Pular para o conteúdo principal

Civilidade


Segundo a consultora de moda Glória Kalil, “estamos em um momento de individualidade que traz coisas positivas, mas ela é perigosa, pois podemos nos esquecer do outro. Temos que olhar, ver o outro e ter o compromisso com a civilidade”.
Traduzindo para o dia a dia das pessoas comuns, não tão glamourosas quanto a Glória, o que seria civilizado para nós? Gentileza, bons modos, estilo? Tudo isso mais uma palavrinha que parece fazer parte só das camadas mais altas da sociedade, porém acessível a todos nós, sim: Elegância. Também é uma palavra diretamente ligada com imagem, transpira futilidade para aqueles cuja batalha maior é garantir a sobrevivência do dia seguinte. Movidos a necessidades básicas, soa gozação falar em elegância com esse público, mas é inerente a quem tem conteúdo, mesmo que sequer tenha conta bancária.
Viemos nesse mundo para evoluir. E como arremata Glória Kalil, na entrevista à revista South Star, “imagem é importante, mas com conteúdo. E conteúdo passa pela civilidade, e civilidade passa pelo reconhecimento do outro. Ninguém é chique sem ser civilizado”.
Quem vive em diversos lugares ao longo da vida paga seu preço por isso, como a ausência de raízes, mas tem a oportunidade de vivenciar diversas culturas e exercitar o aprendizado do respeito. O que é normal numa comunidade não o é noutra. E não estamos nem falando de morar no exterior. É só rodar pelo Brasil mesmo, com suas dimensões continentais para perceber a necessidade de atualizar-se em costumes locais, mergulhar em supostamente “mais civilizada”, leia-se urbana ou industrializada. Entra em cena no nosso processo civilizatório, como diria o saudoso Darcy Ribeiro, a elegância de comportamento.
Não se confunde respeito aos costumes, por criar máscaras de adaptação que quando lançamos mão indiscriminadamente gera um vazio cumulativo. Esse hiato na nossa vida proporciona-nos a sensação amarga de termos sido surrupiados de valores como autenticidade e firmeza, fortalecendo a incapacidade inata do ser humano de dizer não. Não queremos ser incomodados e dizer sim é mais fácil, não precisamos buscar problema à toa. Podemos usar muito bem os talheres à mesa, mas sermos incapazes de dar bom dia para o vigilante, o ascensorista, o porteiro, porque ele está lá para aquilo mesmo e não para ficarmos de trela com todo mundo que passa pela frente. Gente muito popular, muito dada com as pessoas é gente assanhada, introjetamos. Logo temos que ter postura, colocarmo-nos no nosso posto, que é acima dos outros, pensamos como deselegantes comportamentais que somos. E os demais que se ponham no lugar deles. Quanta arrogância, inconsciente até, mas discriminatória, incivilizada.
Evoluamos. Civilizar-se não é impor culturas. Pode ser abrir-se para o novo sem pré-conceito para que possamos entender o seu contexto. Uma vez inserido neles fica muito mais fácil aceitar atitudes alheias, não dar bola para detalhes insignificantes, não envergonhar-se da ignorância, sem necessariamente rebaixar-se. Evoluir é aprender e descobrir que cada aprendizado abre uma nova porta e que não há limites para o saber, para a bondade humana, para a generosidade entre os povos. Utopia? Pode ser. Mas precisamos dela para não perder o prumo, para acreditar no ser humano e divino que somos e na nossa capacidade de crescer de forma harmônica, consistente e sem limites ou medo de aprender.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A métrica no poema e como metrificar os versos de um poema.

Texto publicado no site Autores.com.br em 25 de Novembro de 2009 Literatura - Dicas para novos autores Autor: PauloLeandroValoto "Alguns colegas me abordam querendo saber como faço para escrever e metrificar os versos de alguns de meus poemas. Diante desta solicitação de alguns colegas aqui do site, venho explicar qual a técnica em que utilizo para escrever poemas com versos metrificados. Muitos me abordam querendo saber: - Como faço? - Como é isso? - O que é métrica? - Como metrifico os versos de meus poemas? - Quero fazer um tambem. - Me explique como fazer. Vou descrever então de uma forma simples e objetiva a técnica que utilizo para escrever poemas metrificados. Primeiro vamos falar de métrica e depois vamos falar de como metrificar os versos de um poema. - A métrica no poema: Métrica é a medida do verso. Metrificação é o estudo da medida de cada verso. É a contagem das sílabas poéticas e as suas sonoridades onde as vogais, sem acentos tônicos, se unem uma com as outras fo

A arte de escrever Sonetos

Texto de Paola Rhoden, publicado no site Autores.com em 05 de novembro de 2009 Em primeiro lugar, não se ensina um poeta a escrever. Ele tira da alma o que sua mão escreve. Porém, a tarefa de escrever um soneto, uma obra considerada pelos intelectuais de símbolo da poesia, não é fácil. Não é fácil porque aqueles que cultuam essa técnica, não arredam pé de que é essencial para um soneto seguir as regras. Mas, para quem gosta e quer seguir por esta árdua estrada, abaixo seguem algumas delas: Um soneto é uma obra curta que transmite uma idéia completa. Para se escrever um soneto perfeito, ou clássico, como é chamado pelos profissionais de literatura, deve seguir as regras mundialmente utilizadas, que são: métrica, ritmo e rima. Um soneto clássico é formado por quatorze (14) versos decassílabos, dispostos em quatro estrofes, da seguinte maneira: a) dois quartetos ( ou quadras ); b) dois tercetos ( ou terças); c) a métrica deve seguir as normas. Cada um dos 14 versos deve ser decassíla

Jogo de Palavras

Dizer que foi o receptor da comunicação quem se equivocou é uma atitude cômoda para o emissor, porém arriscada, já que a conversa pode se encerrar por ali. Quando lançamos mão do tradicional “você é que não me entendeu”, estamos transferindo para o outro a responsabilidade pelo equívoco que nós mesmos provocamos. Na prática, a nossa atitude em si é arrogante, pois não admite a possibilidade de erro e ainda por cima se exime das conseqüências, como se fôssemos donos da verdade e só a nossa versão é que contasse. Seria muito mais humilde e receptivo trocar a mensagem por “eu não me fiz entender”. Acalma o interlocutor e de quebra nos dá fôlego para uma segunda chance. Ocorre que na maioria das vezes nos utilizamos dessa tática com a melhor das intenções e com o honesto propósito de esclarecer a idéia que queríamos transmitir. Como a resposta vem de imediato à nossa mente, estamos convictos que esta forma de se expressar é correta e tanto cremos nisso que a reação é automática e não en