Pular para o conteúdo principal

Civilidade


Segundo a consultora de moda Glória Kalil, “estamos em um momento de individualidade que traz coisas positivas, mas ela é perigosa, pois podemos nos esquecer do outro. Temos que olhar, ver o outro e ter o compromisso com a civilidade”.
Traduzindo para o dia a dia das pessoas comuns, não tão glamourosas quanto a Glória, o que seria civilizado para nós? Gentileza, bons modos, estilo? Tudo isso mais uma palavrinha que parece fazer parte só das camadas mais altas da sociedade, porém acessível a todos nós, sim: Elegância. Também é uma palavra diretamente ligada com imagem, transpira futilidade para aqueles cuja batalha maior é garantir a sobrevivência do dia seguinte. Movidos a necessidades básicas, soa gozação falar em elegância com esse público, mas é inerente a quem tem conteúdo, mesmo que sequer tenha conta bancária.
Viemos nesse mundo para evoluir. E como arremata Glória Kalil, na entrevista à revista South Star, “imagem é importante, mas com conteúdo. E conteúdo passa pela civilidade, e civilidade passa pelo reconhecimento do outro. Ninguém é chique sem ser civilizado”.
Quem vive em diversos lugares ao longo da vida paga seu preço por isso, como a ausência de raízes, mas tem a oportunidade de vivenciar diversas culturas e exercitar o aprendizado do respeito. O que é normal numa comunidade não o é noutra. E não estamos nem falando de morar no exterior. É só rodar pelo Brasil mesmo, com suas dimensões continentais para perceber a necessidade de atualizar-se em costumes locais, mergulhar em supostamente “mais civilizada”, leia-se urbana ou industrializada. Entra em cena no nosso processo civilizatório, como diria o saudoso Darcy Ribeiro, a elegância de comportamento.
Não se confunde respeito aos costumes, por criar máscaras de adaptação que quando lançamos mão indiscriminadamente gera um vazio cumulativo. Esse hiato na nossa vida proporciona-nos a sensação amarga de termos sido surrupiados de valores como autenticidade e firmeza, fortalecendo a incapacidade inata do ser humano de dizer não. Não queremos ser incomodados e dizer sim é mais fácil, não precisamos buscar problema à toa. Podemos usar muito bem os talheres à mesa, mas sermos incapazes de dar bom dia para o vigilante, o ascensorista, o porteiro, porque ele está lá para aquilo mesmo e não para ficarmos de trela com todo mundo que passa pela frente. Gente muito popular, muito dada com as pessoas é gente assanhada, introjetamos. Logo temos que ter postura, colocarmo-nos no nosso posto, que é acima dos outros, pensamos como deselegantes comportamentais que somos. E os demais que se ponham no lugar deles. Quanta arrogância, inconsciente até, mas discriminatória, incivilizada.
Evoluamos. Civilizar-se não é impor culturas. Pode ser abrir-se para o novo sem pré-conceito para que possamos entender o seu contexto. Uma vez inserido neles fica muito mais fácil aceitar atitudes alheias, não dar bola para detalhes insignificantes, não envergonhar-se da ignorância, sem necessariamente rebaixar-se. Evoluir é aprender e descobrir que cada aprendizado abre uma nova porta e que não há limites para o saber, para a bondade humana, para a generosidade entre os povos. Utopia? Pode ser. Mas precisamos dela para não perder o prumo, para acreditar no ser humano e divino que somos e na nossa capacidade de crescer de forma harmônica, consistente e sem limites ou medo de aprender.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CAÇA AO PALMEIRA

Vai ser difícil outro mês tão memorável quanto está sendo esse aqui na cidade das belezas naturais. Sabe quando a população inteira adere ao monoassunto? Pois é o que acontece nesses meados de fevereiro. Por uma semana todo mundo só fala da mesma coisa: os artistas estão entre nós. O melhor hotel da cidade foi contratado de porteira fechada para abrigar a constelação global que irá ocupar as telinhas no horário das nove a partir de maio. Nívea Maria foi a abre alas. E não é que o primeiro lugar que ela visitou por aqui foi o Cine Teatro Ideal? Artista deve ser atraído por esses locais, afinal, o prédio onde hoje é uma farmácia, já foi supermercado, cinema e teatro. Sim, na primeira década do século XX Jaguari já tinha iluminação pública, banda de música, jornal e teatro. Por aqui fervilhava uma atividade cultural intensa para os padrões da época. Coisa que se perpetuou até nossos dias. Que o digam o Festival de Música Nativista “O Grito de Jaguari”, o carnaval mais famoso da região…

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009
Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto
"Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras formando um som …

PARCEIROS DO JAGUARI

A adolescente boia em descanso após atravessar o rio a nado. Esquadrinha o céu límpido à procura de nuvens naquele início de tarde. A água tépida de verão lhe acaricia o dorso. – Vem, Luti, vem! Convida o enorme cão preto – porte indicando alguma nobreza – que se mantém inabalável, olhos fixos no rio. Ele está com preguiça hoje, ela pensa. Vira momentaneamente o rosto para a margem, vê o cachorro levantar uma das patas dianteiras em direção às orelhas. Espantando as moscas, imagina. Ele era assim, feito gente, cheio de manias, aquele seu companheiro. Não pode contar com o Luti hoje. A mocinha flutua no rio, íntima dele desde a infância. Distraída, embala-se nas águas, o corpo inicia um giro, alheio ao seu comando. No começo, devagar, depois, o ritmo aumenta, levando-a para outra parte onde o cálido é substituído pelo frio. O choque térmico lhe aguça os sentidos, percebe a água em círculos sob ela, a aragem, seguida de um farfalhar; a lembrança de frio percorrendo o corpo quente até …