARI

A adolescente boia em descanso após atravessar o rio a nado. Esquadrinha o céu límpido à procura de nuvens naquele início de tarde. A água tépida de verão lhe acaricia o dorso. – Vem, Luti, vem! Convida o enorme cão preto – porte indicando alguma nobreza – que se mantém inabalável, olhos fixos no rio. Ele está com preguiça hoje, ela pensa. Vira momentaneamente o rosto para a margem, vê o cachorro levantar uma das patas dianteiras em direção às orelhas. Espantando as moscas, imagina. Ele era assim, feito gente, cheio de manias, aquele seu companheiro. Não pode contar com o Luti hoje. A mocinha flutua no rio, íntima dele desde a infância. Distraída, embala-se nas águas, o corpo inicia um giro, alheio ao seu comando. No começo, devagar, depois, o ritmo aumenta, levando-a para outra parte onde o cálido é substituído pelo frio. O choque térmico lhe aguça os sentidos, percebe a água em círculos sob ela, a aragem, seguida de um farfalhar; a lembrança de frio percorrendo o corpo quente até …